terça-feira, 29 de dezembro de 2020

TEXTO: AS VÁRIAS FORMAS DE COMUNICAÇÃO - RUTH ROCHA E OTÁVIO ROTH - COM GABARITO

 Texto: As várias formas de comunicação

            


 Ruth Rocha e Otávio Roth

      Quando uma abelha quer contar às outras onde ela encontrou uma porção de flores, cheinhas de mel, executa uma espécie de dança, que é a forma que ela usa para se comunicar.

        Os animais, embora não falem, têm formas sofisticadas de comunicação.

        As baleias, por exemplo, emitem um canto prolongado, que atravessa os oceanos.

        Os cães conseguem não só comunicar-se entre si, como até mesmo comunicar-se com seus donos.

        As crianças também se comunicam, antes mesmo de saber falar, por gestos, por ruídos, por expressões.

        O adulto, mesmo sabendo falar, também se comunica por gestos. O gesto de levantar ou abaixar o polegar é compreendido por todos, desde o tempo dos romanos. O aceno de quem vai embora, o sorriso, o abanar da cabeça, para dizer sim ou não, são formas de comunicação que dispensam a palavra, embora variem de significado, de um povo para outro.

        Os surdos-mudos possuem dois tipos de linguagem. Ambas se valem de gestos das mãos.

        Não são apenas os gestos que comunicam sem palavras.

        Até a maneira de uma pessoa se vestir ou se enfeitar pode ser considerada uma forma de comunicação.

        A música é uma outra forma de comunicação. Ela transmite estados de espírito: alegria, tristeza, romantismo ou entusiasmo.

        Quando a música é acompanhada de letra, pode emitir uma mensagem específica, que vai desde as ingênuas canções infantis até os mais exaltados hinos patrióticos.

        O sonho do entendimento universal está ainda longe de se realizar.

        No entanto, a busca de uma linguagem que possa ser compreendida por todos é constante.

        Hoje, em todas as cidades do mundo, encontramos sinais de trânsito, avisos que proíbem o fumo, indicações para toaletes masculinos ou femininos, praticamente iguais.

                    Adaptado de: Ruth Rocha & Otávio Roth. O livro dos gestos e dos símbolos. São Paulo: Melhoramentos, s.d.

                      Fonte: Português – Palavra Aberta – 5ª série – Isabel Cabral – Atual Editora – São Paulo, 1995. p. 21-23.

Fonte de imagem: https://www.google.com/url?sa=i&url=https%3A%2F%2Fwww.focoeducacaoprofissional.com.br%2Fblog%2Fformas-comunicacao-curso-online&psig=AOvVaw0XMbVW4DHRB58Te8XGhVQf&ust=1609350199330000&source=images&cd=vfe&ved=0CAIQjRxqFwoTCKjIwPDe8-0CFQAAAAAdAAAAABAJ


Entendendo o texto:

01 – Leia, com atenção, as seguintes frases. Reescreva os trechos, substituindo as palavras destacadas por outra de sentidos equivalentes:

a)   Os animais têm formas sofisticadas de comunicação.

Aprimoradas.

b)   Os dois tipos de linguagem dos surdos-mudos se valem de gestos das mãos.

Utilizam.

02 – “Quando a música é acompanhada de letra, pode emitir uma mensagem específica, que vai desde as ingênuas canções infantis até os mais exaltados hinos patrióticos.”

a)   Quando alguém emite uma mensagem, está mandando ou recebendo a mensagem?

Mandando.

b)   O contrário de mensagem específica é mensagem geral. Tente explicar o significado de específica.

Uma mensagem específica é mais determinada.

c)   A palavra exaltado apresenta vários significados. Escolha uma que melhor substitui exaltado no texto.

Vivo, ardente.

d)   Escreva duas frases, usando a palavra exaltado com sentidos diferentes do texto.

Resposta pessoal do aluno.

03 – De acordo com o texto, podemos afirmar que apenas os seres humanos se comunicam? Justifique sua resposta.

      Não. “Os animais, embora não falem, têm formas sofisticadas de comunicação.”

04 – “O gesto de levantar ou abaixar o polegar é compreendido por todos, desde o tempo dos romanos.” Na época dos romanos, há muitos séculos, existiam muitos jogos, em grandes estádios, parecidos com os estádios de futebol de hoje. Só que, em vez de jogarem uma bola, alguns romanos lutavam para todos assistirem. No final da luta, o perdedor dependia do gesto de “levantar ou abaixar o polegar” do imperador. Se o imperador abaixasse o polegar, o perdedor deveria morrer. Se o imperador levantasse o polegar, o perdedor poderia viver. E hoje? Qual é o significado desses dois gestos?

