quarta-feira, 6 de setembro de 2017

TEXTO: CONVERSA DE ESCRITÓRIO - MARQUES REBELO - COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO

CONVERSA DE ESCRITÓRIO

        Quando Gumercindo chegava ao escritório, às oito e meia, já tinha lido de trás para diante e de diante para trás o Jornal dos Esportes e, pelo dia adentro, não tinha outro assunto senão o conteúdo da rósea folha.
        Saía do estoque, onde folgadamente funcionava, e ia ao arquivo, que era no segundo andar, mexer nos armários à cata dum papel qualquer Puro pretexto. Queria era dar uma prosinha com o Ademar, que torcia para o Fluminense. Gumercindo é do Flamengo, até rachado.
        --- Qual, velhinho, o teu tricolor anda mauzinho mesmo! Não dá no couro.
        Ademar, lourinho, cara de pombo, encontrava desculpa:
        --- É por causa da becança. Aquilo não é parelha de beques. É uma parelha de burros!
        --- E a linha, que é que ela vale?
        --- Não! – protestava. – A linha é boa.
        --- Que boa! Uns pernas-de-pau!
        --- Pernas-de-pau, uma história! Não há melhor.
        --- Uns feridas.
        José não gostava de conversa fiada na seção:
        --- Chega de futebol, gente. Pegue logo o que você quer, Gumercindo, e cai fora.
        Gumercindo é malcriado:
        --- Cai fora, uma brisa! Converso quanto quiser. A boca é minha. Que é que você manda aqui?
        Laíde, muito magrinha, atiçava:
        --- Eu, se fosse você, fazia queixa a Seu Schneider de que o José não te deixa conversar direito...
        A seção ri. Seu Schneider é o diretor-geral, muito severo, muito exigente e inseparável do charuto. Gumercindo tem vontade de dar nela – que peste! E, embalado, continua com mais outras impertinências, cheio de insolência:
        --- Aqui não há um melhor que o outro, sabe? Todos são iguais. Quem manda é o chefe Você é chefe, por acaso?
        José não era de discussões. Sorrindo, bate nas teclas da máquina, deixa-o falar grimpante. Se lhe desse um murro nas ventas, onde aquele magricela iria parar? Era forte, risonho, excessivamente calmo. Tinha horror a brigas e desavenças. Resolvia tudo por bem, com palavras e atos ponderados.
                                            Marques Rebelo. Seleta, págs. 148-149.
                                                        Editora José Olympio, Rio, 1974.

1 – Identifique as personagens da história através de suas características:
·        Forte, amável, calmo, ponderado: JOSÉ.
·        Severo, exigente: SCHNEIDER.
·        Louro, cara de pombo: ADEMAR.
·        Magricela, falador, malcriado: GUMERCINDO.
·        Magrinha, irônica: LAÍDE.

2 – “Já tinha lido de trás para diante e de diante para trás o Jornal dos Esportes”. Que quis dizer o autor com isso?
      Quis dizer que Gumercindo tinha lido o Jornal diversas vezes e sem pular nada, tudo minuciosamente.

3 – Na linha 4, “o conteúdo da rósea folha” significa:
      (   ) O perfume e a beleza da rosa.
      (X) O noticiário esportivo do Jornal dos Espores.

4 – Por que o autor chama esse jornal de “rósea folha”?
      Porque é impresso em papel cor-de-rosa.

5 – Assinale as afirmações verdadeiras, com relação a Gumercindo:
      (   ) Trabalhava sem parar: seu serviço, no escritório, era apertado.
      (X) Ia ao arquivo só para conversar com o Ademar.
      (   ) Suas conversas giravam em torno de muitos assuntos.
      (   ) Lia o jornal na seção onde trabalhava.
      (X) Era rubro-negro “doente”.
      (   ) Era um bom funcionário.

6 -  “Qual, velhinho, o teu tricolor anda mauzinho mesmo!”
      Qual o personagem que disse essa frase?
      Foi Gumercindo.

7 – Que reação provocaram em Gumercindo as palavras de Laíde?
      Gumercindo ficou com tanta raiva da moça que teve vontade de a espancar.

8 – Como você entendeu a frase “A seção ri”?
      A frase irônica de Laíde faz rir os funcionários da seção.

9 – José não respondeu às insolências de Gumercindo porque:
      (   ) Tinha medo dele.
      (X) Detestava discussões.
      (   ) Não queria aborrecer o seu diretor.

10 – A exclamação “que peste!”, representa o pensamento de:
      (X) Gumercindo.
      (   ) Marques Rebelo (o narrador)

11 – Que tipo de linguagem usam as personagens?
      (   ) Culta, literária.
      (X) Familiar, coloquial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário