quinta-feira, 21 de setembro de 2017

UM APÓLOGO - MACHADO DE ASSIS - COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO

Um Apólogo
                Machado de Assis

Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha:
       — Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda enrolada, para fingir que vale alguma cousa neste mundo?
       — Deixe-me, senhora.
       — Que a deixe? Que a deixe, por quê? Porque lhe digo que está com um ar insuportável? Repito que sim, e falarei sempre que me der na cabeça.
       — Que cabeça, senhora?  A senhora não é alfinete, é agulha.  Agulha não tem cabeça. Que lhe importa o meu ar? Cada qual tem o ar que Deus lhe deu. Importe-se com a sua vida e deixe a dos outros.
       — Mas você é orgulhosa.
       — Decerto que sou.
       — Mas por quê?
       — É boa!  Porque coso.  Então os vestidos e enfeites de nossa ama, quem é que os cose, senão eu?
       — Você?  Esta agora é melhor. Você é que os cose? Você ignora que quem os cose sou eu e muito eu?
       — Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um pedaço ao outro, dou feição aos babados...
       — Sim, mas que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adiante, puxando por você, que vem atrás obedecendo ao que eu faço e mando...
       — Também os batedores vão adiante do imperador.
       — Você é imperador?
       — Não digo isso. Mas a verdade é que você faz um papel subalterno, indo adiante; vai só mostrando o caminho, vai fazendo o trabalho obscuro e ínfimo. Eu é que prendo, ligo, ajunto...
Estavam nisto, quando a costureira chegou à casa da baronesa. Não sei se disse que isto se passava em casa de uma baronesa, que tinha a modista ao pé de si, para não andar atrás dela. Chegou a costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da linha, enfiou a linha na agulha, e entrou a coser.  Uma e outra iam andando orgulhosas, pelo pano adiante, que era a melhor das sedas, entre os dedos da costureira, ágeis como os galgos de Diana — para dar a isto uma cor poética. E dizia a agulha:
        — Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco?  Não repara que esta distinta costureira só se importa comigo; eu é que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a eles, furando abaixo e acima...
A linha não respondia; ia andando. Buraco aberto pela agulha era logo enchido por ela, silenciosa e ativa, como quem sabe o que faz, e não está para ouvir palavras loucas. A agulha, vendo que ela não lhe dava resposta, calou-se também, e foi andando. E era tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-plic-plic-plic da agulha no pano. Caindo o sol, a costureira dobrou a costura, para o dia seguinte. Continuou ainda nessa e no outro, até que no quarto acabou a obra, e ficou esperando o baile.
Veio a noite do baile, e a baronesa vestiu-se. A costureira, que a ajudou a vestir-se, levava a agulha espetada no corpinho, para dar algum ponto necessário. E enquanto compunha o vestido da bela dama, e puxava de um lado ou outro, arregaçava daqui ou dali, alisando, abotoando, acolchetando, a linha para mofar da agulha, perguntou-lhe:
       — Ora, agora, diga-me, quem é que vai ao baile, no corpo da baronesa, fazendo parte do vestido e da elegância? Quem é que vai dançar com ministros e diplomatas, enquanto você volta para a caixinha da costureira, antes de ir para o balaio das mucamas?  Vamos, diga lá.
Parece que a agulha não disse nada; mas um alfinete, de cabeça grande e não menor experiência, murmurou à pobre agulha: 
       — Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze como eu, que não abro caminho para ninguém. Onde me espetam, fico. 
Contei esta história a um professor de melancolia, que me disse, abanando a cabeça:
        — Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária!
 
Texto extraído do livro "Para Gostar de Ler - Volume 9 - Contos", Editora Ática - São Paulo, 1984, pág. 59.
 DEPOIS DE LER O TEXTO, FAÇA O QUE SE PEDE.
1-O QUE É UM APÓLOGO? CONSULTE O DICIONÁRIO. DE ACORDO COM O SIGNIFICADO DADO À PALAVRA, VOCÊ CONHECE ALGUM OUTRO APÓLOGO? QUAL?
      É uma narrativa alegórica para ocultar uma verdade, em que falam animais ou seres inanimados. A segunda resposta é pessoal.

2- RELACIONE AS COLUNAS, USE O DICIONÁRIO, SE NECESSÁRIO.
A- SUBALTERNO    (E) CÃO PERNALTO E ESGUIO PRÓPRIO   PARA A  CAÇA DE LEBRES, É O MAIS RÁPIDO DOS CÃES;

B- OBSCURO             (D) COSTURO;

C- ÍNFIMO                  (H) AQUELES QUE ABREM CAMINHO;

D- COSER                  (I)DE QUALIDADE MÉDIA OU INFERIOR, VULGAR, COMUM

E- GALGO                  (C) MUITO PEQUENO,INFERIOR, VULGAR,O MAIS  BAIXO DE TODOS;

F- MELANCOLIA        (A) SUBORDINADO, INFERIOR, SECUNDÁRIO;

G- ALTIVA                  (G) ORGULHOSO, ARROGANTE, VAIDOSO;

H- BATEDORES        (F) ABATIMENTO, DESÂNIMO, TRISTEZA;

I- ORDINÁRIA            (B)SOMBRIO, POUCO CONHECIDO, INDECIFRÁVEL.

3- “ERA UMA VEZ” PODE SER SUBSTITUÍDA POR QUAL OUTRA EXPRESSÃO DE SEMELHANTE SIGNIFICADO? NORMALMENTE QUE TIPO DE NARRATIVA INICIA-SE COM ESSA EXPRESSÃO?
      Pode ser substituída por “Um dia.”. É um conto.

4- A EXPRESSÃO “AGULHA NÃO TEM CABEÇA” NA LINGUAGEM CONOTATIVA PODE SER ENTENDIDA COMO:
      Não tem juízo.

5- DE ACORDO COM O TEXTO, O QUE SIGNIFICA: “DAR FEIÇÃO AOS BABADOS”?
      É dar crédito as fofocas.

6- QUAL O TEMA DISCUTIDO NO TEXTO? ASSINALE A(S) ALTERNATIVA(S) CORRETA(S).
(X) O ORGULHO; (X) A VAIDADE; (  ) A HUMILDADE;  (   ) A MODÉSTIA; (  ) A BONDADE;  (  ) A SIMPLICIDADE; (X) EGOÍSMO; (X) PREPOTÊNCIA.

7-  DEPOIS DE RELER O TEXTO ATENTAMENTE, DIGA:
A-    QUE TIPO DE NARRADOR O TEXTO APRESENTA? ATENTE PARA POSSÍVEL MUDANÇA DE FOCO NARRATIVO. JUSTIFIQUE SUA RESPOSTA.
Narrador-personagem. O mesmo tempo que narra o texto ele é o personagem.

B-    ESPAÇO TEMPORAL (QUANDO):
Durante o dia.

C-   PERSONAGENS:
A agulha, a linha e o alfinete.

D-   ESPAÇO FÍSICO (ONDE):
Na casa da baronesa.

E-    FOI UTILIZADO O DISCURSO DIRETO? COMPROVE:
Sim. “Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco?”

8- DE ACORDO COM O TEXTO, QUEM ERA ORGULHOSA E POR QUE O ERA?
       Era a linha, porque ela é que estava no vestido da baronesa, que iria passear.

9- “SILENCIOSA E ALTIVA” SÃO QUALIDADES ATRIBUÍDAS A QUEM?
       A linha.

10- HÁ, NO TEXTO, USO DE VOCATIVO? COMPROVE SUA RESPOSTA COM UM TRECHO DO TEXTO, CASO SUA RESPOSTA SEJA POSITIVA.
      Sim. “Anda, aprende, tola. Cansaste em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da vida, enquanto aí fica na caixinha de costura.”

11- RETIRE DO TEXTO, A ONOMATOPEIA UTILIZADA PELO AUTOR E DIGA O QUE ELA ESTÁ REPRESENTANDO.
      “Não se ouvia mais que o plic-plic-plic-plic da agulha no pano”. Que o serviço de costura tinha terminado aquele dia.