      Positivo e negativo.

05 – “Até a maneira de uma pessoa se vestir ou se enfeitar pode ser considerada uma forma de comunicação.” Que tipo de informação podemos ter a respeito de uma pessoa pela observação de suas roupas?

      O seu jeito de ser, a sua situação sócio econômica, se segue ou não a moda, se é ou não mais tímida, etc.

06 – O texto “As várias formas de comunicação” é um exemplo de comunicação através da linguagem verbal escrita. Em seu caderno, dê exemplos de situações em que a comunicação é feita através da linguagem verbal escrita.

      Resposta pessoal do aluno.

TEXTO: ASSASSINOS DE RODAS - GILBERTO DIMENSTEIN - COM GABARITO

 Texto: Assassinos de rodas

          


GILBERTO DIMENSTEIN

    É como se três vezes por semana caísse um Boeing lotado de passageiros no Brasil.

    Um dossiê montado na Presidência da República a partir de dados do Departamento Nacional de Trânsito, SUS e Polícia Rodoviária revela um massacre nas ruas e estradas.

        Foram 750 mil acidentes no ano passado. Além das 36.503 mortes, 323 mil pessoas saíram feridas – 193 mil delas com alguma lesão permanente.

        A imensa maioria das vítimas tem entre 18 e 34 anos, auge do período produtivo.

        Tabulado pelo Gerat (Grupo Executivo de Redução de Trânsito), ligado diretamente ao presidente Fernando Henrique Cardoso, é o retrato estatístico da selvageria nacional.

        Aproximadamente 90% dos acidentes são provocados, segundo o dossiê, por falha humana. Detalhe espantoso: 51% ocorrem em estrada reta, com dia claro, envolvendo apenas um carro.

        Entre as principais causas, álcool e drogas. Traduzindo: desleixo.

        "Não temos, na verdade, um problema de trânsito. Mas um problema de cidadania", afirma José Roberto Souza, coordenador do Gerat.

        Segundo ele, o elevado número de acidentes é provocado, em boa parte, porque os criminosos não são devidamente punidos – e também porque não existe um processo de educação sobre civilidade no trânsito.

        Basta comparar: em países mais ricos, com as leis cumpridas com mais rigor, a exemplo dos EUA, a proporção é de duas mortes para cada 10 mil veículos; no Brasil, é cinco vezes maior.

        Esses dados servem de combustível para uma das mais interessantes campanhas sociais lançadas no Brasil – Natal sem morte.

        No período natalino, governo e sociedade civil fariam um esforço conjunto para reduzir todos os tipos de mortes violentas.

        Mensagem: se podemos num dia reconquistar o espaço público, podemos sempre.

        "Nossa estratégia é simples. Vamos, de um lado, educar para que os motoristas sejam mais responsáveis. E, de outro, usar a nova lei, que vai dar status de assassino ao motorista que provocou mortes", garante José Roberto.

        PS – O novo código de trânsito vai ser sancionado em 7 de setembro, Dia Nacional dos Direitos Humanos. Apropriado.

 Folha de São Paulo, 27 ago. 1997.

      Fonte: Português – Linguagem & Participação, 8ª Série – MESQUITA, Roberto Melo / Martos, Cloder Rivas – 2ª edição – 1999 – Ed. Saraiva, p. 182-3.

Fonte da imagem: https://www.google.com/url?sa=i&url=https%3A%2F%2Fwww.noticiasautomotivas.com.br%2Fcodigo-de-transito-ctb-em-detalhes%2F&psig=AOvVaw1-uxCW_Jb_LBhlIuWfuedz&ust=1609348779679000&source=images&cd=vfe&ved=0CAIQjRxqFwoTCIiDy8jZ8-0CFQAAAAAdAAAAABAD

Entendendo o texto:

01 – Qual é a situação do trânsito em nosso país?

      É péssima. Em 1996, além das 36.503 mortes, 323 mil pessoas saíram feridas – 193 mil delas com lesão permanente.

02 – Qual é a grande causa dos acidentes nas ruas e estradas brasileiras?

      É a falha humana, o desleixo, o descompromisso dos motoristas.

03 – Qual é a consequência da falta de punição para os criminosos do trânsito?

      É o aumento do número de acidentes.

04 – O texto é narrativo ou dissertativo? Por quê?

      O texto é dissertativo porque apresenta o ponto de vista do autor sobre o tema abordado.

05 – Qual é a ideia do texto, para você? Fundamente sua resposta.

      Resposta pessoal do aluno. Sugestão: O texto mostra a consequências do descompromisso, da falta de preocupação com o outro, da falta de consciência sobre o que seja ser cidadão. Aponta o individualismo como o principal fator a comprometer o espaço público.

     

segunda-feira, 28 de dezembro de 2020

MÚSICA: ESTRELA - SÉRGIO BRITTO E ARNALDO ANTUNES - COM ADRIANA CALCANHOTO - GABARITADA

 MÚSICA: ESTRELA

                  


                                               Adriana Calcanhoto

 

Estrelas

Para mim

Para mim

Estrelas

São para mim

Estrelas para mim

Estrelas

Estrelas

Para quê?

Para quê?

Estrelas para mim

Só para mim

Para mim

Para mim

Para mim

E a treva entre as estrelas

Só para mim

 

Entendendo a canção

1)   De que se trata a canção?

O eu lírico é alguém que deseja as estrelas.

 

2)   Você já olhou com admiração um céu muito estrelado? Que pensamentos e sentimentos um céu estrelado pode despertar nas pessoas?

Resposta pessoal.

3)   Por que nas grandes cidades é mais difícil contemplar uma noite estrelada?

Porque as luzes e a poluição da cidade dificultam a visão das estrelas.

4)   Em sua opinião, por que as estrelas chamam tanto a atenção dos seres humanos?

Resposta pessoal. Possibilidade: O brilho das estrelas contra um céu escuro dá aos seres humanos uma ideia da imensidão do Universo. A beleza de um céu estrelado encanta as pessoas.

domingo, 27 de dezembro de 2020

CONTO: O CÓDIGO SECRETO - GOSCINNY & SEMPÉ - COM GABARITO

 Conto: O CÓDIGO SECRETO

            


  Goscinny & Sempé

        Vocês já repararam que falar com os colegas na classe é muito difícil e toda hora ficam atrapalhando a gente? É claro que dá para falar com o colega que está sentado ao lado; mas mesmo que a gente tente falar baixinho a professora escuta e diz: “Já que você está com tanta vontade de falar, venha até o quadro, vamos ver se você continua tão tagarela!”. Também dá para mandar papeizinhos onde a gente escreve o que tem vontade de dizer; mas aí também a professora quase sempre vê o papel passar e manda a gente levar na mesa dela, e depois levar para o diretor, e como estava escrito “O Rufino é burro, passe” ou “O Eudes é feio, passe” o diretor diz que você vai se tornar um ignorante, que vai acabar na cadeia, que isso vai deixar muito tristes os seus pais, que se matam para você poder ser bem educado. E ele deixa a gente de castigo depois da aula!

        Foi por isso que no primeiro recreio de hoje de manhã nós achamos incrível a ideia de Godofredo.

        -- Inventei um código formidável, o Godofredo disse. É um código secreto que só a gente da turma vai entender.

        E ele mostrou para nós: para cada letra a gente faz um gesto. Por exemplo: o dedo no nariz é a letra “a”, o dedo no olho esquerdo é “b”, o dedo no olho direito é “c”. Tem gestos diferentes para todas as letras: a gente coça a orelha, esfrega o queixo, dá tapas na testa, e assim até “Z”, quando a gente fica vesgo. Fantástico! [...]

        Então nós pedimos para o Godofredo ensinar pra gente o código dele. Nós todos ficamos em volta do Godofredo e ele disse pra gente fazer que nem ele: ele tocou o nariz com o dedo e nós todos tocamos os nossos narizes com os nossos dedos; ele pôs um dedo no olho e nós todos pusemos um dedo no olho. Foi quando nós todos estávamos fazendo que nem vesgo que o Sr. Moscadassopa chegou. O Sr. Moscadassopa é um inspetor de alunos novo, que é um pouco mais velho do que os grandes, mas não muito, e parece que é a primeira vez que ele trabalha de inspetor de alunos numa escola.

        -- Escutem, o Sr. Moscadassopa disse. Eu não vou cometer a insensatez de perguntar o que é que vocês estão tramando com essas suas caretas. Eu só vou dizer que se vocês continuarem eu deixo todos de castigo na folga de quinta-feira à tarde. Entenderam?

        E ele foi embora.

        -- Bem, o Godofredo falou, vocês não vão se esquecer do código?

        -- Pra mim o que atrapalha é o negócio do olho esquerdo e do olho direito, para fazer o “b” e o “c”. Eu sempre me engano com a direita e a esquerda; é como a mamãe quando ela está dirigindo o carro do papai.

        -- Bom, não tem importância, o Godofredo falou.

        -- Como que não tem importância?, o Joaquim falou. Se eu quero te chamar de “imbecil” e eu digo “imcebil”, não é a mesma coisa.

        -- Quem é que você quer chamar de “imbecil”, imbecil?, o Godofredo perguntou.

      Mas eles não tiveram tempo de brigar porque o Sr. Moscadassopa tocou o sinal do fim do recreio. Com o Sr. Moscadassopa os recreios estão cada vez mais curtos.

GOSCINNY & SEMPÉ. O pequeno Nicolau e seus colegas. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

                      Fonte: Português – Palavra Aberta – 5ª série – Isabel Cabral – Atual Editora – São Paulo, 1995. p. 25-8.

Fonte da imagem:https://www.google.com/url?sa=i&url=https%3A%2F%2Fgestaoescolar.org.br%2Fconteudo%2F2066%2Fobservacao-de-aula-coordenador-nao-seja-um-estranho-na-sala&psig=AOvVaw2b7eS_UXAlfvrL86kWNoJJ&ust=1609165400526000&source=images&cd=vfe&ved=0CAIQjRxqFwoTCPCElriu7u0CFQAAAAAdAAAAABAD


Entendendo o conto:

01 – “Vamos ver se você continua tão tagarela!”

a)   O que uma pessoa tagarela faz para ser chamada assim?

Fala muito.

b)   Escreva uma frase utilizando a palavra tagarela.

Resposta pessoal do aluno.

02 – “O Sr. Moscadassopa é um inspetor de alunos novo”.

a)   Há um inspetor de alunos em sua escola?

Resposta pessoal do aluno.

b)   Qual é o trabalho de um inspetor de alunos?

Tomar conta dos alunos quando estes estão fora da classe.

03 – “Eu não vou cometer a insensatez de perguntar o que é que vocês estão tramando com essas suas caretas.”

a)   A palavra destacada poderia ser substituída por:

Agressão – besteira – distração – audácia.

b)   Reescreva a frase em seu caderno, utilizando a palavra escolhida.

Eu não vou cometer a besteira.

04 – Vamos recontar essa história.

a)   Você vai identificar os fatos essenciais, isto é, os acontecimentos mais importantes. Os dois primeiros fatos já estão mencionados no esquema a seguir. Continue a partir deles:

1 – Os alunos têm dificuldade de se comunicar durante a aula porque a professora não deixa.

2 – Godofredo avisa aos colegas que inventou um código secreto.

3 – Godofredo explica como é o código.

4 – Os meninos começam a aprender o código.

5 – O Sr. Moscadassopa chega e fica bravo, mandando-os parar.

6 – Os meninos discutem a dificuldade do código e como não esquecê-lo.

7 – O recreio acaba.

b)   Agora, seguindo o esquema que você elaborou, reconte a história usando suas próprias palavras.

Resposta pessoal do aluno.

05 – São citadas muitas personagens nessa história.

a)   Quem são elas?

Os meninos da escola e o Sr. Moscadassopa.

b)   Onde elas estão?

Na escola.

06 – Vamos observar o narrador da história.

a)   Ele também é personagem?

Sim.

b)   Ele é uma criança ou um adulto?

Uma criança.

c)   Compare os dois trechos:

“Então nós pedimos para o Godofredo ensinar pra gente o código dele. Nós todos ficamos em volta do Godofredo e ele disse pra gente fazer que nem ele.”

Então nós pedimos para o Godofredo nos ensinar o seu código. Nós todos ficamos ao seu redor e ele nos disse para fazermos como ele.

Ao escrever o texto “O código secreto”, o autor tentou imitar a forma de uma criança se expressar?

      Sim.

07 – O Sr. Moscadassopa parece ser um inspetor de alunos mais rígido, severo, ou mais paciente, tolerante com os meninos? Copie dois trechos do texto que comprovem a sua resposta.

      Mais severo. “Eu deixo todos de castigo na folga de quinta-feira à tarde”; “Com o Sr. Moscadassopa os recreios estão cada vez mais curtos.”

08 – No texto “O código secreto”, os meninos inventaram um novo código para se comunicarem.

a)   As pessoas que não conhecem esse código podem entender as mensagens transmitidas pelos meninos?

Não.

b)   Nesse caso, haveria comunicação?

Não.

