sexta-feira, 30 de outubro de 2020

TEXTO: GOVERNO DO PARÁ ANUNCIA MAIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO AO NOVO CORONAVÍRUS - COM GABARITO

 Texto: Governo do Pará anuncia mais medidas de prevenção ao novo Coronavírus

        


      Governador Helder Barbalho determina um conjunto de ações que inclui até oferta de álcool em gel no transporte coletivo terrestre e hidroviário

        Em entrevista coletiva realizada no Palácio do Governo, em Belém, nesta terça-feira (17), o governador Helder Barbalho anunciou o decreto que determina mais ações preventivas para evitar a circulação do novo Coronavírus no Pará. “Estamos publicando em Diário Oficial extraordinário, neste momento, que envolvem medidas preventivas, preparando e reforçando a estratégia do Estado com o intuito de proteger a sociedade”, disse o governador aos jornalistas.

        Entre as decisões anunciadas, Helder Barbalho comunicou que foi estabelecida, por decreto, a parceria entre Polícia Militar e Procon (serviço de proteção ao consumidor), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), para reforçar a fiscalização da oferta de álcool em gel no Estado. A ação também visa combater a abusividade dos preços. Para evitar novo desabastecimento desse produto de higiene, a venda de álcool em gel será restrita para até três frascos por cliente. A deliberação ocorreu após uma reunião com representantes de entidades comerciais que garantiram o reabastecimento dos estoques ainda nesta semana.

        “Além disso, já solicitamos para o Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), que é o conselho de secretários de Fazenda, para que possamos isentar de ICMS (imposto sobre circulação de mercadorias e serviços), o álcool em gel, as máscaras e luvas, e assim cooperarmos para a redução de preço destes produtos, que passam a ser alvo do cotidiano das pessoas”, acrescentou o governador. Também acompanharam a coletiva o vice-governador do Pará, Lúcio Vale, e os secretários de Estado de Saúde Pública, Alberto Beltrame, de Educação, Elieth Braga, e da Fazenda, René Silva.

Extraído do site https://agenciapara.com.br/noticia/18461/

Entendendo o texto:

01 – O texto acima pode ser enquadrado em que gênero:

a)   Crônica.

b)   Artigo de opinião.

c)   Reportagem.

d)   Entrevista.

02 – Substitua os verbos em destaque por outros verbos que lhe sirvam de sinônimos perfeitamente adequados ao sentido no contexto.

a)   “... Estado com o intuito de proteger a sociedade”, disse o governador aos jornalistas.

preservar

b)   “... Estamos publicando em Diário Oficial extraordinário, neste momento, que envolvem medidas preventivas...”.

implicam

c)   “... A ação também visa combater a abusividade dos preços...”.

pretende

d)   “... a venda de álcool em gel será restrita para até três frascos por cliente...”.

limitada

e)   “... A deliberação ocorreu após uma reunião com representantes de entidades comerciais...”.

aconteceu

f)    “...assim cooperarmos para a redução de preço destes produtos, que passam a ser alvo do cotidiano das pessoas...”.

colaborarmos

NOTÍCIA: QUADRILHA DE ROUBO DE CASAS É PRESA EM FLAGRANTE EM SÃO PAULO - SOLANGE SPIGLIATTI - COM GABARITO

 Texto: QUADRILHA DE ROUBO DE CASAS É PRESA EM FLAGRANTE EM SÃO PAULO

      


     Grupo foi preso após roubar duas residências e tentar invadir uma terceira; seis pessoas foram presas

Solange Spigliatti – Central de Notícias

        Seis pessoas foram presas na manhã desta segunda-feira, após dois assaltos em residências na região de Vila Matilde, na zona leste de São Paulo. Foram apreendidas três armas de fogo, além de recuperados todos os materiais roubados. Segundo a Polícia Militar, cinco ladrões roubaram uma residência e na fuga teriam atirado no pé do filho do dono da casa, um garoto de 16 anos.

        Na sequência, roubaram outra casa no mesmo bairro. Os policiais militares conseguiram interceptá-los em uma terceira residência, local onde estavam os produtos do roubo. Foi presa uma mulher nesse local.

Entendendo o texto:

01 – O texto tem a finalidade de:

a)   Transmitir um julgamento.

b)   Registrar acontecimentos.

c)   Fazer uma propaganda da ação policial.

d)   Dar uma informação polêmica.

02 – Todas as referências estão corretas, exceto:

a)   “...mesmo bairro...” = o pronome mesmo refere-se à Vila Matilde.

b)   “...nesse local...” = o pronome onde retoma terceira residência.

c)   “...interceptá-los...” = o pronome onde antecipa os produtos do roubo.

d)   “...local onde...” = o pronome onde remete à terceira residência.

03 -Esse texto tem as características de

A) uma fábula em que há a transmissão de um ensinamento.

B) um bilhete porque apresenta o registro de um acontecimento.

C) um anúncio por fazer uma propaganda de um produto.

D) uma notícia na qual há informações sobre um acontecimento.

04. O texto usa uma linguagem:

A. realista.

B. fictícia.

C. literária.

D. ilusória.

PIADA NA CIA - VIP, ABRIL - COM GABARITO

 PIADA NA CIA.

      


     Dizem que esta é uma história real.

    Durante manobras de navios americanos na costa canadense, o capitão de um dos porta-aviões avistou uma luz distante e resolveu enviar uma mensagem pelo rádio.

        -- Aqui é o capitão J. Smith. Seu navio está em rota de colisão com o nosso. Favor alterar o seu curso em 15 graus norte. Câmbio.

        O canadense respondeu:

        -- Vocês é que estão em rota de colisão conosco. Alterem o seu curso 15 graus sul, câmbio.

        O capitão americano ficou irritado com a afronta:

        -- Nós é que exigimos que vocês alterem seu curso 15 graus para norte, câmbio!

        O canadense:

        -- Nós insistimos que vocês alterem o curso em 15 graus sul, câmbio.

        O capitão ficou irritadíssimo:

        -- Aqui é do USS Lincoln, da Marinha Americana, o maior porta-aviões de guerra do Atlântico Norte. Estamos em comboio com duas fragatas, dois destroyers e numerosos navios de apoio. Nós exigimos que vocês mudem seu curso 15 graus para norte, e estamos preparados para tomar todas as medidas necessárias para garantir a segurança do comboio. Câmbio.

        E o canadense respondeu:

        -- Aqui é o Farol. Câmbio.

VIP, Abril, São Paulo, ano 18, n. 4, p. 13, abr. 1999.

                                           Fonte: Língua Portuguesa. Linguagens no Século XXI. 5ª série. Heloísa Harue Takazaki. Ed. IBEP. 1ª edição, 2002. p. 111.

Entendendo a piada:

01 – Qual a nacionalidade de cada um dos personagens dessa piada?

      Americana e canadense.

02 – Onde ocorreu o fato?

      Na costa canadense.

03 – Se realmente a luz avistada fosse a de um navio canadense, quem, por uma questão diplomática e em nome das boas relações internacionais, teria de ceder e alterar a rota? Por quê?

      Os americanos, pois eles navegavam pela costa canadense.

04 – Qual foi o grande engano do capitão americano?

      O de confundir um farol com um navio.

05 – A piada é favorável aos americanos ou aos canadenses?

      Aos canadenses.

06 – Quais palavras abaixo revelam as ideias implícitas que essa piada veicula sobre os americanos?

        Arrogantes – humildes – orgulhosos – inteligentes – rápidos – ignorantes – pretenciosos – atrevidos.

07 – As ideias preconcebidas, que produzem humor nessa piada, poderiam ser reveladas explicitamente em um outro texto, como por exemplo, em uma entrevista ou em um artigo de jornal? Por quê? Quais seriam as consequências?

      Não, se fossem abertas e declaradas, tais ideias poderiam sofrer as mais diversas represálias: desde manifestações públicas a processos por discriminação ou preconceito.

 

NOTÍCIA: IBAMA TEM NOVA REGRA DE TRANSPORTE DE ANIMAIS SILVESTRES DE ESTIMAÇÃO - RADIOS.EBC.COM - COM GABARITO

 Notícia: Ibama tem nova regra de transporte de animais silvestres de estimação

                   


   O transporte de animais deve ser feito mediante autorização de transporte e pagamento de boleto

         O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis) divulgou nova regra para o transporte de animais silvestres entre estados no Brasil.

        Agora, o transporte de animais deve ser feito mediante autorização de transporte e pagamento de boleto ao Ibama.

        A coordenadora de Monitoramento do Uso da Fauna e Recursos Pesqueiros, Maria Isabel Soares, destaca que o Ibama considera animais silvestres de estimação aqueles comprados de criadores legalizados ou cedidos com autorização do Ibama.

