sábado, 30 de junho de 2018

MÚSICA: HOMEM NÃO CHORA - FREJAT - COM QUESTÕES GABARITADAS

Música: Homem Não Chora
                                             Frejat

Homem não chora nem por dor, nem por amor
E antes que eu me esqueça
Nunca me passou pela cabeça lhe pedir perdão
E só porque eu estou aqui, ajoelhado no chão
Com o coração na mão
Não quer dizer que tudo mudou
Que o tempo parou, que você ganhou

Meu rosto vermelho e molhado
É só dos olhos pra fora
Todo mundo sabe que homem não chora
Esse meu rosto vermelho e molhado
É só dos olhos pra fora
Todo mundo sabe que homem não chora

Homem não chora nem por ter, nem por perder
Lágrimas são água
Caem do meu queixo e secam sem tocar o chão
E só porque você me viu cair em contradição
Dormindo em sua mão
Não vai fazer a chuva passar
O mundo ficar no mesmo lugar

Meu rosto vermelho e molhado
É só dos olhos pra fora
Todo mundo sabe que homem não chora
Esse meu rosto vermelho e molhado
É só dos olhos pra fora
Todo mundo sabe que homem não chora.

                                                            Composição: Alvin L / Frejat
Entendendo a canção:

01 – Sobre o “eu” da canção, podemos dizer:
a) que é uma mulher apaixonada.   
b) que é uma mulher abandonada.   
c) que é um homem apaixonado.    
d) que é um homem muito feliz.

02 – A ideia principal que fundamenta a canção é:
a) O amor é lindo.          
b) As mulheres ocuparam um novo lugar no mundo.
c) Homem não chora.     
d) Mulheres são sensíveis demais.

03 – O homem da canção, afinal, chora ou não chora? Justifique, citando trechos do texto.
      Sim, homem chora. O mito de que “homem não chora” já caiu por terra há muito tempo.

04 – Nada como o lirismo do eu poético para romper com que sentimentos?
      Romper com o clique e livrar o homem dos tabus do passado num pranto libertador.

05 – Que figura de linguagem podemos encontrar no verso: “Homem não chora nem por dor, nem por amor”?
      Polissíndeto – caracteriza-se pela repetição de um determinado conectivo.

06 – Cite algumas metáforas da canção.
·        “Passou pela cabeça.”
·        “Coração na mão.”


07 – Assinale as opções corretas.
(  ) Podemos chorar somente quando estamos tristes.
(  ) Não é errado chorar e, muitas vezes, pode-se chorar até de felicidade.
(  ) Homem que é homem não chora.
(X) Homens e mulheres tem sentimentos e podem chorar.

08 – De que maneira você extravasa suas tristezas e alegrias?
      Resposta pessoal do aluno.

09 – Justifique a afirmativa “Chorar não é defeito”.
      Um dos sinais de tristeza melhor identificados por nós é quando choramos. Porém, nem sempre o choro é acompanhado de uma emoção ruim. Muitas vezes as pessoas choram de alegria.

10 – Utilize a legenda para identificar a qual conjugação os verbos pertencem.
(AR) 1ª Conjugação
(ER) 2ª Conjugação
(IR) 3ª Conjugação.

() Ele subiu para o quarto.
() Homem não chora.
() Todo mundo comeu pouco.
() Parecia uma criança.

11 – Escolha a palavra escrita corretamente e complete as frases a seguir.
a) Cada cidadão tem missão de ajudar o próximo. (Missão / mição)
b) A escola é um espaço para construção da cidadania. (Construção / construção)
c) Devemos ajudar de coração. (Corassão / coração)

12 – Circule a palavra escrita de modo errado em cada item e reescreva-a de forma correta.
a) Creça, rosa, maçã = cresça.
b) Estinção, doce, pessoas = extinção.
c) Transmição, diversão, atração = transmissão.