 

CONTO: MEDO DO SACI - MONTEIRO LOBATO - COM GABARITO

 Conto: Medo do saci

            


  Monteiro Lobato

        Pedrinho, naqueles tempos, costumava passar as férias no sítio de Dona Benta, onde brincava de tudo, como está nas Reinações e na Viagem ao céu. Só não está contado o que lhe aconteceu antes da famosa viagem ao céu, quando andava com a cabeça cheia de sacis.

        A coisa foi assim. Estava ele na varanda com os olhos no horizonte, postos lá onde aparecia o verde-escuro do Capoeirão dos Tucanos, a mata virgem do sítio. De repente, disse:

        — Vovó, eu ando com ideias de ir caçar na mata virgem.

        Dona Benta, ali na sua cadeirinha de pernas cotós, entretida no tricô, ergueu os óculos para a testa.

        — Não sabe que naquela mata há onças? — disse com ar sério. — Certa vez uma onça-pintada veio de lá, invadiu aqui o pasto e pegou um lindo novilho da Vaca Mocha.

        — Mas eu não tenho medo de onça, vovó! — exclamou Pedrinho fazendo o mais belo ar de desprezo.

        Dona Benta riu-se de tanta coragem.

        — Olhem o valentão! Quem foi que naquela tarde entrou aqui berrando com uma ferrotoada de vespa na ponta do nariz?

        — Sim, vovó, de vespa eu tenho medo, não nego — mas de onça, não! Se ela vier do meu lado, prego-lhe uma pelotada do meu bodoque novo no olho esquerdo; e outra bem no meio do focinho e outra…

        — Chega! — interrompeu Dona Benta, com medo de levar também uma pelotada. — Mas além de onças existem cobras. Dizem que até urutus há naquele mato.

        — Cobra? — e Pedrinho fez outra cara de pouco-caso ainda maior. — Cobra mata-se com um pedaço de pau, vovó. Cobra!… Como se eu lá tivesse medo de cobra…

        Dona Benta começou a admirar a coragem do neto, mas disse ainda:

        — E há aranhas-caranguejeiras, daquelas peludas, enormes, que devoram até filhotes de passarinho.

        O menino cuspiu de lado com desprezo e esfregou o pé em cima. — Aranha mata-se assim, vovó — e seu pé parecia mesmo estar esmagando várias aranhas-caranguejeiras.

        — E também há sacis — rematou Dona Benta.

        Pedrinho calou-se. Embora nunca o houvesse confessado a ninguém, percebia-se que tinha medo de saci. Nesse ponto não havia nenhuma diferença entre ele, que era da cidade, e os demais meninos nascidos e crescidos na roça. Todos tinham medo de saci, tais eram as histórias correntes a respeito do endiabrado moleque duma perna só.

        Desde esse dia ficou Pedrinho com o saci na cabeça. Vivia falando em saci e tomando informações a respeito. Quando consultou Tia Nastácia, a resposta da negra foi, depois de fazer o pelo-sinal e dizer “Credo!”:

        — Pois saci, Pedrinho, é uma coisa que branco da cidade nega, diz que não há — mas há. Não existe negro velho por aí, desses que nascem e morrem no meio do mato, que não jure ter visto saci. Nunca vi nenhum, mas sei quem viu.

        — Quem?

        — O Tio Barnabé. Fale com ele. Negro sabido está ali! Entende de todas as feitiçarias, e de saci, e de mula-sem-cabeça, de lobisomem — de tudo

        Pedrinho ficou pensativo.

        [...]

 Monteiro Lobato. O Saci. São Paulo: Brasiliense, 1979.

                            Fonte: Português – Palavra Aberta – 5ª série – Isabel Cabral – Atual Editora – São Paulo, 1995. p. 05-07.

Fonte da imagem:https://www.google.com/url?sa=i&url=https%3A%2F%2Fbr.pinterest.com%2Fpin%2F312578030383108389%2F&psig=AOvVaw1MSieLUCoUqws0IqfAiV5_&ust=1609165116747000&source=images&cd=vfe&ved=0CAIQjRxqFwoTCMCRxKyt7u0CFQAAAAAdAAAAABAD

Entendendo o conto:

01 – “Dona Benta, ali na sua cadeirinha de pernas cotós, entretida no tricô, ergueu os óculos para a testa.” Responda às perguntas abaixo. Se for preciso, consulte o dicionário.

a)   As pernas da cadeira de Dona Benta eram longas ou curtas?

Curtas.

b)   Dona Benta estava entretida no tricô. E você, quando fica entretido? Por quê?

Resposta pessoal do aluno.