        Os mais comuns a serem criados são papagaios, araras, jabutis. Maria Isabel alerta que antes de ter um animal silvestre em sua tutoria, é preciso conhecer as necessidades deles que são diferentes de cães e gatos, inclusive custos. Maria Isabel ainda destaca que o aumento da fraude e do tráfico foi o que motivou essa mudança na regularização.

        A punição será prisão de seis meses a 1 ano e multa de 500 a 5 mil reais.

Disponível em: <http://radios.ebc.com.br>

Entendendo a notícia: 

 01– Qual é a finalidade do texto acima?

a)      Caracterizar os animais silvestres e destacar as suas necessidades.

b)      Divulgar um trabalho desenvolvido pelo IBAMA.

c)      Expor uma opinião sobre o tráfico de animais silvestres no Brasil.

d)      Informar sobre a nova regra para o transporte de animais silvestres no Brasil.

 

02 – No segmento “Agora, o transporte de animais deve ser feito mediante autorização [...]”, o termo sublinhado indica:

a)   Uma mudança na regra sobre o transporte de animais silvestres.

b)   Uma crítica sobre a nova regra para o transporte de animais silvestres.

c)   Uma comparação entre a lei anterior e a atual sobre o transporte de animais silvestres.

d)   Uma conclusão a que se chegou sobre a nova regra divulgada pelo IBAMA.

 

03 – Defina “animais silvestres de estimação”:

         Os animais silvestres de estimação são “aqueles comprados de criadores legalizados ou cedidos com autorização do Ibama”.

 

04 – “[...] é preciso conhecer as necessidades deles [...]”. Segundo a coordenadora de Monitoramento do Uso da Fauna e Recursos Pesqueiros, é preciso conhecer as necessidades:

a)   Dos papagaios.

b)   Das araras e dos jabutis.

c)   Dos animais silvestres.

d)   Dos cães e gatos.

 05 – Aponte os fatos que motivaram a mudança na lei sobre o transporte de animais silvestres no Brasil:

     De acordo com a notícia, o aumento da fraude e do tráfico de animais silvestres motivaram a mudança na lei sobre o transporte desses animais no Brasil.

 06 – No segmento: “O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis) [...]”, a informação entre parênteses:

a)   Comenta a sigla Ibama.

b)   Explica a sigla Ibama.

c)   Caracteriza a sigla Ibama.

d)   Complementa a sigla Ibama.

 07 – Pode-se concluir que o texto acima é do gênero notícia. Desse modo, identifique as partes que a compõem, relacionando conforme a orientação ( numere corretamente):

1 – lide.

2 – Título auxiliar.

3 – Manchete.

4 – Corpo da notícia.

 ( 3 ) “Ibama tem nova regra de transporte de animais silvestres de estimação”.

( 2  ) “O transporte de animais deve ser feito mediante autorização de transporte e pagamento de boleto”.

( 1  ) 1º parágrafo da notícia.

( 4  ) Do 2º ao último parágrafo da notícia.

 

REPORTAGEM: NÃO É O QUE VOCÊ VÊ - ROGÉRIO SCHLEGEL - COM GABARITO

 Reportagem: Não é o que você vê

           


  BELEZA É MAIS DO QUE APARÊNCIA. PERSONALIDADE E ATITUDE TAMBÉM NOS FAZEM PARECER MAIS BONITOS

Rogério Schlegel

        Da boca para fora, Vinicius de Moraes não titubeava: "Beleza é fundamental". Ele próprio, no entanto, tinha barriguinha aparente, fumava até amarelar os dentes e conseguia ser ao mesmo tempo meio careca e descabelado. Nem por isso o poetinha sofreu com falta de pretendentes. Vinicius é um bom exemplo de como são duvidosos os juízos sobre a beleza. Melhor pensar direito antes de adotá-los como verdade absoluta. Ou antes de sair perseguindo as formas de uma garota de Ipanema.

        É verdade que nunca a imagem foi tão privilegiada, mas isso não quer dizer que sejamos reféns dos padrões dominantes de beleza. Primeiro, é preciso entender como esses padrões são criados. Sim, criados. Os lábios e, ah, as curvas da Gisele Bündchen podem parecer universais, mas nossa admiração por sua figura magricela é um traço cultural. Em segundo lugar, beleza não é só aparência física. Pesquisas mostram que atitudes bacanas e traços positivos de personalidade, como bom humor, fazem com que as pessoas sejam percebidas como mais bonitas. Quem está ao seu redor passa a misturar as qualidades, borrando as fronteiras entre os atributos estéticos e os de personalidade. E isso não é conversa de autoajuda para os feiosos. Essa confusão de sentidos, que faz o risonho parecer bonito, tem nome científico: chama-se perda da objetividade.

        O melhor de tudo é que essa beleza expandida, que inclui o número de bons-dias que você dá e outros quesitos, pode ser cultivada. E não estamos falando de cumprir pena na academia de ginástica. A ideia é: ressalte o melhor que você tem por dentro e fique melhor por fora. "Você não precisa ser lindo para ser bonito", afirma o cantor Wando, uma autoridade em matéria de beleza interior. Malhar a autoestima, anabolizar a confiança e esculpir a autenticidade são tratamentos de beleza. Como costuma dizer a publicidade de cosméticos, "todos vão notar". Não há um jeito certo de ser bonito, nem um jeito errado. Cada um encontra sua beleza.

Padrão universal

        Falando assim, parece simples ser bonito. E é. Basta procurar os parâmetros do que é belo no lugar certo, ou seja, em você. Se deixar que os outros decidam isso, vai morrer esperando, porque a discussão sobre o que é beleza começou há séculos e não vai acabar nunca. Começa com os filósofos gregos, para quem a beleza estava ligada à virtude moral, o que, bem grosso modo, quer dizer o seguinte: se você é bonita, tem um narizinho arrebitado e aqueles olhos de que eu gosto tanto, provavelmente é também honesta, fiel e mais uma porção de boas coisas. A beleza estava no objeto. Só no século 18 foram perceber o óbvio: a beleza está nos olhos de quem vê. De fato, é fácil constatar isso: as madonas que pareciam lindas aos olhos dos pintores renascentistas são rechonchudas demais para os padrões anoréxicos da moda atual. Para quem não aguenta ver uma sueca ou um norueguês sem suspirar, saiba que os navegadores europeus assustavam muita gente. Para nativos da América, África e Ásia que nunca tinham visto europeus, eles pareciam fantasmas, com suas peles e cabelos claros.

        Mas quem matou a charada foi o filósofo alemão Hegel, que disse, no século 19, que o prazer com o belo é um deleite narcísico. Em outras palavras: admiramos aquilo que é o reflexo de nós mesmos. "Em cada época, o que destoa do padrão vigente é considerado incômodo, estranho, feio", diz Charles Feitosa, doutor em filosofia que pesquisa a estética do feio e autor do livro Explicando a Filosofia com Arte. "Aprender a relativizar o conceito de beleza é aprender a lidar com o outro, com o diferente", diz.

Beleza pura

        Mas houve quem procurasse um padrão estético absoluto, que fosse considerado bonito entre ocidentais de hoje e da Idade Média, entre ianomâmis e habitantes da Polinésia, entre nigerianos e japoneses. Nesse ramo do conhecimento, a estética, a matemática e a biologia são frequentemente chamadas para ajudar na discussão.

        Os antigos gregos e os renascentistas acreditavam que o belo poderia ser definido por equilíbrios geométricos. Bastava combinar de forma harmoniosa partes de tamanho apropriado. Eles trabalhavam até com uma receita de beleza baseada no equilíbrio espacial, chamada de proporção áurea. Por essa regra, bonito era ter nariz e orelhas com comprimento igual, e foi assim que as pessoas foram retratadas pelos artistas da Renascença. Hoje, essas antigas teses parecem simplistas, mas na verdade elas só foram substituídas por outras, que seguem em vigor, agora dando lucros aos cirurgiões plásticos, em vez de artistas. Tudo isso faz parte do esforço da humanidade para colocar ordem na grande confusão que é a realidade. Quem dera pudéssemos entender a beleza usando fórmulas matemáticas.

