quinta-feira, 7 de setembro de 2017

MÚSICA: ALEGRIA, ALEGRIA - CAETANO VELOSO - COM ANÁLISE E GABARITO

Alegria, Alegria
                                               Caetano Veloso                                     
Caminhando contra o vento
Sem lenço e sem documento
No sol de quase dezembro
Eu vou

O sol se reparte em crimes
Espaçonaves, guerrilhas
Em cardinales bonitas
Eu vou

Em caras de presidentes
Em grandes beijos de amor
Em dentes, pernas, bandeiras
Bomba e Brigitte Bardot

O sol nas bancas de revista
Me enche de alegria e preguiça
Quem lê tanta notícia
Eu vou

Por entre fotos e nomes
Os olhos cheios de cores
O peito cheio de amores vãos
Eu vou
Por que não, por que não

Ela pensa em casamento
E eu nunca mais fui à escola
Sem lenço e sem documento
Eu vou

Eu tomo uma Coca-Cola
Ela pensa em casamento
E uma canção me consola
Eu vou

Por entre fotos e nomes
Sem livros e sem fuzil
Sem fome, sem telefone
No coração do Brasil

Ela nem sabe até pensei
Em cantar na televisão
O sol é tão bonito
Eu vou

Sem lenço, sem documento
Nada no bolso ou nas mãos
Eu quero seguir vivendo, amor
Eu vou

Por que não, por que não?
Por que não, por que não?
Por que não, por que não?
                                              Caetano Veloso.

ANÁLISE:

        A música Alegria, Alegria de Caetano Veloso é uma das canções que se cristalizam no imaginário público como se fosse sem autor definido: de domínio público e, por isso mesmo, eleva o seu compositor à categoria dos grandes autores da música brasileira e, a própria música, à categoria dos clássicos.
        Esta letra em questão funciona como um dos pontos de partida e até síntese do movimento tropicalista ocorrido principalmente na nossa música durante as décadas de 60 e 70, do século passado.
        O tropicalismo, movimento sócio cultural iniciado a partir de 1967, surgiu principalmente na música, mas acabou influência toda a cultura nacional, pois retomava basicamente elementos da Antropofagia, do Modernismo Brasileiro, e outros elementos da contra cultura, da ironia, rebeldia, anarquismo e humor ou terror anárquico.
        A paródia, a crítica à esquerda intelectualizada, a não aceitação de qualquer forma de censura, a sedução dos meios de comunicação de massa o retrato da realidade urbana e industrial, a exploração do ser humano, tudo isso, todos esses elementos montado com uma colagem de fragmentos do dia-a-dia nas grandes cidades do país, eram, de fato, os princípios norteadores da arte tropicalista.

        A MÚSICA E SUA INTENÇÃO

        Escrita, musicada e interpretada pelo cantor e compositor Caetano Veloso, em novembro de 1967, “Alegria, Alegria” ajustou a criar o estilo hoje intitulado de MPB e deslocou a expressão artística musical brasileira para o cenário da crítica social, em um ativismo político sem precedentes na história de outro tipo de arte no mundo. Graças a isso, Caetano Veloso teve grande parte de sua obra censurada pelo regime militar. Chegou a ser preso, junto com seu parceiro musical e amigo, Gilberto Passos Moreira, o Gilberto Gil, também cantor e compositor baiano.
        Os dois artistas ficaram exilados em Londres por quase dois anos. Caetano era classificado para o governo no Brasil como “persona nom grata”, uma expressão latina que corresponderia a mal-agradecido e, por isso, mal vindo de volta à pátria. Até 1972, quando ambos, volta do exílio.

Questões:
1 – Para dar exemplos dos desníveis sociais existentes no Brasil e as diferenças regionais, o autor se utiliza de comparações aparentemente desconexas e fazendo uso de metáforas. Cite alguns versos:
      “Eu tomo uma coca-cola/Ela pensa em casamento”; “Em caras de presidente/em grandes beijos de amor/em dentes, pernas, bandeiras, bomba e Brigitte Bardot”.

2 – A letra denuncia o abuso de poder de forma metafórica. Explique cada verso.
a        a)  “Caminhando contra o vento / sem lenço e sem documento”.
A violência praticada pelo regime militar.

        b)“Sem livros e sem fuzil / sem fome, sem telefone, no coração do Brasil”.
É a precariedade na educação brasileira proporcionada pela ditadura que queria pessoas alienadas.

     c)   “O sol nas bancas de revista / me enche de alegria e preguiça / quem lê tanta notícia”.
É o local onde, toda manhã, encontraria as notícias dos acontecimentos, e se manteria informado.

3 – Que elementos externos à cultura nacional é citado na música?
      Alguns símbolos impostos pelo cinema norte-americano que exportava / exporta seus ídolos como: Cardinale, Brigitte Bardot e a coca-cola, principal imposição comercial da mídia na época.

4 – Que outra canção dessa época de censura lembra esta música e elas iniciam com a palavra “Caminhando”?
      “Para não dizer que não falei das flores”, do cantor Geraldo Vandré.

5 – Caetano na música “Alegria, Alegria” já começa a poética desde o título, sendo uma característica dele, seja repetindo palavras ou juntando palavras com sons parecidos. Que figura de linguagem ele usa?
      Aliteração.




Um comentário:

  1. Essa música foi baseado no movimento tropicalista e na doutrina do existencialismo (por isso ele menciona "nada no bolso ou nas mãos").

    Fala também da possível participação dele no jornal O Sol, do Festival da MPB em 1967 (inclusive o vídeo da música é desse festival), da marcha contra a guitarra elétrica, entre outros.

    Fiz a análise completa no vídeo abaixo

    https://www.youtube.com/watch?v=8n1zhEu4iO0&t=232s

    ResponderExcluir