FILME: MORTE E VIDA SEVERINA - ZELITO VIANA - COM SINOPSE E QUESTÕES GABARITADAS


Filme: MORTE E VIDA SEVERINA

Data de lançamento 29 de junho de 1977 (1h 28min)
Direção: Zelito Viana
Gênero Drama
Nacionalidade Brasil

SINOPSE E DETALHES

        Baseado nos célebres poemas de João Cabral de Melo Neto, O Rio e Morte e Vida Severina. Um nordestino resolve tentar mudar de vida e vai em direção ao litoral e ao sudeste do Brasil, esperançoso de que no caminho não encontre mais a fome, a miséria e a opressão com as quais foi forçado a se habituar. No entanto, sua jornada provará que encontrar um novo começo é muito mais difícil do que parece.

Entendendo o filme:
01 – A personagem da “rezadora” fala das vantagens de sua profissão e de outras semelhantes. A sequência de imagens neles presente tem como pressuposto imediato a ideia de:
a)   Sepultamento dos mortos.
b) dificuldade de plantio na seca.
     c) escassez de mão-de-obra no sertão.
     d) necessidade de melhores contratos de trabalho.
     e) técnicas agrícolas adequadas ao sertão.

02 – A personagem do “retirante” exprime uma concepção da “morte e vida Severina”, ideia central da obra, que aparece em seu próprio título. Tal como foi expressa no excerto, essa concepção só NÃO encontra correspondência em:
a)   “Morre gente que nem vivia”.
b) “Meu próprio enterro eu seguia”.
     c) “O enterro espera na porta: o morto ainda está com vida”.
     d) “vêm é seguindo seu próprio enterro”.
     e) “essa foi morte morrida ou foi matada?”.

03 – De acordo com o filme. É possível identificar sua característica:
a)   Regionalistas, uma vez que há elementos do sertão brasileiro.
b) vanguardistas, pois o tratamento dispensado à linguagem é absolutamente original.
     c) existencialistas, pois há a preocupação em revelar a sensação de vazio do homem do sertão.
     d) naturalistas, porque identifica-se em Severino as características típicas do herói do século XIX.
     e) surrealistas, já que existe uma apelação ao onírico e ao fantástico.

04 – Assinale a alternativa INCORRETA sobre “Morte e Vida Severina”:
a)   Apesar das dificuldades que se anunciam para o filho do Seu José, a perspectiva do final do poema é positiva em relação à vida.
b) Existe no poema um grande contraste causado pelo nascimento do filho do Seu José em relação à figura da morte, presente em toda a obra.
     c) O adjetivo Severina, do título, tanto se refere ao nome do personagem central como às condições severas em que ele, como tantos outros, vive.
     d) A indicação auto de natal não se refere somente ao sentido de religiosidade, mas também à aceitação do poder de renovação que existe na própria natureza.
     e) Como em muitas outras obras de tendência regionalista, o tema central do poema é a seca nordestina e a miséria por ela criada.

05– Leia as seguintes afirmações sobre Morte e Vida Severina:
I – O nascimento do filho do compadre José é antagônico em relação aos outros fatos apresentados na obra, já que esses são marcados pela morte.
II – Podemos dizer que o conteúdo é completamente pessimista, considerando-se que a jornada é marcada pela tragédia da seca, o que leva Severino à tentativa de suicídio.
III – Mais do que a seca, as desigualdades sociais do Nordeste são o tema da obra.
Assinale a alternativa correta sobre as afirmações:
a)   Somente I e II estão corretas.
b) Somente I e III estão corretas.
     c) Somente II e III estão corretas.
     d) As três estão corretas.
     e) As três estão incorretas.