        A biologia parece ter mais fôlego na explicação dos ideais de beleza. Tudo começa com Charles Darwin, pai da teoria da evolução, que no século 19 percebeu que os animais selecionavam parceiros sexuais pela aparência. Entre os cervos, por exemplo, machos com chifres simétricos são os preferidos. A aparência aí está relacionada à capacidade de gerar filhotes sadios e com maiores chances de sucesso na luta pela vida. Para muitos especialistas, também entre os humanos a beleza seria interpretada como sinal de bons genes. Um exemplo? Mulheres com cintura estreita são bonitas tanto para os índios peruanos do século 16 como para as francesinhas do século 21. O psicólogo Aílton Amélio, do Centro de Estudos da Timidez e do Amor, da Universidade de São Paulo, diz que a relação ideal entre cintura e quadril é 0,67 a 0,80 – ou seja, o ideal de beleza universal prevê cintura que tenha no máximo 80% da medida do quadril. É uma questão estética, que tem por trás uma explicação biológica: cinturas mais grossas geralmente indicam disfunções hormonais e menos chances de gerar filhos. As banhistas de Renoir, consideradas modelo de beleza ao tempo em que foram pintadas, estão no intervalo entre 0,67 e 0,80, segundo Amélio. Quer outra pista da universalidade? Quando ocidentais são mostradas a homens polinésios, eles consideram os corpos delas feios, mas as menos feias são justamente as que têm cintura fina.

        No caso dos homens, é universalmente valorizado o espécime que tem ombros mais largos que o quadril e maxilar forte, quadrado. Também há estudos mostrando que rostos que consideramos bonitos em ambos os sexos chamam mais a atenção de bebês – mais um indício de atributos universais de beleza, pois as crianças muito pequenas nem experimentaram as influências da cultura. Em geral, sinais que indicam juventude, fertilidade e afirmação do sexo são considerados belos pelos grupos mais variados.

A ditadura da beleza

        Entre os fatores que influenciam a percepção de beleza, é a cultura que parece ter papel predominante na tirania contemporânea da aparência. Há um consenso de que é exagerada a importância que se dá aos traços físicos das pessoas, sobretudo no Ocidente. "Estamos esquecendo os valores éticos e outros aspectos do ser humano", diz o filósofo Charles Feitosa. "Fala-se do aspecto físico como se estivesse em julgamento a qualidade da pessoa."

        Algumas mudanças na economia e na sociedade ajudam a entender como chegamos até aqui. Vivemos na era pós-industrial, quer dizer, não é mais a indústria o centro da economia. Hoje, quem avança é o setor de serviços – o comércio, os bancos, o turismo, o lazer. Num mundo com menos operários de macacão e mais mocinhas atrás dos balcões, a aparência conta muito mais. Também o salto tecnológico nas comunicações cria um ambiente em que a imagem é tudo. Basta olhar os telefones celulares à sua volta, a cada dia com mais truques para transmitir imagens. Antes você descrevia a pessoa amada para um amigo, agora vai mostrar a foto dela no celular. É bem diferente, concorda? Também vivemos uma individualização crescente, com as pessoas cada vez mais isoladas e com menos trocas humanas. Passamos a ser julgados menos pelo que somos e mais pelo que, à distância, parecemos ser.

        O resultado disso é que o padrão dominante de beleza, inventado por uma meia dúzia e divulgado por outra meia dúzia, contaminou todos os ambientes. Você liga a televisão e lá estão as bonitonas e os saradões no papel de vencedores. Você é bombardeado por peças publicitárias que associam comunhão familiar e beleza, dinheiro no bolso e beleza, ser amado e beleza, felicidade e beleza. O pior é quando isso sai da TV e alcança sua vida. Pesquisa publicada em 1994 pela revista americana American Economic Review mostrou que pessoas consideradas bonitas ganham salários em média 10% mais altos do que as feias. Você se pergunta então se belos traços físicos significam tratamento melhor no dia-a-dia e fica sabendo do teste da moeda feito por psicólogos norte-americanos. Ao encontrarem 10 centavos intencionalmente deixados numa cabine telefônica, 87% dos ocupantes devolveram a moeda quando apareceu uma mulher bonita perguntando por ela. Só 60% fizeram o mesmo por uma mulher tida como feia.

        Mas chega de falar do problema. Já dissemos que há padrões aparentemente universais de beleza, que outros são criados pela cultura e que há hoje uma ditadura da imagem, que influencia, de fato, a vida de todos. Tudo isso nos empurra para que nos encaixemos nos padrões de beleza. Mas não estamos sem alternativas. Há várias.

Encontre sua beleza

        Comece por não se deixar levar só pela aparência. Explicando melhor: contrariando a primeira impressão, os atributos unicamente estéticos não são o principal quesito usado pelas pessoas para avaliar as outras. Pesquisa em 37 países sobre o que homens e mulheres consideravam mais importante na hora de escolher o parceiro amoroso deu que, para os homens, a boa aparência é o décimo quesito, atrás de estabilidade emocional, inteligência e sociabilidade, por exemplo. Entre as mulheres, ficou em 13º, ultrapassada por elegância, ambição e boa perspectiva financeira.

