terça-feira, 30 de maio de 2017

TEXTO: Escrita criativa: os segredos de escritores e professores de redação criativa para a realização de um bom texto.; E OUTROS TEXTOS COM GABARITO

Textos para as questões de 01 a 03.

Escrita criativa: os segredos de escritores e professores de redação criativa para a realização de um bom texto.
 Texto 1
 Eliane Brum
"Começo a escrever dentro de mim. Vou ao computador com o texto já em mim. Resolvo os meus conflitos pela escrita" Tanto na reportagem como na ficção começo a escrever dentro de mim. Sou intuitiva na minha escrita. Dificilmente tenho bloqueios, porque quando vou para o computador a história já está dentro de mim. O processo é como uma gestação. A reportagem começa em um movimento interno de esvaziamento - da visão de mundo, dos preconceitos, dos julgamentos. Sei que nunca vou me esvaziar por completo - não podemos esquecer que somos seres históricos. Volto preenchida pela voz que é do outro, pela história do outro. [...] Na ficção é outro processo: o de ser possuído pela própria voz, pelas vozes do seu subterrâneo que você nem sabia que tinha. Também é uma apuração - dos seus interiores. Ela também começa dentro de mim. É um processo totalmente solitário. É preciso aguentar a angústia. […]
 Texto 2
 Stella Florence
 "Escrever é cortar o ego do escritor. A técnica deve misturar-se à criação sem que percebamos". Há uma frase atribuída ao Rubem Fonseca que considero perfeita: "Escrever é um labirinto cuja dificuldade não é encontrar a saída, mas a entrada". Quando se encontra a entrada do texto, tem-se tudo - e não há como forçar esse encontro. Eu costumava organizar notas, blocos, cadernos, até perceber que eu jamais esquecia o que realmente iria virar texto. Agora eu deixo que a memória funcione como um filtro. [...] Não tenho manias ou necessidades externas. Preciso apenas de concentração (isso pode acontecer em casa, num aeroporto, num bar, desde que não falem comigo). [...]
 Texto 3
 Xico Sá
 Nessa correria de hoje está todo mundo com déficit de atenção. Uma boa abertura é fundamental para abrir a porta ao leitor. Sem um bom começo há mais dificuldade na leitura. Penso numa frase de maior impacto para prender o leitor. A linguagem com termos pouco usuais funciona, chama a atenção. No texto de internet, que é para o povo mais apressado ainda, jogo adiante dois ou três significados do termo, até brincando com ele. Para livros não tenho essa preocupação, pois imagino um leitor com mais reflexão, que possa ter o entendimento por ele mesmo. São expressões às vezes regionais, que eram usuais no português em desuso. [...] Inspiro-me tanto em Graciliano Ramos, pela secura do texto, como em Nelson Rodrigues, pelo contrário: por adjetivar, não ter medo do derramamento. [...] Há também a preocupação de fechar com boas frases. Não deixo o leitor sem uma satisfação final. [...]
Disponível em: http://www.controversia.com.br/index.php?act=textos&id=10533. Acesso em agosto de 2013. (Adaptado)


QUESTÃO 01.
 Cada escritor procura estratégias (especificidades linguísticas e estilísticas, etc) na hora de escrever um texto. Nos três excertos, identificamos uma característica comum entre eles:
A) a concentração no ato de escrita e reescrita do texto
B) o estilo, que é pessoal e intransferível no ato de escrita
C) a criatividade, como elemento importante no processo de escrita
D) o tempo, cujo trabalho é solitário e cheio de manias no processo de escrita

QUESTÃO 02.
Os autores citados apontam o tempo, a paciência e a técnica como elementos necessários no processo de criação de um texto.
 Assinale a alternativa CORRETA.
 A) Eliane Brum tem uma preparação emocional e afetiva anterior ao processo de escrita. Na produção de ficção, ela procura se envolver em questões que abarcam juízos de valores para, em seguida, empreender-se no processo solitário de escrita do texto.
 B) Stella Florence diz que o mais difícil na escritura de um texto não é a sua finalização, mas o início. Sistematizar os passos que antecedem o momento inicial é pré-requisito para que a memória funcione.
C) Xico Sá utiliza como estratégias para atrair a atenção do leitor frases boas e de impacto. Acredita que para cada tipo de texto, considerando sua circulação (internet, impresso, etc), é preciso atenção nas estratégias que deverá utilizar para prender o leitor.
D) Eliane Brum e Stella Florence apresentam pontos convergentes quando citam que o ofício da escrita deve se juntar à sua criação. Ademais, asseguram que a escrita é um ato de organização do raciocínio lógico.

QUESTÃO 03.
 A linguagem tem objetivos a alcançar: informar, exprimir emoções, interagir, convencer, entre outros.
 Assinale a alternativa CORRETA quanto à função da linguagem, utilizada pelos autores dos textos.
 A) O primeiro autor apresenta uma linguagem centrada no emissor e tem como objetivo explicar e persuadir o leitor de suas impressões pessoais a respeito do ato de escrever um bom texto.
 B) O segundo autor apresenta uma linguagem centrada na primeira pessoa. É apelativa e intenciona influenciar o leitor nos hábitos de escrita com o objetivo de comovê-lo para uma mudança.
C) O terceiro texto evidencia a subjetividade na forma de interagir com o leitor, ao recorrer a conceitos gerais sobre a composição de estratégias para atrair o leitor.
D) O primeiro e o segundo texto estão centrados na primeira pessoa. Têm como característica o uso de recursos expressivos para dar mais força e intensidade ao que se diz.

Texto para as questões de 04 a 08.
 Onde comprar estantes de livros?

1 Em 1970, voltando do meu doutoramento, comecei a montar casa no Rio de Janeiro. Logo notei que as lojas não ofereciam estantes de livros. Havia estantes de tudo, menos de livros. Diante do orçamento apertado, descobri uma solução. Por serem feitas em série, escadas de subir em postes de luz são muito baratas. Com elas e mais tábuas – para colocar os livros – resolvi o problema. Quando fui morar em Brasília, em 1980, foi a mesma coisa, pois nas lojas só havia estantes profundas, para jarras ou processos administrativos. Para livros, nem pensar. Comprei sólidas tábuas de mogno e fiz minha linda estante. Recentemente, com mudanças de escritório, precisei novamente de estantes. Debalde, peregrinei por Tok & Stok, Walmart e Leroy Merlin. Eram as mesmas de antes, para bibelôs e jarros. Para livros, ou são horrendas e mal-acabadas ou são os precários trilhos verticais, com mãos francesas de encaixe duvidoso. Acabei comprando gôndolas de quitanda, no mesmo gênero. Por desfastio, busquei também no site do Magazine Luiza, encontrando centenas de estantes, mas nem uma só para livros (a maioria era para TV).
 2 Como os donos dessas empresas não são tontos, é inevitável concluir que, se não oferecem boas estantes, é porque não há compradores. Ou seja, o brasileiro frequentador dessas lojas não possui o volume de livros que provocaria a demanda por elas. Os poucos que precisam de estantes mais avantajadas se entendem com seu marceneiro e pagam as contas, também mais avantajadas. Triste constatação, pois não? E como será no mundo mais rico? Apenas para ter uma ideia, abri o site do Ikea americano, uma cadeia multinacional de móveis baratos e de bom gosto. Digitando a palavra bookcase, aparecem 725 itens. Há um número para cada cor, aparecendo também acessórios e modelos menos apropriados para livros. Por seguro, digamos que existem mais de 300 modelos de estantes para livros. A comparação é escandalosa.
3 Falando de estantes de livros, em uma área rural da Islândia, uma casa de camponeses modestíssimos foi transformada em um museu sobre os hábitos e os estilos de vida locais. Mostra a casa como estaria por volta de 1920, austera e espartana, como tudo no país. Chamou atenção a biblioteca do dono. A estante, mais alta do que eu e com um bom metro e meio de largura, estava repleta de livros, com o desgaste que corresponde ao uso frequente. Quem já viu estante de livros nas aristocráticas fazendas brasileiras? Na realidade, os islandeses estão entre os leitores mais furiosos, comprando oito livros por pessoa/ano e os domicílios abrigando uma média de 338 livros. Na Austrália e na Nova Zelândia, mais da metade dos lares tem mais de 100 livros.
4 Como serão os hábitos de leitura dos brasileiros? Os resultados não são nada lisonjeiros. A média brasileira é de 1,8 livro lido por habitante/ano. Isso se compara com 2,4 para nossos vizinhos colombianos, cinco para os americanos e sete para os franceses.
5 Diriam os cínicos, e daí? Um passatempo como outro qualquer. Infelizmente, não é assim. Uma pesquisa em 27 países mostrou que a biblioteca familiar se correlaciona mais com bons resultados na educação do que a própria escolaridade dos pais. Uma biblioteca de 500 livros se associa a acréscimos de escolaridade que vão de três a sete anos. Segundo os autores, “uma casa onde os livros são valorizados fornece às crianças ferramentas que são diretamente úteis no aprendizado escolar...”. E tem mais, leitores mais assíduos visitam mais museus, fotografam mais e, surpresa, praticam mais esportes.
6 A revista The Economist inventou uma brincadeira que era avaliar o realismo das taxas de câmbio pela diferença de preço dos hambúrgueres no McDonald’s, já que em todos os países ele é o mesmo sanduíche detestável. Surpresa! O “índice do hambúrguer” revelou- se uma medida respeitável e tem vida longa. Quem sabe, além do Pisa, não poderíamos passar a medir educação e hábitos de leitura por uma simples pesquisa nos sites das lojas de móveis? Bastam alguns minutos. Isso é fácil, difícil será mudar essa triste situação.

 Cláudio de Moura Castro. Revista Veja. Edição 2251 (11/01/2012), p. 20 (com adaptações).
 QUESTÃO 04.
A afirmativa que traduz a ideia principal do texto está contida na alternativa
A) No Brasil, ainda faltam empresas especializadas que deem conta das necessidades de consumo da população.
B) Sozinho, o Pisa revela-se um instrumento precário na medição da educação e dos hábitos de leitura dos brasileiros.
 C) Atualmente, os islandeses costumam ler mais que os brasileiros, uma vez que os hábitos de leitura na Islândia surgiram com os camponeses, na década de 1920.
 D) Em geral, os brasileiros leem pouco e não possuem muitos livros em casa, o que pode estar correlacionado aos resultados insuficientes da educação do país.

 QUESTÃO 05.
Considerando os tipos textuais utilizados na sua composição, o texto apresenta, predominantemente, sequências
 A) interativas e narrativas.
 B) descritivas e dialogais.
C) argumentativas e narrativas.
D) expositivas e injuntivas.

QUESTÃO 06.
 Com base na leitura do texto, analise as afirmativas a seguir:
I.              O autor vem utilizando escadas e tábuas como estantes de livros desde 1970 até hoje, pois no Brasil essa é a solução mais barata para mobiliar uma biblioteca.
II.             As lojas de móveis brasileiras não costumam disponibilizar boas estantes de livros, porque aqui os clientes preferem comprar tais estantes em sites de multinacionais americanas.
III.           Uma pesquisa revelou que ter uma biblioteca em casa interfere direta e positivamente na educação escolar de uma criança.
IV.          Uma estante repleta de livros numa casa de modestos camponeses islandeses indica os bons hábitos de leitura dessa população já por volta de 1920.
V.            A taxa de câmbio ou o preço do hambúrguer poderiam ser usados para aferir os hábitos de leitura de um país.

 Está CORRETO o que se afirma em
A) I e II.
B) I e III.
C) II e IV.
D) III e IV.

QUESTÃO 07.
 Assinale a alternativa em que TODAS as palavras retiradas do texto seguem a mesma regra de acentuação gráfica.
A) Série – Brasília – domicílios – países
B) Gôndolas – modestíssimos – acréscimos – hambúrgueres
C) É – há – daí – três
D) inevitável – hábitos – fácil – difícil

 QUESTÃO 08. Na construção do texto, há o emprego de diferentes recursos linguísticos e expressivos que produzem certos efeitos de sentido. Sobre esse aspecto, analise as afirmativas a seguir:
I.              As frequentes perguntas ao longo do texto, a começar pelo seu próprio título, sinalizam opinião não formada, imparcialidade e ausência de defesa de ponto de vista.
II.            O questionamento “Quem já viu estante de livros nas aristocráticas fazendas brasileiras?” (3º parágrafo) funciona no texto como uma pergunta retórica.
III.           A intertextualidade explícita, marcada pelo recurso das aspas (5º parágrafo), corrobora as ideias promovidas no texto.
IV.          A ironia está presente no questionamento: “Quem sabe, além do Pisa, não poderíamos passar a medir educação e hábitos de leitura por uma simples pesquisa nos sites das lojas de móveis?” (6º parágrafo).
Está CORRETO o que se afirma em
A) I, II e III.
B) I, III e IV.
C) II, III e IV.
D) I, II e IV.

 Texto para as questões de 09 a 11
 Acredite no conhecimento

 "Vivemos numa era em que a informação é abundante como em nunca outra."
Taí um dos clichês mais repetidos da atualidade. Tão repetido que Eric Schmidt, ex-CEO do Google, até o transformou em número: a cada 48 horas, produzimos 5 bilhões de gigabytes. E isso é mais do que tudo que foi criado entre o começo do mundo e 2003. Uau. Muito bacana. Mas e daí? Daí que a realidade é um pouco diferente. Sim, vivemos numa era de abundância. Mas informação é uma coisa. Conhecimento é outra. Uma está para a outra como o tijolo para a casa. Uma pilha de tijolos tem potencial para fazer maravilhas. Mas sozinha ela é só uma pilha. Eis então um dos grandes desafios (e oportunidades) que temos adiante: transformar milhares de blocos, esses 5 bilhões de gigabytes de tijolos, em algo útil. Dá uma trabalheira, mas aqui, na SUPER, a gente se esforça para fazer nossa parte. Misturar cimento, construir as paredes, mostrar o contexto das coisas, dar sentido a elas, enfim, transformar informações em conhecimento. A gente se dedica obsessivamente a essa missão. Queremos mostrar, por exemplo, que não há previsão de fim do mundo no calendário maia. Essa é apenas uma das informações inúteis que somam no cálculo de Eric Schmidt. E que, maias ou não maias, o importante mesmo é entender que este planeta tem prazo de validade. É só uma questão de saber como ele vai desaparecer. Ou melhor: no que ele se transformará. Para descobrir é preciso investigar o sistema solar, a atmosfera, o interior do planeta, o ser humano. Essa busca é o tema da reportagem de capa. Um belo exemplo de quantos tijolos precisamos juntar para construir o conhecimento. Acredite no conhecimento. Levamos a ideia tão a sério que lançamos um curta-metragem com esse título no YouTube. Sucesso: mais de 320 mil pessoas assistiram em menos de um mês. É simplesmente o melhor viral do Brasil em 2011. Não viu? É só ir para abr.io/1WzP.
Um grande abraço.
 SÉRGIO GWERCMAN, Diretor de Redação. GWERCMAN, Sérgio. Acredite no conhecimento. Superinteressante. São Paulo, nº 298, p.10, Dez/2011. 8

QUESTÃO 09.
 Com a leitura do texto, depreendemos que a ideia principal é a seguinte:
 A) É preciso investigar quando será o fim do mundo.
 B) O fim do mundo não está previsto no calendário maia.
 C) Mesmo com tanta informação, temos grandes desafios.
 D) É preciso transformar informação em conhecimento.

QUESTÃO 10.
O propósito principal do autor desse texto é:
 A) discutir quando será o fim do mundo.
 B) relatar os últimos acontecimentos científicos.
 C) incentivar a busca por informações verdadeiras.
 D) defender seu ponto de vista em favor do conhecimento.

 QUESTÃO 11.
 Pela consideração do contexto, interpretamos que o autor revela ironia no seguinte trecho
 A) “Taí um dos clichês mais repetidos na atualidade.” (1º §).
 B) “Uau. Muito bacana.” (1º §).
 C) “A gente se dedica obsessivamente a essa missão.” (3º §).
 D) “Ou melhor: no que ele se transformará.” (3º §).

 Texto para as questões de 15 a 18.
ALBERT  EINSTEIN

Um gênio indecifrável Morto em 1955, aos 76 anos, Albert Einstein teve os olhos e o cérebro extraídos pelo médico Thomas Harvey. Dos olhos nunca mais se ouviu falar, mas o cérebro foi fotografado de todos os ângulos por Harvey com uma câmera Exakta de 35 milímetros e depois fatiado em 240 pedaços. Ele fez também 560 lâminas microscópicas. Distribuiu aleatoriamente o material a especialistas em todo o mundo, na esperança de que explicassem a mente mais brilhante do século XX. A mais recente análise, realizada pela antropóloga Dean Falk, da Universidade Estadual da Flórida, e divulgada em novembro do ano passado, baseou-se em fotografias feitas por Harvey que estavam desaparecidas. Falk foi a mais enfática pesquisadora a relacionar as habilidades intelectuais de Einstein com certas características físicas neuronais. Comparados com fotografias de outras dezenas de cérebros, o lobo parietal (responsável pela noção de espaço e pelo raciocínio matemático) e o córtex pré-frontal (sede do pensamento abstrato) de Einstein eram bem maiores. Mesmo assim, Falk é reticente quanto à existência de uma relação direta entre essas diferenças cerebrais e a genialidade: “Einstein tinha um cérebro extraordinário, mas os estímulos intelectuais ao longo da vida também foram determinantes”.
 Revista Veja, ano 46, n. 10, 06/03/2013
 QUESTÃO 12.
 Pela leitura do texto, é CORRETO afirmar que
 A) Albert Einstein deliberou antes de morrer a respeito de questões que diziam respeito à utilização de seu cérebro para pesquisas.
 B) o famoso cientista, autor da Teoria da Relatividade, distribuiu o material colhido a partir de fotografias de seu cérebro a especialistas renomados.
C) a relação de implicação direta – sem influência de outros fatores – entre áreas do cérebro de Einstein e sua capacidade intelectual é corroborada pelas pesquisas.
 D) a observação do cérebro de Einstein contribuiu para pesquisas sobre tamanho de regiões cerebrais e a capacidade intelectual, conquanto ainda não sejam possíveis conclusões definitivas a respeito.