CRÔNICA: TUDO MAIS BARATO - FERNANDO SABINO - COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO


Crônica: Tudo mais barato

        Naquela manhã, quando o carro oficial o conduzia ao Ministério, lembrou-se do supermercado na Praça da Bandeira:
        -- Você precisa dar um pulo lá um dia desses – um amigo lhe havia recomendado: – É tudo mais barato.
        -- Siga para a Praça da Bandeira – ordenou ao motorista.
        Depois de se embaraçar nas filas que se formavam à entrada, disputando gêneros de primeira necessidade, perdeu-se por entre as prateleiras de mercadorias menos procuradas, pegue e pague.
        Tudo realmente mais barato – sua mulher ficaria satisfeita. Foi pegando o que lhe ocorria levar: latas de conserva, queijos, vinho, azeite, biscoito, balas para as crianças. Logo precisou de um dos carrinhos de arame enfileirados na porta. Estranhou que ninguém ali os usasse. Não seria costume da casa?
      Encaminhou-se afinal para a saída, formando na longa fila dos que passavam pela caixa: meio quilo de arroz, um quilo de farinha, meio quilo de açúcar.
        Olhou para os que já aguardavam atrás dele: as mesmas caras sérias, encardidas de pobreza, cada um com sua comprinha humilde na mão. E ele ali, o único de paletó e gravata, atravessado no caminho com seu carrinho repleto. Era tão chocante o contraste, que a cada passo parecia estar sendo empurrado para frente, em estocadas de muda acusação. Pensou ainda se não seria o caso de desistir, recolocar a mercadoria no lugar, ou abandonar ali mesmo o carrinho e ir saindo displicente, como quem não quer nada.
        -- Cinquenta cruzeiros.
        -- Trinta e dois cruzeiros.
        Quando chegasse a sua vez, estaria perdido: uma semana de ordenado, no mínimo, daquela gente que o cercava. Enxugou o suor da testa. Atrás dele alguém comentava:
        -- Esse aí vai levar pelo menos meia hora, está comprando a casa inteira.
        -- Cruz credo! – soltou uma voz de mulher.
        E outra ainda:
        -- Até parece uma babá, empurrando carrinho.
        Ouviram-se risos, já de franca hostilidade. E chegou enfim a sua vez. Procurou ser o mais expedito possível:
        -- Isto... isto... e mais isto...
        A moça ia registrando, espantada e aborrecida.
        -- Cinco mil, oitocentos e cinquenta cruzeiros – contou afinal, implacável, para ele e para quem mais quisesse ouvir.
        Correu pela fila um murmúrio de admiração.
        -- Agora tire daí, por favor.
        Ele desfolhava atabalhoadamente um maço de notas de quinhentos que retirara do bolso da calça para pagar a mercadoria. Nunca aquela gente tinha visto tanto dinheiro junto.
        -- Tirar como? – já desesperado, olhou em torno: – A mocinha ali não tem um saco de papel?
        -- Em saco de papel não cabe tudo isso. O próximo, por favor.
        Na fila já se avolumava um resmungo de impaciência. Sem saber o que fazer, ele tentou recolher as coisas com os dois braços, deixou cair uma lata, o pacote de biscoitos se arrebentou. Já se dispunha a largar tudo e sair correndo, quando viu um caixote de papelão a um canto. Arrastou-o com a ponta do pé, despejou tudo dentro dele. Ao erguê-lo pela tampa, viu, agoniado, que o fundo se abria e a mercadoria se espalhava pelo chão. Uma garrafa de vinho tinto se espatifou no cimento. Agachou-se apanhando freneticamente o que podia e atirando de novo dentro do caixote. Depois ergueu-o a custo, contendo com os braços as abas do fundo.
        -- Com licença. Com licença.
        Abriu caminho aos tropeços, precipitou-se até o carro que o aguardava, pediu auxílio ao motorista:
        -- Vamos, me ajude aqui. E siga para casa, depressa.
        Despejada a mercadoria no banco de trás, conseguiu, enfim, abandonar o local do crime, seguindo para a Zona Sul. Se percebessem que se tratava de carro oficial, a agressiva curiosidade que o acompanhou até a porta se transformaria em depredação e até mesmo linchamento.
        Não perceberam; pôde, assim, regressar ao seu mundo farto e repousante, até onde não chegavam ainda os atropelos, apertos e aflições dos que estão do outro lado.
        Mas não por muito tempo – pensou, preocupado.