        Mesmo em carreiras em que o visual conta muito, a beleza está longe de ser o único critério de avaliação. "A maioria dos modelos e artistas sofre demais para se adequar a um padrão estabelecido", diz o modelo Paulo Zulu. "Mas o visual pode ser o cartão de entrada e também o cartão de saída. O que fica é o caráter." Para os repórteres e apresentadores de televisão, por exemplo, simpatia, naturalidade e, sobretudo, credibilidade são atributos até mais importantes do que um rosto bonito. "Há casos de gente que desponta usando apenas a aparência, mas esses acabam sendo sucessos passageiros", afirma Luciana Lancellotti, repórter da Rede Record – uma profissão que requer boa apresentação. "Não adianta nada ser maravilhoso e não criar uma relação de proximidade com o espectador." O cantor Wando diz que há espaço de sobra para artistas como ele. "Não sou lindo. Sou um tipo latino, que se bobear fica meio gordinho. Meu forte é a comunicação, e é isso que faz a beleza da gente ficar grande."

A beleza expandida

        Wando toca num ponto fundamental: as atitudes e o astral são capazes de deixar você mais bonito. Tire proveito dessa miopia benigna que faz com que suas qualidades todas sejam percebidas pelos outros como beleza. É científico. Experiências demonstram que a avaliação da aparência varia com o contato interpessoal. A mesma pessoa dá notas diferentes para as características físicas de alguém antes e depois de conhecê-lo. Uma presença agradável afeta positivamente essa avaliação, "embelezando" uma pessoa antes avaliada apenas por foto. Está aí um convite para você explorar seu potencial. Abuse de seu bom humor, dê asas a sua simpatia, seja positivo e coloque seu lado bom lá para cima. Nada mais bonito do que alguém que está de bem com a vida, pouco importando a relação entre o tamanho de sua cintura e o de seu quadril. "De que vale uma bela aparência, se a pessoa não está bem com ela mesma?", diz a atriz Luciana Vendramini (aqui à direita, na foto da esquerda). Mais ainda: como é possível ter uma boa aparência sem estar de bem com a gente mesmo?

        É preciso lembrar que todos temos defeitos, incompletudes, pontos fracos, mesmo o Brad Pitt. "Se você conhece seus limites e seus pontos fortes e é capaz de aceitá-los todos, será visto como alguém mais bem resolvido e mais bonito", avalia o psicanalista Cláudio Bastidas, autor do livro Outra Beleza, sobre psicanálise, literatura e estética. "O inverso também é verdadeiro: quem não se aceita transmite desconforto", diz ele.

        Entre todas as qualidades lembradas pelos especialistas, a autoestima e a autoconfiança costumam ser as armas mais poderosas na busca por essa beleza ampliada. Simples. Ambas têm um impacto direto na sua maneira de encarar o mundo e na forma como as pessoas percebem você. Quem resiste a quem olha no olho, fala de maneira enfática, mostra firmeza sem ser rude e exibe serenidade sem ser apagado? A questão é que não basta interpretar, é preciso ser seguro de fato. Esses sinais de autoconfiança aparecem nos pequenos detalhes, como na forma de gesticular ou no timbre da voz. Não dá para fingir – nem seria o caso. Gostar de si mesmo e confiar na própria capacidade podem ter efeitos mágicos em sua receita de beleza. Tanto assim que há quem acredite que vem daí parte do poder de quem tem características físicas privilegiadas. "Se uma pessoa se sente bonita, ela desenvolve uma autoconfiança maior e isso reforça sua atitude no trabalho", afirma Maria Irene Betiol, professora de psicologia da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas. "Em geral, uma pessoa que se acha bonita é mais segura de saída e por causa disso deixa fluir com mais facilidade sua competência." Haveria assim uma espécie de "efeito Tostines": a pessoa é segura porque é bonita ou parece mais bonita por ser segura?