QUESTÃO 13.
 Assinale a alternativa que NÃO apresenta recurso empregado no texto.
 A) Emprego de vocabulário técnico esmiuçado para o leitor.
 B) Predomínio de formas linguísticas que indiciam subjetividade.
 C) Conclusão que direciona o leitor para um determinado ponto de vista.
 D) Emprego da variedade padrão formal.

 QUESTÃO 14.
 Assinale a alternativa que NÃO apresenta palavra derivada por sufixação.
 A) esperança
B) aleatoriamente
C) lâminas
 D) habilidades

QUESTÃO 15.
 “Einstein tinha um cérebro extraordinário, mas os estímulos intelectuais ao longo da vida também foram determinantes.” Quanto às palavras retiradas do segmento acima, só NÃO se pode afirmar:
 A) cérebro e estímulo são palavras proparoxítonas.
 B) intelectuais e também apresentam ditongo decrescente.
 C) tinha e também apresentam dígrafo.
 D) determinantes tem 13 letras e 13 fonemas.

 Texto para a questão 16.
 Coitadinho, tão estressado [...]

O stress não vem com o número de horas de estudo ou com a dificuldade do assunto ou sua chatice – mas com a falta de preparação para lidar com isso. Um coreano pode passar 12 horas estudando, todos os dias, sem stress, pois é seu hábito. Um brasileiro que estuda 10 minutos por dia fica estressado se tiver de estudar meia hora. [...] Sofrer com o stress não é uma fatalidade. A solução é aprender a lidar com ele [...]. Achar que os alunos estão estressados porque estudam demais é parte do cacoete que explica nossos péssimos resultados nos testes internacionais. [...] Mesmo às vésperas do vestibular, as horas de preparação são poucas, até no ensino privado. Os números mostram: nossa educação combina uma jornada escolar curta com míseros minutos estudando em casa. É o pior dos mundos. [...] Coitadinho dos nossos alunos, tão estressados! Mas está errado, se há stress, não é por excesso de dedicação, por horas demais diante dos livros, mas por falta de hábito de estudar. Estressado é quem nunca estudou direito e, de repente, ouve dizer que para passar no vestibular é preciso mudar de vida. A solução não deve ser estudar pouco ou buscar um curso fácil, mas aprender a estudar e aprender a lidar produtivamente com o stress.
 Fragmentos do artigo de opinião de Claudio de Moura Castro Revista Veja, 24 de agosto, 2011.
QUESTÃO 16.
O título do texto e a expressão “coitadinhos dos nossos alunos, tão estressados” assumem, no texto, a função de uma figura de linguagem denominada
 A) ironia.
 B) metonímia
 C) metáfora.
 D) sinestesia.

 Texto para a questão 17.
Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas

Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do voo. Pássaros engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-las para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um dono. Deixaram de ser pássaros. Porque a essência dos pássaros é o voo. Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são os pássaros em voo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o voo, isso elas não podem fazer, porque o voo já nasce dentro dos pássaros. O voo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado.
 Rubem Alves
QUESTÃO 17.
Considerando o texto, aponte a opção CORRETA.
 A) As escolas que são gaiolas preparam melhor os alunos para que possam desenvolver melhor as competências e habilidades no aspecto profissional e pessoal.
B) As escolas que são gaiolas formam alunos para ser guiados, obedecerem, assim não darão prejuízo à sociedade.
 C) As escolas que são asas não amam os alunos, por isso incentivam à insubordinação.

D) As escolas que são asas preparam o aluno para autonomia, mediando o conhecimento prévio do aprendiz com o conhecimento formal.