02 – “Se ela vier do meu lado, prego-lhe uma pelotada do meu bodoque novo no olho esquerdo [...]”.

a)   Você já viu ou já usou um bodoque? Se a resposta for afirmativa, desenhe um bodoque em seu caderno e mostre a seus colegas que nunca tenham visto um. Diga a eles para que serve um bodoque.

Resposta pessoal do aluno. Sugestão: Bodoque é uma estilingue, uma atiradeira; serve para atirar coisas, como pedras.

b)   Reescreva com suas próprias palavras o trecho destacado.

Resposta pessoal do aluno.

c)   Hoje em dia, bodoques ou estilingues não são brinquedos comuns de se encontrar. Na sua opinião, por que os meninos não os usam mais em suas brincadeiras? Eles foram substituídos por outras coisas? Pelo quê?

Resposta pessoal do aluno.

03 – Pedrinho e Dona Benta são as personagens dessa história.

a)   Onde estão as duas personagens?

Na varanda do sítio.

b)   Quem narra a história também é personagem?

Não.

04 – Pedrinho quer caçar na mata virgem. Porém, sua avó mostra-lhe vários perigos existentes nesse local.

a)   Que perigos são esses?

Onças, cobras, aranhas e sacis.

b)   Pedrinho mostra ter medo de todos os perigos da mata? De que ele diz não ter medo? Por quê?

Não. Não tem medo de onça, de cobra e de aranha. Acha que é fácil feri-las ou mata-las.

c)   Você teria medo se tivesse de enfrentar onças, cobras e aranhas? Por quê?

Resposta pessoal do aluno.

d)   Você acha que caçar animais é uma boa ideia? Por quê?

Resposta pessoal do aluno.

05 – Observe o seguinte trecho do texto: “— E também há sacis — rematou Dona Benta. / Pedrinho calou-se.”. Por que Pedrinho se calou nesse momento?

      Porque ele tinha medo de saci.

 

TEXTO: EI! EU TAMBÉM QUERO! JOÃO BAPTISTA CINTRA RIBAS - COM GABARITO

 Texto: Ei! Eu também quero!

          


   João Baptista Cintra Ribas

        Praticamente todo mundo faz parte de uma turma, de uma galera. Como é importante ter uma galera! Pertencer a um grupo ajuda a gente a ter amigos e a fazer novas amizades.

        Mas há aqueles que não conseguem se enturmar e, então, se isolam. Uns por serem muito tímidos. Outros por acharem que, tendo uma restrição no corpo, talvez não possam brincar, correr, nadar, paquerar, se divertir como todos os seus colegas. Existem ainda aqueles pais que acham melhor para o filho, que eles consideram limitado, não se arriscar a ficar muito tempo na rua. Isso porque — acreditam eles — a criança pode piorar o seu estado.

        Muitos artistas conhecidos têm procurado escrever historinhas, acompanhadas de ilustrações, que retratam a vida cotidiana de personagens portadores de restrições no corpo ou de deficiências. Entre essas histórias, podemos citar algumas famosas: O pirata da perna de pau, de Leyguarda Ferreira; Pinocchio, de Carlo Collodi; Peter Pan, de James Barrie. Todos os personagens desses livros têm suas restrições: o pirata, porque lhe falta uma parte do corpo; Pinocchio, porque é uma marionete de madeira; Peter Pan, porque não quis crescer, limitando-se à sua infância. Porém, todos eles fazem parte de uma turma e se metem em aventuras conjuntas. Aqui no nosso caso não tem importância se são bons ou maus. O mais interessante é que, participando de aventuras fascinantes, vivem rodeados de companheiros. [...]

        Um outro autor muito famoso que escreveu e ilustrou um livro importantíssimo foi Ziraldo. A pedido da Coordenadoria para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência (Corde), do Ministério da Justiça do Governo Federal, Ziraldo criou um personagem muito simpático. É um menino que começa sua história dizendo: “É isso: eu não posso andar”. Mas, em seguida, diz: “Por favor, não fiquem tristes; olhem, eu não quero falar de coisas que causam mágoas ou que nos fazem chorar. Olhem só: eu não sou triste, eu gosto de conversar.” Pouco a pouco, ele vai contando sua vida, sua maneira de lidar com o fato de não poder andar como aqueles que não são portadores de deficiência, seus gostos e aptidões, para, enfim, orgulhar-se de si próprio, afirmando: “Ninguém, meu caro, é perfeito!” Mais ainda: mostra, o tempo todo, o quanto ele pode viver de maneira integrada com seus amiguinhos da mesma idade.