        Na sedução, boas doses de confiança e dedicação costumam levar mais longe do que um rostinho bonito. "O sujeito que poderia ser considerado fisicamente feio tem armas que o bonito nunca vai desenvolver", avalia o jornalista e escritor Xico Sá, autor do livro A Divina Comédia da Fama. Ele exemplifica: o segundo tipo é mais paciente e aplicado, mais caprichoso no sexo e não costuma escorregar no egocentrismo, como faz o homem bonito. "O Rodrigo Santoro vai para ganhar por nocaute. Já o cara feio tem de ganhar por pontos e precisa ter mais consistência", diz Xico, que se auto define como um "suposto feio". Para o escritor, não há dúvida de que as mulheres mais atraentes não são necessariamente as mais belas fisicamente. "Entre uma modelo sem um pingo de safadeza e outra mulher mais gordinha e insinuante, fico com a segunda sem vacilar." O fundamental na avaliação dele é não entregar os pontos à ditadura do físico. "Não critico quem faz plástica ou põe silicone, mas é mais saudável você descobrir onde está sua beleza particular", diz Xico.

        Perceber quem você é passa a ser fundamental na busca dessa beleza expandida. É preciso descobrir sua identidade. Nesse quesito, o caso do ator Raul Cortez é lembrado pelo psiquiatra Cláudio Bastidas. Embora não se aproximasse do protótipo de beleza masculina, Cortez assumiu seu tipo físico e fez papéis de galã quando era mais jovem. Além disso, a pluralidade da sociedade, com sua riqueza de visões e grupos diferentes, é um bom estímulo para que cada um procure sua turma. Cada tribo tem sua leitura do que é bonito e de que atitudes são valorizadas. Os sociólogos têm musas diferentes dos skatistas, cuja estética é bem diversa da dos surfistas. Saiba ser diferente e procure os diferentes iguais a você.

        Na busca de sua autêntica beleza, você pode até concluir que vale a pena tentar se aproximar do padrão estético dominante. Isso de fato tornará você mais feliz? A maior parte dos especialistas não vê nada de errado em caprichar no visual, desde que essa aposta não se transforme em algo doentio. "A preocupação com a aparência física é saudável, é uma afirmação da vida. O que não podemos é exagerar, supervalorizar o corpo e esquecer todo o resto", afirma o filósofo Charles Feitosa. É fundamental perceber que há valores mais nobres em jogo, especialmente a sua felicidade. E, nesse ponto, Vinicius de Moraes é incontestável: “É melhor ser alegre que ser triste.”

Revista Vida Simples, ago. 2004.

Fonte: Língua Portuguesa. Viva Português. 9° ano. Editora Ática. Elizabeth Campos. Paula Marques Cardoso. Silvia Letícia de Andrade. 2ª edição. 2011. P. 170-6.

Entendendo a reportagem:

01 – Uma característica importante do gênero reportagem é a objetividade.

a)   Que palavras do título e do olho indicam a preocupação do redator da reportagem de se aproximar do leitor e se incluir no problema abordado?

Você e nos.

b)   Releia os dois primeiros parágrafos e identifique em que pessoa foi escrito o texto.

O texto foi escrito na primeira pessoa do plural.

c)   Ao falar diretamente com o leitor e incluir-se nos problemas levantados pelo texto, o redator torna a reportagem mais envolvente? Justifique sua resposta.

Sim, pois o assunto é tratado como se fosse uma preocupação de todos, inclusive do jornalista.

d)   Na sua opinião, o tema abordado permite dispensar a objetividade que geralmente caracteriza uma reportagem?

Resposta pessoal do aluno. Sugestão: Sim, como o tema é subjetivo e envolve os valores das pessoas, o jornalista pode organizar o texto expondo suas opiniões e procurando convencer os leitores da relevância delas.

02 – Copie no caderno as frases a seguir.

·        Escreva 1 ao lado da frase que contenha a ideia principal do parágrafo, importante para o desenvolvimento da reportagem.

·        Escreva 2 ao lado das frases que contenham ideias secundárias, ilustrativas da ideia principal.

Primeiro parágrafo.

a)   “Da boca para fora, Vinícius de Moraes não titubeava: ‘Beleza é fundamental’.” 2.

b)   “Nem por isso o poetinha sofreu com falta de pretendentes.” 2.

c)   “Vinícius é um bom exemplo de como são duvidosos os juízos sobre a beleza.” 1.

d)   “Melhor pensar direito [...] antes de sair perseguindo as formas de uma garota de Ipanema.” 2.

        Segundo parágrafo.

a)   Estamos em uma era em que a imagem é bastante privilegiada. 2.

b)   Gisele Bundchen apresenta características de um padrão de beleza que pode parecer universal. 2.

c)   É importante entender como os padrões de beleza são criados e perceber que a beleza não se compõe apenas da aparência física. 1.

d)   O texto não deve ser considerado uma conversa de autoajuda para feiosos. 2.