TEXTO: SÓLIDO - PARA O ENSINO MÉDIO - COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO

TEXTO  - Sólido

Quase quatro anos atrás, estava eu escolhendo em que instituição cursar o 3º ano do Ensino Médio. À época, eu já era conhecida entre os colégios da cidade pelo bom desempenho escolar, além de pelo hábito de “mudar de escola como se trocasse de meias”. Fiz listas comparando um colégio com o outro, tentando matematicamente acertar na minha escolha – afinal, os vestibulares ao fim do 3º ano representavam uma etapa decisiva na minha vida, e eu precisava me preparar da melhor forma possível. Foi então que resolvi abandonar meus algoritmos, que mais me atrapalhavam do que me ajudavam a decidir, e passei a considerar o convite de um grande amigo, me matriculando no novo colégio da cidade: o Sólido. Ao primeiro momento, a ideia, antagonicamente, pareceu-me muito “Gasosa”, conforme a piada da época. Era uma concepção diferente de ensino, que prometia tanto o suporte teórico necessário para as provas, quanto também um apoio emocional – este colocado tão em primeiro plano quanto a teoria ministrada em sala de aula. Os primeiros dias de aula foram um pouco tensos. Professores de quem já havia ouvido falar muito, apesar de nunca ter tido aula com eles antes. Poucos colegas conhecidos. O sinal para a troca de horários tocava uma marchinha de carnaval, a princípio, muito assustadora. A carga horária do 3º Federal relativamente puxada, e as minhas incertezas: será que esse esquema de rever a matéria dos anos anteriores e ainda a deste ano vai prestar? Aos poucos, o medo foi se dissipando, e o aconchego que consegui encontrar em sala de aula realmente “solidificou” as minhas ideias, reestruturou minha confiança em mim mesma. Encontrei, naquela sala no Ibituruna Center, uma extensão da minha família, a qual eu alegremente adicionei ao meu “genograma”. Conheci pessoas que acrescentaram a mim novas experiências de vida, e que entendiam a minha apreensão sobre o futuro, mas que sabiam me aconselhar sem que eu me sentisse pressionada. Por fim, o caminho para a faculdade de medicina na Unimontes, tão almejado pela maioria dos estudantes do nível médio, tornou-se muito mais natural, ao menos mais confortável de ser percorrido. Hoje, sinto-me feliz por ainda ser lembrada pela equipe do Sólido, e gostaria de expressar que essa consideração é recíproca. Um dia – dependendo dos rumos que a profissão médica tomar neste país –, retribuirei a vocês todo o carinho na forma de assistência à saúde. Só não prometo à professora Eva que a letra continuará legível; o apreço, porém, esse os anos não alteram.
Grande abraço!
 Dâmaris Versiani Caldeira Gonçalves.
 QUESTÃO 01
 De acordo com o texto, pode-se afirmar quanto à decisão da autora de vir estudar no Sólido, EXCETO:
 A) teve a influência do convite de um grande amigo.
 B) chegou a cogitar que a escola poderia ser adversa ao significado de seu próprio nome e à modalidade de ensino proposta.
 C) fez comparações entre várias escolas, pois sua decisão não devia ir de encontro às expectativas já bem delineadas para o fim do seu 3º ano.
 D) fez uma escolha imediata e imponderada.

 QUESTÃO 02
Depreende-se do texto que a autora não só encontrou no Sólido o respaldo para suas expectativas em relação a resultados em vestibulares, mas também valores que foram somados à sua formação. Qual o trecho que endossa a afirmação?
 A) “... o aconchego que consegui encontrar em sala de aula realmente ‘solidificou’ as minhas ideias...”
 B) “Hoje, sinto-me feliz por ainda ser lembrada pela equipe do Sólido...”
 C) “Encontrei, naquela sala do Ibituruna Center, uma extensão da minha família...”
 D) “Conheci pessoas que acrescentaram a mim novas experiências de vida, e que entendiam a apreensão sobre o meu futuro, mas que sabiam me aconselhar sem que eu me sentisse pressionada.”


TEXTO: A TURMA - DOMINGOS PELEGRINI - COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO


TEXTO: A TURMA

Eu também já tive turma, ou melhor, fiz parte de turma e sei como é importante em certa idade essa entidade, a turma. A gente é um ser racional, menos quando em turma. Existe, por exemplo, alguma razão para um grupo de pessoas sentar todo dia numa escadaria ou meio-fio e passar horas conversando? Você pode falar a um filho, por exemplo, que refrigerantes engordam e chocolates dão mais espinhas em quem já está na idade das espinhas. Ele nem ouvirá. Mas, se um dia a turma resolver, ele passará a tomar só água com limão e pegará nojo de chocolate. Você pode falar que cabelo tão comprido é incômodo, calorento, atrapalha, mas que nada, ele te pedirá dinheiro para comprar mais xampu. Agora, se a turma resolver cortar careca, ele aparecerá de repente careca no café da manhã e nem quererá falar no assunto – qual o problema em cortar careca? Você pode dizer que bossa nova é bom, e mostrar jornais e revistas, provar que só “Garota de Ipanema” já recebeu centenas de gravações em todo o mundo, mas ele aumentará o volume do rock pauleira ou da tecno-bost. Até o dia em que alguém da turma aparece com um CD de bossa nova e ele troca Axel Rose por Tom Jobim de um dia para o outro. A turma tem modas, como quando resolvem todos arregaçar as barras das calças, que usavam arrastando pelo chão. A turma tem traumas, como quando o namoradinho de uma se apaixona pela namoradinha de outro e ... A turma tem linguagem própria, uma variante local de um ramal regional da vertente adolescente da língua. A turma adora sentar na calçada e na praça e falar sobre o que viram em casa na televisão. A turma tem duplas de amigos e amigas mais chegados, e trios, e quartetos, que num grande minueto anarquista se misturam nas festas de aniversário. Ninguém da turma dança até que alguém da turma começa a dançar, aí dançam todos trocando de par até acabarem dançando todos juntos como turma que são. Um da turma se tatua, todos da turma querem se tatuar. Um bota uma argola no nariz, os outros, para variar, botam no lábio, na sobrancelha e na orelha e... A turma é isso aí, cara, uma reunião diária de espinhas e inquietações, habilidades e temperamentos, o baralho das personalidades se misturando, o jogo das informações e dos sentimentos rolando nas conversas sem fim, nas andanças sem cansaço, nas músicas compartilhadas, no refri com três canudos e uma empadinha pra quatro. Na turma pouco dá pra todos, todo mundo divide, cada um contribui, a turma se une partilhando e repartindo. A turma ri como só na turma se ri. A turma julga quando erramos. A turma castiga com silêncios e ironias.
A turma te chama, te reprime, te liberta, te revela, te rebela, te maltrata, te orgulha, te ama e te envolve, te afasta e te atrai, mas a turma é assim porque a turma é a turma. Até o dia em que – disse a todos meus filhos – cansamos de ter turma e passamos a ser gente. E todos me disseram que sou um chato, mas o primogênito hoje já concorda: o tempo da turma passa. Mas, aqui entre nós, como dá saudade!

 PELEGRINI, Domingos. Ladrão que rouba ladrão e outras crônicas. São Paulo: Ática, 2004.

 Glossário
 “Garota de Ipanema”: canção de Tom Jobim e Vinícius de Morais, uma das expressões máximas do movimento musical chamado Bossa Nova.
 Meio-fio: arremate das calçadas; guia.

 QUESTÃO 01.
 Conforme sugere o título, o texto tem como tema a turma. Que aspecto relacionado ao tema é abordado nele de modo especial?
 A) A influência da família e da sociedade sobre o comportamento do adolescente.
 B) A influência do grupo de adolescentes sobre cada um de seus integrantes.
 C) A influência dos pais dos adolescentes sobre a turma.
 D) O sentimento de revolta do adolescente em relação às pressões do grupo social.

 QUESTÃO 02.
 Indique, entre os itens que seguem, aquele que traduz melhor a postura do narrador em relação ao tema abordado.
 A) Com um olhar adulto e distanciado, o narrador faz uma crítica ao comportamento infantil e dependente dos adolescentes que participam de uma turma.
 B) Com uma visão saudosista, o narrador se lembra dos bons momentos que viveu com sua turma e do quanto foi feliz naquela época.
 C) O narrador faz uma reflexão crítica sobre o comportamento dos adolescentes que vivem em turmas, mas dá ao tema um enfoque pessoal e sentimental.
D) De uma maneira impessoal, o narrador faz uma reflexão crítica sobre o comportamento dos adolescentes que vivem em turmas.

 QUESTÃO 03.
 No trecho “Na turma pouco dá pra todos, todo mundo divide, cada um contribui”, que princípio ou valor é destacado positivamente no comportamento da turma?
 A) a inveja, a ganância.
 B) as partilha, a indiferença.
 C) a solidariedade, a partilha.
 D) a felicidade, a alegria.


 QUESTÃO 04.
 No 2º parágrafo, o narrador afirma que, quando em turma, o adolescente perde a racionalidade. Para comprovar seu ponto de vista, ele apresenta argumentos embasados no comportamento dos adolescentes. Qual argumento NÃO foi utilizado pelo autor?
 A) Ficar horas conversando sentados num meio fio.
 B) Trocar o hábito de comer chocolate por tomar só água com limão.
 C) Trocar o uso de cabelo comprido pelo corte careca.
 D) Não assistir a programas de televisão.

QUESTÃO 05.
Considerando o texto I, é CORRETO afirmar:
 A) defende um ponto de vista.
 B) narra fatos fictícios.
 C) transmite conhecimentos.
 D) orienta comportamentos.

 QUESTÃO 06.
Assinale, entre as alternativas abaixo, a que apresenta uma oração com sujeito oculto.
 A) “o tempo da turma passa.”
 B) “A turma castiga com silêncios e ironias.”
 C) “A gente é um ser racional...”
 D) “... fiz parte da turma...”

 QUESTÃO 07.
 Releia a frase: “Agora, se a turma resolver cortar careca, ele aparecerá de repente careca no café da manhã e nem quererá falar no assunto – qual o problema em cortar careca?” Os verbos em destaque expressam:
 A) ideia de uma ação ocorrida no passado e anterior a outra ação também passada.
 B) ideia de uma ação futura que ocorreria desde que uma condição fosse atendida antes.
 C) ideia de uma ação habitual ou contínua.
 D) ideia de uma ação que ocorrerá num futuro em relação ao tempo atual.

 QUESTÃO 08.
 De acordo com a nova regra de ortografia, qual sequência de palavras se encaixa no mesmo grupo de acentuação?
 A) incômodo / própria.
 B) primogênito / alguém.
 C) silêncios / aniversário
 D) aí / três

QUESTÃO 09.
Em qual das orações um pronome substantivo NÃO foi destacado?
A) “E todos me disseram que sou um chato (...)”.
 B) “Ele nem ouvirá.”
 C) “Até o dia em que – disse a todos meus filhos (...).”
 D) “A turma te chama”.

domingo, 28 de maio de 2017

CONTO: LAVADEIRAS DE MOSSORÓ- CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE - COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO

CONTO:  LAVADEIRAS DE MOSSORÓ

        As lavadeiras de Moçoró, cada uma tem sua pedra no rio; cada pedra é herança de família, passando de mãe a filha, de filha a neta, como vão passando as águas no tempo. As pedras tem um polimento que revela a ação de muitos dias e muitas lavadeiras. Servem de espelho a suas donas. E suas formas diferentes também correspondem de certo modo à figura física de quem as usa. Umas são arredondadas e cheias, aquelas magras e angulosas, e todas tem ar próprio, que não se presta a confusão.
        A lavadeira e a pedra formam um ente especial, que se divide e se unifica ao sabor do trabalho. Se a mulher entoa uma canção, percebe-se que a pedra a acompanha em surdina. Outras vezes, parece que o canto murmurante vem da pedra, e a lavadeira lhe dá volume e desenvolvimento.
        Na pobreza natural das lavadeiras, as pedras são uma fortuna, joias que elas não precisam levar para casa. Ninguém as rouba, nem elas, de tão fiéis, se deixariam seduzir por estranhos.
                                                                             ANDRADE, C. D. Contos sem propósito. Rio de Janeiro: Jornal do Brasil, Caderno B, 17/7/1979 

a)     Que palavras e expressões o autor usa para falar da hereditariedade das pedras do rio?
Por exemplo: “passando de mãe a filha, de filha a neta, como vão passando às águas no tempo”.

b)    Como o autor descreve fisicamente as lavadeiras? Compare a descrição com a das pedras.
A descrição é metafórica: as lavadeiras são descritas como “espelho” das pedras. “Umas são arredondadas e cheias, aquelas magras e angulosas, e todas tem ar próprio, que não se presta a confusão.”

c)     Como a ideia de trabalho relaciona pedra e lavadeira?
A lavadeira e a pedra formam um ente especial que se divide e se unifica ao sabor do trabalho.

d)    Destaque algumas expressões empregadas conotativamente (em sentido figurado) no texto.
Por exemplo: “Vão passando as águas do tempo”, “Se divide e unifica ao sabor do trabalho”, “A pedra a acompanha em surdina”, “Canto murmurante vem da pedra”.

e)     Imagine se o autor tivesse usado menos “imagens”, tivesse usado outras palavras para falar sobre o trabalho das lavadeiras de Moçoró. O texto poderia continuar como literário? Por que?
Depende de como o autor se expressasse. Poderia manter a poeticidade, com imagens diferentes; como poderia fazer um texto mais “objetivo” e produzir um gênero não literário.