        Outro personagem que não pode ser esquecido é aquele criado para uma série de três livros intitulada Meu amigo Down, com texto de Claudia Werneck e ilustrações de Ana Paula. Cada um dos livros foi escrito para contar a convivência de um menino portador de síndrome de Down (popularmente conhecida como mongolismo), em três situações diferentes: na rua, na escola e em casa. Num deles, os amiguinhos o veem como diferente, como um aluno que desenha mal e, às vezes, erra no dever. Mas o veem também como alguém que brinca legal, nada bem, recorta certinho. No meio disso tudo, enfatiza-se que ele tem um número grande de amiguinhos. Um deles conta como foi a visita a seu amigo Down, que tinha ficado doente. E faz um relato da visita da forma como ele o vê: “Seu quarto era bagunçado que nem o meu. Sua tosse era que nem aquela que eu tive. Todas as crianças ficam resfriadas do mesmo jeito, conclui. Sua mãe queria que ele comesse tudo para ficar bom depressa. Insistia igualzinho à minha. O remédio da febre, eu vi, era o mesmo vidro que o meu. Até seu irmão menor era chato, como o meu. O que ele tinha que eu não tinha? Tudo era tão igual, mas eu sabia que meu amigo Down era diferente. Nem pior nem melhor, apenas um amigo diferente.”

        Pois é. Essas histórias de ficção — mas que retratam fielmente a realidade — mostram que todos nós, apesar das diferenças, podemos fazer parte de uma turma e de uma galera. Se você tem uma restrição no corpo ou uma deficiência (por mais leves ou mais severas que sejam) por que não pertencer a um grupo de amigos? Afinal, todos nós — com os mais variados limites — podemos e devemos pertencer a uma galera. Se você não enxerga direito, os amigos o ajudarão a ver melhor. Se você não ouve direito, os amigos o ajudarão a ouvir melhor. Se você não pode ficar em ambientes muito fechados, os amigos poderão escolher outro ambiente mais arejado para todos irem juntos. Se você tem dificuldades para subir uma escada, os amigos o ajudarão a subir. Não é vergonha nenhuma pedir ajuda. Envergonhado deve ficar quem não quer participar de uma turma e se isola só porque tem uma restrição no corpo ou uma deficiência. [...]

        Percebendo as diferenças, as especialidades e, sobretudo, as potencialidades, toda e qualquer criança pode conviver em todo e qualquer grupo ou galera. Só assim poderá se integrar de fato, se divertir e viver.

                              Viva a diferença: convivendo com nossas restrições e diferenças. São Paulo, Moderna, 1995. P. 85-95.

         Fonte: Português – Linguagem & Participação, 8ª Série – MESQUITA, Roberto Melo / Martos, Cloder Rivas – 2ª edição – 1999 – Ed. Saraiva, p. 165-7.

Fonte da imagem:https://www.google.com/url?sa=i&url=https%3A%2F%2Fbr.pinterest.com%2Fpin%2F462041242995994384%2F&psig=AOvVaw2qlNYYXl9vWipuKA7JcuS8&ust=1609164801302000&source=images&cd=vfe&ved=0CAIQjRxqFwoTCMCNrpus7u0CFQAAAAAdAAAAABAP

Entendendo o texto:

01 – Este texto também fala da importância da turma, das amizades. Que “ingrediente” acrescenta ao tema do texto?

       A importância dos amigos para as pessoas que possuem qualquer restrição no corpo ou deficiência.

02 – Qual a ideia que o autor do texto pretende transmitir?

      Percebendo as diferenças, as especificidades, as potencialidades de cada um, toda e qualquer pessoa pode conviver em grupo, pois só assim poderá se integrar de fato, divertir-se, viver.

03 – O que o autor pretende ao citar histórias de ficção em seu texto?

      Pretende mostrar que, como as personagens dessas histórias – que são diferentes –, portadores de deficiência podem aprender a conviver com ela e viver de maneira integrada com amigos da mesma idade.

04 – Quem se respeita tende a respeitar os outros; quem não se respeita tende a diminuir os outros – justamente para sentir-se momentaneamente, de alguma forma, superior a eles. Associe esse pensamento ao que é dito no texto. Como podemos entender a afirmação feita à luz do que diz o autor?

      Resposta pessoal do aluno.

TEXTO: UMA BELA LIÇÃO - IÇAMI TIBA - COM GABARITO

 Texto: Uma bela lição

          


Içami Tiba

        Ainda pequeno, um dia acompanhei meus irmãos, que iam treinar judô. Fiquei impressionadíssimo com o professor, um baixinho muito forte a quem todos os alunos respeitavam. Também quis aprender judô. Lá fui eu, querendo derrubar o professor Inada de qualquer jeito. A cada investida minha, ele me desequilibrava com pequenos movimentos e lá ia eu para o chão. Foi quando Inada-sensei (professor Inada) me deu a primeira lição de judô: “Primeiro você precisa aprender a cair porque, caindo, você aprende a derrubar”. Ele dava risada e me dizia que minha afobação em querer derrubar me deixando mais fraco. Eu tinha que perceber o ponto fraco do adversário e, quando atacasse, fazê-lo de um só golpe naquele ponto. Naquela época, o que eu queria era ganhar as lutas, ser forte como ele, que derrubava todo mundo com a maior facilidade.

        Cheguei a São Paulo para fazer o quarto ano primário junto com o curso de admissão ao ginásio porque em Tapiraí o Grupo Escolar “Coronel João Rosa” só tinha o primário. Larguei o judô. Só o retomei quando estava na sétima série do Colégio Estadual e Escola Normal “Fernão Dias Pais”, em Pinheiros.

        Quando estava no curso científico comecei a dar aulas de judô. Não havia jovem que recusasse um dinheiro extra. Foi aí que percebi quanto os ensinamentos do Inada-sensei estavam dentro de mim porque eu fazia exatamente com os meus aluninhos o que ele fez comigo: muito carinho e cuidado para não ferir as crianças, estimular a descobrir os próprios pontos fortes para treiná-los, perceber no adversário seus pontos mais vulneráveis e principalmente saber cair sem se machucar.

        Comecei a receber alunos com indicação médica por ser crianças hipercinéticas (hiperativas), e para eles a noção dos limites é importantíssima. Eles vinham mais afoitos do que eu ia contra o Inada-sansei, e lhes era terapêutico aprender o respeito aos limites e ao próximo. Foi assim que acrescentei uma etapa ao que aprendi: só consegue derrubar o adversário quem souber cair e levantar. Portanto, para levantar bem é preciso saber cair sem se machucar. O verdadeiro campeão é aquele que sabe valorizar quem lhe consagrou a vitória: seu oponente vencido. Saber perder é a arte de manter a dignidade sem se subestimar nem se destruir, fazendo tudo o que sabia e podia. Quem não sabe perder também não sabe ganhar. Devo ao Inada-sensei meu título de campeão brasileiro universitário de judô, lutando pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Meu professor inesquecível. São Paulo, Editora Gente, 1997. Org. Fanny Abramovich.

       Fonte: Português – Linguagem & Participação, 8ª Série – MESQUITA, Roberto Melo / Martos, Cloder Rivas – 2ª edição – 1999 – Ed. Saraiva, p. 153-4.

Fonte da imagem:https://www.google.com/url?sa=i&url=https%3A%2F%2Fbr.depositphotos.com%2Fstock-photos%2Fcrian%25C3%25A7as-judo.html&psig=AOvVaw2XBA5yxR24UgeUFDS5wxWG&ust=1609164348421000&source=images&cd=vfe&ved=0CAIQjRxqFwoTCMCSvdOq7u0CFQAAAAAdAAAAABAb

Entendendo o texto:

01 – De acordo com o texto, qual o significado das palavras abaixo:

·        Investida: ataque, assalto.

·        Terapêutico: de efeito curativo.

·        Vulneráveis: frágeis, fracos.

·        Oponente: adversário.

·        Hiperativa: que tem excessiva atividade motora.

·        Subestimar: avaliar por baixo.

·        Afoito: precipitado, descuidado.

02 – Em que pessoa o texto foi narrado? Justifique.

      Foi narrado em primeira pessoa, por alguém que, já adulto, se recorda de um professor inesquecível.

03 – Como é o professor que aparece neste texto? Que lição ele ensinou ao narrador?

      É um professor de judô que lhe transmitiu uma importante lição de vida: que é preciso aprender a cair para aprender a derrubar.

04 – Como você entendeu essa lição?

       Resposta pessoal do aluno. Sugestão: só consegue derrubar o adversário quem souber cair e levantar, que, se não soubermos “cair sem nos machucar”, não conseguiremos continuar a lutar: estaremos derrotados antes do final da “luta”.

05 – Pense em uma situação real de vida em que a lição do professor Inada poderia ajudá-lo a superar alguma dificuldade.

      Resposta pessoal do aluno.