                                      Fernando Sabino. In: A falta que ela me faz.
                                                  7ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1981.
Entendendo a crônica:
01 – Reescreva as frases, substituindo as palavras destacadas por sinônimos:
a)   Ouviram-se risos, já de franca hostilidade.”
Escutaram-se risos, já de sincera inimizade.

b)   “Ele desfolhava atabalhoadamente um maço de notas...”
Ele desfolhava atrapalhadamente um maço de notas.

c)   “Na fila se avolumava um resmungo de impaciência.”
Na fila aumentava um resmungo de impaciência.

02 – Complete as frases com as palavras abaixo:
Linchamento – murmúrio – farto – atropelo – displicente – freneticamente.
a)   As garotas aplaudiam freneticamente seu ídolo.
b)   Naquele atropelo todo perdi as chaves do carro.
c)   Ele pouco ligava para as recomendações dos pais e continuava sendo o aluno displicente de sempre.
d)   O linchamento é uma forma injusta de justiça popular.
e)   Ouvia-se, naquele momento, um murmúrio de protesto no fundo do salão.
f)    Ela vivia naquele mundo farto; nunca conheceu as dificuldades da pobreza.

03 – O texto “Tudo mais barato” é narrado em terceira pessoa. Nele, o autor desempenha o papel de:
(  ) Narrador-personagem.
(X) Narrador-observador.

04 – Quem é a personagem principal do texto? A que classe social pertence? Comprove sua informação com elementos do texto.
      É um funcionário do Ministério. A personagem pertence a uma classe social elevada. Trata-se de um funcionário do governo que utiliza carro oficial com motorista.

05 – O funcionário do Ministério pretendia comprar gêneros de primeira necessidade?
      Não. Pois se dirigiu às prateleiras de mercadorias menos procuradas.

06 – O funcionário do Ministério contrastava com as demais pessoas que faziam compras no supermercado. Em que consistia esse contraste?
      Era o único de paletó e gravata, com carrinho repleto, ostentando uma situação econômica invejável. As demais pessoas estavam malvestidas e carregavam poucos produtos, porque eram muito pobres.

07 – Podemos considerar o protagonista uma pessoa insensível e indiferente à pobreza das pessoas que faziam compras naquele supermercado? Por quê?
      Não. Em certo momento, ele ficou tão perturbado com a pobreza daquela gente que pensou em recolocar as mercadorias na prateleira e desistir da compra.

08 – O funcionário do Ministério pensou em abandonar o carrinho e deixar o supermercado por que:
(   ) Ficou irritado com os comentários dos fregueses na fila.
(X) Percebeu que sua situação econômica contrastava enormemente com a pobreza daquela gente.

09 – Assinale o CORRETO:
O funcionário do Ministério foi invadido pelos sentimentos de:
(   ) Compreensão e solidariedade.
(X) Constrangimento e pânico.
(   ) Agressividade.

10 – Por que se criou um clima de hostilidade em relação ao funcionário do Ministério?
      Suas atitudes provocaram um sentimento de injustiça nas pessoas e, também, por incomodar os presentes.

11 – Por que o fato de ele estar usufruindo do carro oficial poderia provocar depredação e linchamento?
      O povo não aprovaria essa mordomia, à custa do dinheiro público.

12 – A que conclusão o funcionário do Ministério chegou depois dos acontecimentos no supermercado?
      Refletindo sobre a enorme diferença social e econômica que o distanciava daquela gente humilde, concluiu que sua situação privilegiada não duraria para sempre.

13 – Nesta crônica, Fernando Sabino denuncia principalmente:
(   ) A utilização indevida de carros oficiais.
(X) As desigualdades sociais.

14 – Você acha correto usar bens públicos, como carros oficiais, em proveito pessoal? Por quê?
      Resposta pessoal do aluno.

15 – Na sua opinião, por que existem desigualdades sociais?
      Resposta pessoal do aluno.

