terça-feira, 19 de setembro de 2017

TEXTO: KEIKO DIZ NÃO À LIBERDADE - COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO

KEIKO DIZ NÃO À LIBERDADE

        Baleia de Free Willy rejeita a vida selvagem, e verba para salvá-la acaba.
        É triste a história da baleia orca “Keiko”, famosa por estrelar os filmes da série Free Willy. No início da semana passada, a equipe que tenta há cinco anos readaptá-la à vida em liberdade admitiu que é provável que isso jamais aconteça. Keiko parece estar fadada ao cativeiro, condição em que vive faz mais de 20 anos. Daqui a duas semanas, a temporada de verão no hemisfério Norte termina para as orcas selvagens, que nadam perto do cercado montado para abrigar a estrela aposentada numa baía na costa da Islândia, e elas partirão, Keiko já deixou claro que, embora tenha brincado com elas, não pretende acompanha-las. Os biólogos e treinadores poderiam tentar de novo no próximo verão, ainda que com poucas esperanças, mas o dinheiro do projeto está acabando. O custo anual para mantê-la em sua piscina natural é de 3,5 milhões de dólares. Para completar a novela, uma criação comercial de salmão deve ser montada ainda neste mês, justamente onde Keiko está hoje. Mas uma vez a baleia terá de mudar de lar.
        Todos os dias neste verão, Keiko seguiu um barco que a guiava até o mar aberto onde bandos de orcas nadavam. Chegou a seguir algumas e foi seguida, mas, depois de cada viagem, ela sempre acompanhava o barco de volta à costa. A frustação é enorme. A descoberta de que a estrela do filme de 1993 vivia numa piscina mal cuidada em um parque de diversões mexicano sensibilizou o mundo. A fundação Free Willy, criada para dar liberdade à baleia, angariou em dois anos 7,5 milhões de dólares. Em 1996, Keiko foi transferida para um centro de reabilitação de golfinhos e baleias montado com dinheiro da campanha, em Oregon, na costa americana. Após dois anos, foi içada e transferida de avião para seu mar natal, na Islândia.
        Agora, sob os cuidados da Ocean Futures, de Jean-Michel Cousteau, pretendia-se que ela fugisse com as orcas da região onde nasceu. Na Islândia, Keiko aprendeu a comer peixe vivo, que ela própria capturava. Não se distanciou, porém, mais de mil metros do barco de observação. “Nossos gastos já foram além do previsto. Se não conseguirmos mais dinheiro para a reintegração de Keiko à natureza, vamos buscar mais recursos pelo menos para criar um novo ambiente natural e manter a qualidade de vida dela”, afirma Charles Vinick, do grupo que cuida do projeto desenvolvido em torno da orca. Onde, como e com quem viverá Keiko? Nem o mais criativo roteirista de Hollywood sabe. Uma baleia orca em liberdade vive cerca de 50 anos. Keiko tem menos da metade disso.

                                                                   Flávia Varella. In: Veja, ano 34, n° 31,
                                                                                             8 agosto 2001, p. 73.
1 – Escreva no caderno uma frase para cada parágrafo do texto.
      - Primeiro: Keiko, a estrela da série Free Willy, que vive em cativeiro há mais de 20 anos, há cinco vem tentando se readaptar à vida livre, mas não consegue.
      - Segundo: Com dinheiro de uma campanha, a Fundação Free Willy transferiu Keiko de uma piscina mal cuidada, num parque de diversões mexicano, para um centro de reabilitação em Oregon e, posteriormente, para o seu mar natal, na Islândia.
      - Terceiro: Sob os cuidados de Jean-Michel Cousteau, foi reapresentada ao mundo livre, mas permanece próxima ao barco de observação; não há mais verba para mantê-la.

2 – A história de Keiko é muito diferente da história dos ursos, contada por Rubem Alves? Justifique sua resposta.
      Não; a história é bastante semelhante: animais retirados de seu habitat para serem adestrados nem sempre conseguem readaptar-se quando voltam ao lugar de origem.

3 – Lendo apenas o título, o lide (a apresentação da matéria) e a primeira oração do texto, foi possível a você antecipar alguma ideia sobre o que viria a seguir? O quê? Que palavra foi reveladora disso?
      Sim; o título e o lide antecipam as informações presentes no texto. A palavra reveladora foi: liberdade.

4 – “Onde, como e com quem viverá Keiko? Nem o mais criativo roteirista de Hollywood sabe. “Por que, na sua opinião, a autora coloca esse comentário no texto?
      Porque Keiko foi estrela de uma série de filmes; a autora questiona agora seu destino, como se fosse o enredo de uma nova história de aventuras.

5 – Diante dessa informação sobre Keiko, o que é possível pensar sobre:
a)    O texto de Rubem Alves?
O texto de Rubem Alves, apesar de ser uma fábula, tem coerência e verossimilhança.

b)    O uso com “fins artísticos” dos animais?
Tanto na fábula como na vida real percebe-se que é totalmente antinatural usar animais com fins artísticos.

c)    O uso da inteligência e da sabedoria do homem em relação à natureza?
O homem não age com sabedoria em relação à natureza.

6 – O texto de Rubem Alves, comparado à história de Keiko, nos revela relações inesperadas entre ficção e realidade. Veja os dados sobre o filme Free Willy, do qual Keiko é a estrela, e faça uma comentário sobre essas relações:

      Neste caso, há uma relação irônica; enquanto em seus filmes Keiko busca sair da vida em cativeiro, na vida real não quer fazê-lo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário