sexta-feira, 31 de maio de 2019

MÚSICA: LUAR DO SERTÃO - CATUTO DA PAIXÃO CEARENSE - COM QUESTÕES GABARITADAS


Música: Luar do sertão
                             Catulo da Paixão Cearense

Não há, ó gente, oh não
Luar como este do sertão...

Oh, que saudade do luar da minha tema
Lá na serra branquejando, folhas secas pelo chão
Esse luar cá da cidade tão escuro
Não tem aquela saudade do luar lá do meu sertão

Não há, ó gente, oh não
Luar como este do sertão...
Não há, ó gente, oh não
Luar como este do sertão...

Se a lua nasce por detrás da verde mata
Mais parece um sol de prata prateando a solidão
A gente pega na viola que ponteia
E a canção é a lua cheia a nos nascer no coração

Não há, ó gente, oh não
Luar como este do sertão...
Não há, ó gente, oh não
Luar como este do sertão...

Se Deus me ouvisse com amor e caridade
Me faria essa vontade, o ideal do coração:
Era que a morte a descontar me surpreendesse
E eu morresse numa noite de luar do meu sertão

Não há, ó gente, oh não
Luar como este do sertão...
Não há, ó gente, oh não
Luar como este do sertão...

Composição: Catulo da Paixão Cearense / João Pernambuco

Entendendo a canção:
01 – De que maneira o autor compara a vida no sertão com a cidade?
      Como uma vida mais saudável, pois o homem tem mais tempo para contemplar o pôr do sol, admirar a lua e até pegar a viola e pontear uma canção.

02 – O que a letra da canção quis dizer no trecho: “Esse luar cá da cidade tão escuro / Não tem aquela saudade / Do luar lá do sertão”?
      O luar escuro a que se refere, pois a lua da cidade é escura e é só vista como plano de fundo, devido tantas luzes na cidades diferente do sertão onde só ela brilha.

03 – Que astros, além do sol, têm luz própria e podem ser vistos da Terra?
      As estrelas.

04 – De que o eu lírico trata na canção?
      Fala da saudade do sertão, principalmente da beleza da noite no sertão.

05 – Como é a noite no sertão, segundo o eu lírico?
      O luar do sertão, ou seja, a lua é bela, clareia e brilha mais do que a lua da cidade.


FILME: DESAFIANDO GIGANTES - ALEX KENDRICK - COM SINOPSE E QUESTÕES GABARITADAS


Filme: DESAFIANDO GIGANTES

 Data de lançamento desconhecida (1h 51min)
Direção: Alex Kendrick
Gênero Drama  
Nacionalidade EUA

SINOPSE E DETALHES
        Técnico do Shiloh Eagles há seis anos, Grant Taylor (Alex Kendrick) nunca conseguiu levar sua equipe ao título da temporada. Além do mau desempenho no trabalho, Grant deve enfrentar outros problemas graves em casa e seu estado psicológico e moral nunca esteve tão abatido. Quando tudo parece estar prestes a ir por água abaixo, uma intervenção misteriosa muda o seu destino.

Entendendo o filme:

01 – Taylor o personagem principal da história passa por muitas dificuldades no trabalho e em casa.
a)   Enumere uma dificuldade encontrada no trabalho:
Ele não consegue fazer com que o time a qual é treinador vença por seis anos.   
                                     
b)   Uma dificuldade em família:
A esposa de Taylor que muito ter um filho, eles fizeram várias tentativas, mas nunca conseguiram, porém depois de alguns exames, o casal descobre que o problema está nele. Isso o deixa mais frustrado ainda.

02 – Taylor, após muitas lutas consegue encontrar inspiração para lutar e seguir em frente. Onde ele busca essa inspiração? Comente.
      É na leitura da Bíblia Sagrada e na oração que Taylor consegue a força necessária para lutar e vencer.

03 – Taylor conseguiu desafiar e vencer o gigante que o atormentava. Você já conseguiu vencer algo que parecia ser impossível? Comente.
      Resposta pessoal do aluno. 

04 – Ao nos deparamos com alguma dificuldade o que devemos fazer? Vencer nossos limites ou deixar as coisas acontecerem?
      Resposta pessoal do aluno. Sugestão: Vencer nossos limites.

05 – É normal sentir medo de algo ou alguém. Qual é o seu maior medo? Comente.
      Resposta pessoal do aluno.

06 – Será que é mais fácil ser fraco e pequeno ou forte e determinado para vencer as dificuldades da vida? Justifique sua resposta.
      Resposta pessoal do aluno. Sugestão: Ser forte e determinado para vencer as dificuldades da vida.

07 – “A fé move montanhas”. Você acredita nessa afirmação? Comente.
      Resposta pessoal do aluno. 

08 – Observe a cena abaixo:

    Essa foi uma cena muito emocionante. Faça uma breve descrição dela:
      Resposta pessoal do aluno.

09 – Descreva quais foram as palavras de incentivo que o técnico utilizou nesse momento com o capitão do time:
      Você consegue, não desista.

10 – Qual cena do filme você mais gostou. Comente-a.
      Resposta pessoal do aluno.

11 – Assinale apenas uma opção: A partir desse momento quais frases farão parte da sua vida? Explique porque.
a.   (   ) “Nunca desista”
b.   (   )”Nunca volte atrás”
c.   (   )”Nunca perca a fé”.
      Resposta pessoal do aluno.

POESIA MEU ANJO - RENATA PALLOTTINI - COM GABARITO


Poesia: MEU ANJO


Ele chega amplamente de manhã.
Vem falando, e ao chegar boceja e diz verdades
Acerca de Pedrão, do céu e da ambrosia
De que não gosta: prefere pão de queijo.
Vai comigo ao trabalho mas não entra na Escola
Prefere ficar voando sobre a Raia
Porque diz que esses jovens então sempre em perigo.
Quando voltamos ele vem flutuando
Ou se agarra no teto do carro, de carona,
E chega com as penas despenteadas.

Come junto comigo e o meu amor é o seu.
Diz que ama São Paulo a despeito de tudo
Cuida de mim e (ele também) lê Fernando Pessoa.

Não sei o que faria sem meu Anjo.
Às vezes eu o empresto (com seu consentimento)
Às pessoas que amo. Mas ele sempre volta.

Antes eu o supunha uma criança
Porém muito mais sábia. Depois vi que ele pensa
E acho até que sofre.

Mal comparando, ele parece uma coisa muito fiel,
Assim, um cão divino
Só que muito melhor.
                                             Renata Pallottini

Entendendo a poesia:

01 – Personagem protagonista do poema?
      Protagonista – O Anjo.

02 – O que significa a poesia “Meu Anjo” de Renata Pallottini?
      O eu lírico busca dentro do contexto da contemporaneidade explicar a presença de seu anjo protetor.

03 – Segundo o eu lírico qual é a missão de seu anjo?
      Ele é encarregado de cuidar dele, e que às vezes o empresta para as pessoas que ama.

04 – Em que versos o eu lírico percebe a presença de seu anjo?
      “Ele chega amplamente de manhã”.

05 – De que ele não gosta no café da manhã? E prefere o quê?
      Não gosta de ambrosia e prefere pão de queijo.

06 – Além do anjo afastá-lo do perigo, o que mais ele faz?
      Ele aconselha o bem e as virtudes, sugere bons pensamentos e traz à mente lembranças edificantes.



POEMA: ARANHA - OTONIEL PEREIRA - COM GABARITO


Poema: Aranha

Toda Charme, toda manha  
Como um trapezista
Equilibra-se a aranha
Verdadeira artista.

Ela nunca se assanha
Mas às vezes despista
Quando algo estranha.
Pegá-la? Desista.

Suavemente ganha
Sua finíssima pista
E ali se emaranha
E perde-se de vista.

PEREIRA, Otoniel S. Bichário. São Paulo: Formato, 2006, p.20.
Entendendo o poema:

01 – De que se trata o poema?
      Trata-se poeticamente do dia-a-dia de uma aranha.

02 – Que rimas há no poema?
      Manhã/aranha – Trapezista/artista – Assanha/estranha – Despista/desista – Ganha/emaranha – Pista/vista.

03 – Cite as qualidades da aranha.
      Charmosa, manhosa, trapezista e artista.

04 – Que faz ela para fugir de seu predador?
      Suavemente ganha / Sua finíssima pista / E ali se emaranha / E perde-se de vista.

05 – Quantas estrofes e versos tem o poema?
      Possui três estrofes e doze versos.


CONTO: SUA AVÓ, MEU BASSET - SÍLVIA ORTHOF - COM QUESTÕES GABARITADAS


CONTO: SUA AVÓ, MEU BASSET
                          
                      Sílvia Orthof

        Eu não tive só rãs, coelhos ou bicho de pé, não. Tive, também um bicho comprido, baixinho, de pernas tortas e o nariz gelado: era um cachorro basset. Seu nome era “Sua avó”. Eu a adorava quando alguém me perguntava – Como é o nome dele?
        -- Sua avó!
        -- Como?
        -- Sua avó!
        -- Minha avó? Ó menina mal criada! Então esse cachorro é a minha avó? Mais respeito!
        -- Não é falta de respeito não, é que o nome dele é Sua avó.
        Sua avó ia sempre pescar comigo, no tempo em que a lagoa Rodrigo de Freitas ainda tinha peixe. Isso foi um pouco depois de Cristo, no tempo em que eu era criança.
        Naquele tempo muito antigo nem existia poluição. A gente chegava até a comer peixe pescava naquela lagoa. Pra quem não é do rio, vou explicar: A lagoa Rodrigo de Freitas fica no Jardim Botânico em Ipanema linda de se olhar, horrível de se cheirar. Em volta tem muitos apartamentos de gente rica e quando ela fede as pessoas fecham os narizes e as janelas, mas linda ela sempre foi, quando eu era criança ela tinha cheiro de mar um cheiro limpo e mais linda do que ela é hoje, porque era cercada de coisas muito antigas, não sei se vocês conhecem, era umas coisas verdes chamadas árvores, coisas de outros tempos.
        Sua avó e eu íamos pescar barrigudinhos, que são uns peixes barrigudinhos, ora! Eu levava anzol, vara e isca. Sua avó levava o focinho, as patas e o rabo lá dele, é claro. O rabo de sua avó era comprido, vivia balançando de um lado pro outro, por motivo de sai avó ser muito alegre, Sua avó era marrom não a sua avó, não falo dela, por favor, não faça confusão! Estou falando de sua Avó, meu cachorro, tá?
        Isca de barrigudinho é minhoca. Naquele tempo, em vez de asfalto ou ladrilho decorado, em vez de carpete ou tábuas corridas, o chão tinha terra e a terra tinha minhocas formidáveis! Era só remexer a terra, a gente encontrava minhocas. Depois era ir pescar!
        Fomos pescar, Sua avó e eu. Sentei numa pedra, Sua Avó começou a latir. Aí eu disse pra ele:
        -- Se você latir, vai espantar os peixes! Psiu! Tem que ficar bem quietinho, ouviu?
        Sua Avó era muito inteligente, por motivo de ser cachorro. Cachorro é mais inteligente do que adulto ou criança. Já conheci muito adulto ou criança. Já conheci muito adulto ou criança, da raça gente, bem burros, mas cachorro, sempre conheci ultra sábios. Sua Avó era ultra sábio.
        Passou um tempinho, puxei a linha, não veio peixe. Joguei a linha, passou um tempinho não veio peixe, joguei a linha, passou um tempão, não veio peixe. Pescar é muito interessante, porque, geralmente, a gente dá banho em minhoca e não pesca.
        Depois de uma hora vinte minutos e três segundos e meio, lembro exatamente pois foi um acontecimento estarrecedor em minha vida e na vida de sua Avó, puxei o anzol e só veio a minhoca espirrando um pouco, poia a água estava meio gelada, mas não veio peixe. Aí dei um puxão na linha, joguei pra trás pra depois jogar pra frente dentro da água... aí... ai... Que horror! Que horror! Que horror! Mas que horror!
        Nem sei se conto. Você pode chorar, e eu só gosto de contar histórias alegres, mas... aconteceu um horror mesmo: quando joguei o anzol pra trás puxei pra frente, pesquei Sua Avó pelo nariz. Sua Avó fez um escândalo, enfiou o rabo entre as pernas e saiu correndo, arrastando a isca, a minhoca atravessada no nariz, o fio e a vara, uivando, parecendo uma sirene de bombeiro! O escândalo foi tamanho, que apareceu uma velha com um balde d’água, perguntando onde era o incêndio. Sua Avó corria na frente, uivando, eu atrás.
        Perto dali, havia a Hípica, que é um clube, onde cavaleiros e cavalos pulam obstáculos. Quem pula mesmo é o cavalo, coitado, ainda carregando o cavaleiro. Aquele clube é muito elegante e existe até hoje. Só que naquele tempo não tinha o muro que tem hoje, era cercado por uma cerquinha de arame.
        Era dia de competição. Cavaleiros vestidos de casaca vermelha saltavam obstáculos montados em cavalos brilhantes de tanta escova e ... de suor também! Em volta, um público entusiasmado aplaudia um cavaleiro que ia pular (ele não, o pobre cavalo) o último obstáculo.
        Foi aí que Sua Avó entrou pelo picadeiro adentro, uivando, com o anzol, a minhoca, o fio e a vara de pescar, e eu, atrás, além da velha do balde.
        O cavalo levou um susto, deu meia volta de repente. O cavaleiro caiu de cabeça. Ainda bem que foi dentro do balde da velha, ficou meio esbaldado, mas foi melhor do que cair, por exemplo, em cima do nariz de Sua Avó. Se tivesse acontecido isso talvez a tragédia fosse maior: o cavaleiro poderia ficar preso, junto com o focinho de Sua Avó, na minhoca, no fio, na vara, avessando pelos fundilhos. Isso, raças ao balde não aconteceu.
         Naturalmente, foi um pouco difícil, depois, serrar o balde pra tirar a cabeça do cavaleiro que tinha ficado presa, não saía. Debalde todos os esforços, o balde grudou na cabeça do cavaleiro. Mas o veterinário, que cuida de cavalos na Hípica, tinha uma serrinha de serrar balde de cabeça de cavaleiros e resolveu o problema.
        Depois de tanta emoção, só faltava tirar o anzol do nariz de Sua Avó. Com a festa já tinha sido estragada, o veterinário resolveu “veterinar” mais um pouco. Chegou pra mim e perguntou:
        -- Como é o nome do animal?
        Veterinário tem mania de chamar cachorro de animal, uma antipatia. Eu, danada, respondi:
        -- Sua Avó!
        -- Ó menina desaforada, como é que você mete minha avó no meio dessa confusão? Mais respeito!
        -- O nome do meu cachorro é Sua Avó!
        -- Pois eu vou me queixar é à sua avó, menina mal criada! – gritou o veterinário roxo de raiva.
        Não sei por qual motivo o veterinário pensou que a velha do balde fosse minha avó. Foi pra ela enfezadíssimo e perguntou:
        -- A senhora não deu educação pra sua neta, não?
        -- Nesse momento, Sua Avó ficou irritado com o veterinário. Sua Avó não admitia que ninguém me tratasse mal. Mesmo com anzol no nariz. Sua Avó veio pra perto do veterinário, rosnou, rosnou e de repente, NHOC! Mordeu o veterinário no nariz.
        Na confusão, o anzol saiu do nariz de sua avó e foi parar no nariz do veterinário.
       Pra curar anzol preso no nariz de cachorro, só mesmo um veterinário, não é verdade?
       O veterinário foi procurar um médico, pois ele só sabe cuidar de animal. O médico, com certeza tirou o anzol.
       Eu é que fiquei sem pescar barrigudinho e a velha está sem balde, até hoje. É isso aí.
                                                                                  (Sílvia Orthof )
Entendendo o conto:

01 – Onde está localizada a Lagoa Rodrigo de Freitas?
      Está localizada no Jardim Botânico, em Ipanema, no Rio de Janeiro.

02 – De acordo com as informações encontradas na pesquisa a Lagoa Rodrigo de Freitas não é mais a mesma. Por quê?
      Porque as pessoas não respeitam a natureza jogando lixo dentro da lagoa, aparecem peixes mortos.

03 – Por que a lagoa recebeu esse nome?
      Porque Sebastião Fagundes Varela era proprietário de todas as terras nessa região, e em 1702, a sua bisneta, Petronilha Fagundes, então com 35 anos de idade, casou-se como jovem oficial de cavalaria português, Rodrigo de Freitas de Carvalho, então com apenas 18 anos de idade, que deu o seu nome a lagoa. Viúvo, Rodrigo de Freitas retornou a Portugal em 1717, onde veio a falecer em 1748.

04 – O que é hípica?
      Hípica, são quase sempre clubes em que a atividade principal é o hipismo.

05 – Em nossa cidade existe hípica?
      Resposta pessoal do aluno.

06 – Por que a autora diz que aquele clube é muito elegante?
      Porque o hipismo é um esporte conhecido pela elegância que surgiu com os nobres europeus.

07 – Qual a classe social que geralmente participa desse tipo de lazer?
      É praticada pela classe social alta. Por ser considerado um esporte de alto custo.

08 – Por meio das informações presentes no texto é possível perceber a que classe social pertence à menina? Justifique.
      Pela localização de sua casa, podemos entender que sua família tinha condições financeiras.

09 – De acordo com a leitura do texto como você imagina ter sido a infância dessa garota? Explique.
      Resposta pessoal do aluno.

10 – E como você vê a sua infância? Comente.
      Resposta pessoal do aluno.

11 – Naquela época a garota ia pescar na lagoa Rodrigo de Freitas. E você, gosta de pescar? Onde?
      Resposta pessoal do aluno.

TEXTO: O NOME FEIO - SALETE BRENTAN - COM QUESTÕES GABARITADAS


Texto: O nome feio
          
    Salete Brentan

     Não tinha jeito! O Chico não gostava do nome dele e pronto...
       – Mãe, por que você foi escolher o nome de Francisco para mim? Eu não gosto desse nome porque vira Chico e o João falou que Chico é nome até de macaco. A mãe dele não sabia direito o que responder. Afinal, quando ela era pequena, também não gostava de seu nome. As crianças viviam fazendo gozação:
        – Ivete canivete põe no fogo e a mão derrete!
        Foi pensando nisso que ela argumentou:
        – Sabe Chico, quando a gente é pequeno, a gente não gosta do nome. Acho que isso acontece com todo mundo...
        O Chico nem deixou que ela terminasse:
        – Com todo mundo, nada. O João gosta do nome dele. Ele já me falou. O meu é que é feio. De hoje em diante o meu nome vai ser Pli, como você me chama. Esse eu acho bonito! Falou convicto. De fato, desde que Chico era pequeno, sua mãe o chamava carinhosamente de Pli. E, por isso, o pai e a Joana – que era a moça que cuidava dele – também passaram a chamá-lo assim. E ele adorava. Nunca ninguém tinha feito gozação com esse nome. Ao contrário de Chico, que sempre vinha com uma brincadeirinha besta:
        – Chico, cara de penico! – incomodavam seus amiguinhos na escola.
        No começo ele até que não ligava muito. Mas, com o passar do tempo, cada vez mais gente ficava falando isso. Até gente grande! Ele tinha vontade de falar um daqueles palavrões bem feios. Às vezes até falava. E falava com gosto. Ora! Que coisa mais chata era aquilo. Será que ninguém percebia que enchia o saco?
BRENTAN, Salete. Revista Alegria. São Paulo. n.60, 1978.

Entendendo o texto:

01 – O texto que você leu agora foi escrito por Salete Brentan, de que trata o texto?
      Ele fala sobre os sentimentos de um garoto com relação ao seu nome.

02 – E você, o que acha do seu nome? Quem o escolheu? Por quê?
      Resposta pessoal do aluno.

03 – Qual era a “bronca” do menino?
      Ele não gostava do seu nome.

04 – Que idade você acha que o menino tem?
      Resposta pessoal do aluno.

05 – Você tem alguma “bronca” parecida?
      Resposta pessoal do aluno.

06 – No texto “O nome feio”, registre aquilo que achou mais interessante no texto.
      Resposta pessoal do aluno. Sugestão: “De hoje em diante o meu nome vai ser Pli, como você me chama. Esse eu acho bonito!”

07 – O texto “O nome feio” é uma narrativa. Há um narrador que vai contando os fatos das personagens que participam da história. Sabendo disso, resolva as questões abaixo:
a)   Retire do texto um trecho em que o narrador conta alguma coisa da história.
“—Mãe, por que você foi escolher o nome de Francisco para mim? ...”.

b)   Identifique os personagens do texto.
Chico, sua mãe, João, pai e Joana.

08 – Você tem conhecimento de quais são os documentos que certificam as pessoas?
      Resposta pessoal do aluno.

09 – Você sabe para que serve a Certidão de Nascimento? Você já precisou dela? Para fazer o quê?
      Resposta pessoal do aluno.



MENSAGEM ESPÍRITA: GANHANDO RESISTÊNCIA - ANDRÉ LUIZ E CHICO XAVIER - PARA REFLEXÃO


Ganhando Resistência
Domingo, 26 de junho de 2011 por André Luiz e Chico Xavier



         Reconhece você que a sua resistência precisa aumentar; por isso mesmo não despreze o esforço no bem algum tanto a mais além do nível.
        Se o trabalho parece estafante, suporte mais um pouco as dificuldades em que se lhe envolvem os encargos.
        Onde lhe pareça já haver exercitado o máximo de humildade, apague-se um tanto mais em favor de outrem para que o seu grupo alcance a segurança ideal.
        Demonstre um pouco mais de paciência nos momentos de inquietação e evitará desgostos incalculáveis.
        Abstenha-se algo mais de reclamações mesmo justas, no que se reporta aos seus interesses pessoais, e observará quanta simpatia virá depois ao seu encontro.
        Mostre um pouco mais de serenidade nos instantes de crise e você se transformará no apoio providencial de muita gente.
        Confie algo mais na proteção da Bondade Divina e conseguirá superar obstáculos que se lhe figuravam intransponíveis.
        Nos dias de enfermidade aguente um tanto mais as dificuldades do tratamento e você apressará as suas próprias melhoras de maneira imprevisível.
        Tolere um tanto mais as intrigas que, porventura, lhe assediem o campo de ação, sem lhes oferecer qualquer importância e defenderá a sua própria felicidade, com inesperado brilhantismo.
     Você vive no mundo em meio de provas e lutas, desafios e necessidades, ao modo de aluno entre as lições de que precisa na escola, em favor do próprio aproveitamento; aprenda a suportar os convites ao bem dos outros e você ganhará os melhores valores da resistência.

TEXTO: PEGUE A BOLA, ROBÔ - ÉPOCA - COM QUESTÕES GABARITADAS


Texto: Pegue a bola, robô

       Ele tem rabo, quatro patas e late, além de ser brincalhão e bom companheiro. Só que, diferentemente dos outros cães, alimenta-se exclusivamente de pilhas, e quando o dono não quer mais sua companhia tudo o que precisa fazer é desliga-lo. Trata-se de um cachorro artificial, o mais novo modelo do robô do Laboratório de Ciência da Computação da Sony Japonesa. Chamado de RoboPet, ele consegue correr atrás de uma bola, desviar-se de obstáculos e atender a chamados. Ainda é um protótipo, mas a Sony pretende colocar robôs como esse à venda até o ano 2000.

                                                                           Época, 22/6/1998.
Entendendo o texto:

01 – A Sony criou mais um de seus aparelhos elétricos sofisticados. Mas esse tem aparência diferente. Parece:
a)   Uma vassoura elétrica.
b)   Um cachorro de verdade.
c)   Um carro movido à eletricidade.
d)   Um gato.
e)   Um carro movido à corda.

02 – Que utilidades esses aparelho pode trazer ao dono?
a)   Atender a chamados.
b)   Fazer a segurança da família.
c)   Fazer limpezas externas da casa.
d)   Efetuar cálculos geométricos.
e)   Fazer almoço para o dono.

03 – De acordo com o texto, esse robô é movido a:
a)   Eletricidade.
b)   Bateria.
c)   Computador.
d)   Pilha.
e)   Energia solar.

04 – A Sony pretende colocar mais produtos no mercado por quê?
a)   Não tem saída.
b)   Vende mais ou menos.
c)   A venda dos robopet é por telefone.
d)   A venda será feita apenas pela internet.
e)   A previsão para a compra do robô é boa.

05 – Protótipo é o mesmo que:
a)   Chip eletrônico.
b)   Parte de um robô.
c)   Sistema eletrônico.
d)   Prótese.
e)   Modelo, original.