16 – Pra você, como podem ser combatidas as desigualdades sociais para se construir um mundo mais justo?
      Resposta pessoal do aluno.


CONTO: UNU NILE - TODOS VOCÊS (CONTO AFRICANO) - COM GABARITO


Conto: UNU NILETodos Vocês (Conto africano)


        Depois de formar a Terra, o Criador, todos os meses, realizava uma festa no céu para as aves, pois a mãe-terra ainda era jovem e não havia árvores frutíferas suficientes para alimentar a todas. Ele também aproveitava a ocasião para agradecer as aves pelos seus lindos cantos, dia e noite. Nesses tempos, a tartaruga vivia se queixando, pois fora criada com muito peso nas costas, suas pernas eram tão curtas que quase não conseguia se locomover e, ainda por cima, precisava andar muito atrás de comida. Todos os dias, queixava-se:
        — Se eu tivesse asas, tudo seria diferente... A minha vida seria mais fácil.
 Enquanto as aves, do alto das árvores, comiam frutas, a tartaruga, embaixo, lamentava a sua sorte, pois tinha que se contentar com os restos que caíam dos bicos delas.
        De tanto ouvirem as lamentações da tartaruga, as aves fizeram uma reunião e decidiram ajudá-la. Cada uma doou uma de suas penas para confeccionar o melhor par de asas para o pobre réptil e ensiná-lo a voar.
        A partir daquele dia, a vida da tartaruga mudou. Passou a fazer tudo que sempre havia desejado: voava de árvore em árvore, comendo as melhores frutas. Ela zombava dos animais que não tinham asas, pois não se considerava mais um réptil, mas uma ave. Deixou-se dominar pelo orgulho.
        Na véspera da viagem para o céu, as aves convidaram a tartaruga para a festa do Criador, reservada só para os animais que voavam.
        Egoísta e ingrata, a tartaruga ficou matutando um modo de comer o melhor da festa.
        Antes da viagem, ela disse às aves que o céu era um lugar especial e, portanto, deveriam entrar lá de um modo especial. Propôs que cada uma escolhesse um novo nome. As aves aceitaram e todas escolheram um novo nome, cada um mais bonito do que o outro. A tartaruga ficou por último e disse que seu novo nome era Todos Vocês. As aves acharam aquele nome muito estranho, mas ninguém se importou.
        Durante a viagem, a tartaruga fez questão que cada uma repetisse seu novo nome muitas vezes para que não se esquecessem. Chegando ao céu, todas assinaram o livro de presença com seu nome novo. Sentaram-se à mesa, o Criador agradeceu a todas pelos seus belos cantos e mostrou-lhes as iguarias preparadas para elas. Terminado o discurso, a tartaruga levantou e perguntou ao Criador para quem ele fizera todas aquelas delícias. Ele respondeu:
        — Para todos vocês!
        Nesse momento, a tartaruga lembrou as aves do seu novo nome: Todos Vocês; portanto, a mesa posta era só para ela. Que esperassem a vez delas.
        Ela comeu e bebeu, enquanto as aves só olhavam. Elas ficaram muito decepcionadas com a atitude da tartaruga.
        Quando chegou a hora de voltarem à Terra, cada uma delas tratou de pegar sua pena de volta e, num instante, a tartaruga ficou sem asas.
        Ao entrarem para limpar o salão, os empregados encontraram a tartaruga escondida e lançaram-na para a Terra; a queda foi tão forte que o seu casco duro e brilhante quebrou-se em pedaços.
        A formiga e seus filhotes acharam o casco da tartaruga todo quebrado e pensaram que o pobre animal estivesse morto. Então juntaram e emendaram o casco para construir um formigueiro.
        Passados alguns dias, a tartaruga se sentiu melhor, levantou-se e saiu andando.
        E foi assim que a tartaruga ganhou o casco emendado que tem até hoje.

SUNNY. Ulomma. A casa da beleza e outros contos.
São Paulo: Paulinas, 2006, p. 23-28
Entendendo o conto:
01 – Como era a vida da tartaruga no início do conto? O que mudou?
      Vivia cansada e tinha muito trabalho para conseguir comida. Sua vida muda ao receber um par de asas.

02 – Que estratégia a tartaruga adota para que ocorra uma mudança em sua vida?
      Reclama todo o tempo da dificuldade que é sua vida. Faz-se de vítima do mundo.

03 – Qual foi a “jogada” da tartaruga para, chegando à festa, ter direito a desfrutar do banquete primeiro?
      Escolheu para si um nome que, provavelmente, seria a resposta que receberia para a pergunta que faria.

04 – Qual o sentimento das aves em relação à tartaruga?
      Decepção.

05 – No trecho “Egoísta e ingrata, a tartaruga ficou matutando um modo de comer o melhor da festa”, que palavras indicam a opinião do narrador sobre a tartaruga?
      Egoísta e ingrata.

06 – E você, o que pensa da atitude da tartaruga?
      Resposta Pessoal do aluno.

07 – Considerando a atitude da tartaruga, que outras palavras a descreveriam?
      Resposta pessoal do aluno.

08 – Releia o início do conto “Todos Vocês” e observe os verbos destacados nos primeiros parágrafo. Pra você em que tempo estão?
      Resposta pessoal do aluno.

09 – Você diria que essas ações aconteceram uma vez ou aconteciam sempre (por exemplo, aconteceu de as aves comerem fruta e de a tartaruga lamentar sua sorte só uma vez ou elas faziam isso sempre)?
      Aconteciam sempre.

10 – Agora destaque os verbos destacados no quarto parágrafo. Essas ações aconteciam sempre ou aconteceram só uma vez?
       Aconteceram só uma vez.

11 – Qual dos dois tempos verbais descreve a situação inicial do conto, caracterizando o cenário e as personagens e dizendo como era a vida deles? 
      Os destacados nos primeiros parágrafos (pretérito imperfeito).

12 – Qual dos dois tempos verbais indica uma ação pontual que situa o início da ação principal da história (seu problema)?
      Os destacados no quarto parágrafo (pretérito perfeito).



POEMA: A DANÇA DA NATUREZA - GLORETE RESZENDE - COM GABARITO


Poema A dança da natureza


No balé das árvores sopradas pelo vento
Vento suave de uma tarde de verão
Pequenas bailarinas folhas dançam com graça e movimento.
Tendo ao fundo azul da imensidão.

Os fachos de luz que atravessam por entre as árvores
Aproveitam o acontecimento
Enfeitam e dão ar de magia com emoção
Ao belo palco da natureza neste momento.

Vez ou outra, pequenas bailarinas se soltam
E com liberdade e graça vão dançando até o chão
Felizes, embora saibam que será a última apresentação
E que, no seu lugar, pequenas novas bailarinas nascerão.

                                      Glorete Reszende, artista plástica

Entendendo o poema:
01 – O que o título do texto quer dizer com “A dança da natureza”?
      É o balança das folhas das árvores com o vento.

02 – Você gostou do poema? Por quê?
      Resposta pessoal do aluno.

03 – Que detalhe original usou a artista plástica nas folhas?
      Figuras de bailarinas nas folhas (folha-bailarina).

04 – A quem se refere o adjetivo “felizes” no penúltimo verso?
      Às folhas-bailarinas.

05 – Que diferença há entre: “Novas bailarinas nascerão” e “Novas bailarinas nasceram”?
      A 1ª frase está no tempo futuro. A 2ª frase está no pretérito.

06 – A que se refere o pronome “seu” no último verso?
      Às bailarinas (folhas).

07 – Em: “E com liberdade e graça vão dançando até o chão”, o que representa esta frase?
      É o movimento das folhas quando se soltam do galho e caem.

08 – Na frase: “E que, no seu lugar, pequenas novas bailarinas nascerão”. O que significa?
      Que nascerão novas folhas, e serão as novas bailarinas.