Terceiro parágrafo.

a)   O cantor Wando é uma autoridade em matéria de beleza interior. 2.

b)   As pessoas não devem cumprir pena na academia para ficarem mais bonitas. 2.

c)   A beleza que vai além da aparência física pode ser cultivada. 1.

d)   Todos vão notar a “malhação” na autoestima. 2.

03 – As informações principais dos três parágrafos iniciais são retomadas ao longo da reportagem. Relacione no caderno as ideias principais de cada um desses parágrafos aos entretítulos da reportagem:

a)   “A ditadura da beleza”.

É importante entender como os padrões de beleza são criados e perceber que a beleza não se compõe apenas da aparência física.

b)   “A beleza expandida”.

A beleza que vai além da aparência física pode ser cultivada.

c)   “Padrão universal”.

Vinícius é um exemplo de como são duvidosos os juízos sobre a beleza.

04 – Releia a parte da reportagem intitulada “Padrão universal”, depois copie no caderno a opção correta:

a)   Que recursos são usados para convencer o leitor da validade das ideias defendidas?

·        Referências históricas.

·        Conclusões do jornalismo com base nos dados apresentados.

·        Citação de filósofos.

·        Depoimentos de especialistas.

·        Todas as anteriores.

b)   Com base nessa parte do texto, concluímos que:

·        Não há um padrão universal de beleza.

·        Uma pessoa honesta, fiel e boa é também bonita.

·        As pessoas só gostam do que se parece com elas.

·        É necessário entender o outro para entender a beleza.

05 – Segundo a parte intitulada “A ditadura da beleza”, alguns fatores levaram as sociedades ocidentais à grande valorização da imagem. Copie no caderno os trechos do texto que explicam como os fatores abaixo contribuem para a valorização da aparência.

a)   Avanço do setor de serviços.

“Num mundo com menos operários de macacão e mais mocinhas atrás dos balcões, a aparência conta muito mais.”

b)   Salto tecnológico nas comunicações.

“Antes você descrevia a pessoa amada para um amigo, agora vai mostrar a foto dela no celular.”

c)   Individualização crescente.

“Passamos a ser julgados menos pelo que somos e mais pelo que, a distância, parecemos ser.”

06 – Segundo o texto, de que maneira o padrão dominante de beleza contaminou todos os ambientes?

      Na televisão e nas campanhas publicitárias, as bonitonas e os saradões são sempre vencedores – tudo o que é bom está associado à beleza.

07 – A observação das novelas e dos comerciais de televisão confirma a resposta dada à questão anterior?

      Resposta pessoal do aluno.

08 – Releia o trecho abaixo e explique a que diferença o jornalista se refere: “Basta olhar os telefones celulares à sua volta, a cada dia com mais truques para transmitir imagens. Antes você descrevia a pessoa amada para um amigo, agora vai mostrar a foto dela no celular. É bem diferente, concorda?”

      Ao descrever a pessoa amada, há a mediação do sentimento. Já a foto é substituída imediatamente à avaliação de um terceiro, que pode estar influenciado pelo padrão vigente de beleza.

09 – Na parte “Encontre sua beleza”, que recursos são usados para convencer o leitor de que ele pode não se deixar levar só pela aparência?

      Citação de resultado de pesquisa sobre a escolha do parceiro e depoimentos de profissionais cujo trabalho depende muito da imagem (repórter de televisão e modelo). Os depoimentos destacam o caráter, a simpatia, a naturalidade e a credibilidade.

10 – O texto foi iniciado com uma famosa frase de Vinícius de Moraes – “Beleza é fundamental” – e foi concluído com um verso de uma de suas músicas: “É melhor ser alegre que ser triste.” Copie as duas alternativas corretas. A associação desses dois trechos sugere que:

a)   A beleza é uma forma de conquistar a felicidade.

b)   Não ser belo pode provocar tristeza.

c)   Preocupar-se em ser feliz é mais importante que se preocupar com a beleza.

d)   A busca desenfreada pela beleza pode produzir mais infelicidade que alegria.

11 – Você constatou que nem sempre houve coincidências entre as escolhas das pessoas pelas imagens e pelas características de personalidade. Na reportagem lida, o autor cita pesquisas que explicam esse fato. Anote no caderno o trecho do texto que faz referência a essas pesquisas.

      “Pesquisas mostram que atitudes bacanas e traços positivos de personalidade, como bom humor, fazem com que as pessoas sejam percebidas como mais bonitas”.