12- IDENTIFIQUE:
A-  A PERSONAGEM QUE JULGA O TRABALHO IMPORTANTE, POIS É NELE QUE ESTÁ O SENTIDO DE SUA VIDA:
A agulha.

B-  A PERSONAGEM CUJO INTERESSE É O RESULTADO DO TRABALHO, OS ELOGIOS, FESTAS, O GLAMOUR:
É a linha.

C-  PERSONAGEM QUE SE AUTO AFIRMA INTELIGENTE:
O alfinete.

13- QUEM DE FATO É POSSUIDOR DO FAZER, QUE COMANDA O PROCESSO DE PRODUÇÃO:
      (    ) A AGULHA; (   ) A LINHA; (X) A COSTUREIRA.

14- AGULHA, LINHA, BARONESA, COSTUREIRA: ESTABELEÇA TRAÇOS COMUNS ÀS PERSONAGENS MENCIONADAS.
      Resposta pessoal do aluno.

15- QUANTO AO “PROFESSOR DE MELANCOLIA”, PODEMOS CONCLUIR QUE ELE:
(X) ESTAVA SEMPRE SE DANDO MAL;
(X) QUE ERA FREQUENTEMENTE PASSADO PARA TRÁS;  
(X) SENTIA-SE INJUSTIÇADO; 
(   ) RECEBIA O RECONHECIMENTO QUE JULGAVA MERECER; 
(   ) ERA FELIZ PORQUE TINHA SEU TRABALHO VALORIZADO.

16- LINHA E AGULHA ERAM SEMELHANTES PORQUE:
(   ) AMBAS ERAM HUMILDES;
(X) AMBAS ERAM ORGULHOSAS;
(   ) AMBAS ERAM TRABALHADORAS; 
(X) AMBAS ERAM VAIDOSAS.

17- O QUE VOCÊ ACHA QUE SIGNIFICA “SERVIR DE AGULHA PARA MUITA LINHA ORDINÁRIA”?
      Resposta pessoal do aluno.



32 comentários:

  1. Excelente interpretação do texto Um Apólogo - Machado de Assis

    ResponderExcluir
  2. gOSTEI DA INTERPRETAÇÃO COM A SOMA DE QUESTÕES ABERTAS E QUESTÕES OBJETIVAS.

    ResponderExcluir
  3. Qual o gênero textual desse texto

    ResponderExcluir
  4. estou trabalhando com esta narrativa como leitura literária no sexto ano do ensino fundamental 2. maravilha estas questões de interpretação. obrigada.

    ResponderExcluir
  5. Machado de Assis sempre se encaixa em inúmeros momentos. Gostei muito. Obrigada!

    ResponderExcluir
  6. Respostas
    1. Eu usei para o 7° mas,acho que para todas as séries.

      Excluir
  7. Qual o gênero textual desse texto

    ResponderExcluir
  8. Obrigada irei trabalhar com essas atividades com a minha filha.

    ResponderExcluir
  9. Pode-se concluir que o professor de melancolia: *
    2 pontos
    Recebia o reconhecimento que julgava merecer.
    Estava sempre se dando mal, sentia-se injustiçado.
    Era feliz porque tinha seu trabalho valorizado.

    ResponderExcluir
  10. Possível resposta sobre a frase " servi de agulha para muita linha ordinaria"

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Antigamente dirá, podia produzir 1 desenho animado para as,aulas,eventos e passeios.
    Hoje digo criar 1 jogo ,videogame e ganhar prêmios internacionais.
    ERKERT.

    ResponderExcluir
  13. Acredito que a questão 7 esteja errada. O narrador não faz parte da história, ele apenas a conta. Machado de Assis sempre conversa com o leitor em seus textos, o que pode confundir um pouco. Se ele fosse um dos personagens qual seria?

    ResponderExcluir
  14. De que forma podemos interpretar a última frase do texto ?

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Não concordo com a resposta dada para a questão 7a. O narrador não faz parte da história, portanto ele é um narrador-observador e o foco narrativo estaria na 3ª pessoa.

    ResponderExcluir
  17. O texto por sua vez têm tudo a ver com o contexto.
    Simplesmente e se colocar no lugar do autor e sentir essa relevância inspiradora...

    ResponderExcluir