quinta-feira, 7 de setembro de 2017

POEMA: OPERÁRIO EM CONSTRUÇÃO - COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO


 OPERÁRIO EM CONSTRUÇÃO

Um operário em construção
Mas ele desconhecia
Esse fato extraordinário:
Que o operário faz a coisa
E a coisa faz o operário.
De forma que, certo dia
À mesa, ao cortar o pão
O operário foi tomado
De uma súbita emoção
Ao constatar assombrado
Que tudo naquela mesa
- Garrafa, prato, facão –
Era ele quem os fazia
Ele, um humilde operário,
Um operário em construção.
Olhou em torno: gamela
Banco, enxerga, caldeirão
Vidro, parede, janela
Casa, cidade, nação!
Tudo, tudo o que existia
Era ele quem o fazia
Ele, um humilde operário
Um operário que sabia
Exercer a profissão.

Ah, homens de pensamento
Não sabereis nunca o quanto
Aquele humilde operário
Soube naquele momento!
Naquela casa vazia
Que ele mesmo levantara
Um mundo novo nascia
De que sequer suspeitava.
O operário emocionado
Olhou sua própria mão
Sua rude mão de operário
De operário em construção
E olhando bem para ela
Teve em um segundo a impressão
De que não havia no mundo
Coisa que fosse mais bela.

Foi dentro da compreensão
Desse instante solitário
Que, tal sua construção
Cresceu também o operário.
Cresceu em alto e profundo
Em largo e no coração
E como tudo cresce
Ele não cresceu em vão.
(...)
E um fato novo se viu
Que a todos admirava:
O que o operário dizia
Outro operário escutava.
E foi assim que o operário
Do edifício em construção
Que sempre dizia sim
Começou a dizer não.
E aprendeu a notar coisas
A que não dava atenção:
Notou que sua marmita
Era o prato do patrão
Que seu macacão de zuarte
Era o termo do patrão
Que o casebre onde morava
Era a mansão do patrão
Que seus dois pés andarilhos
Eram as rodas do patrão
Que a dureza do seu dia
Era a noite do patrão
Que sua imensa fadiga
Era amiga do patrão.

E o operário disse Não!
E o operário fez-se forte
Na sua resolução.
                                                   Vinícius de Moraes (Antologia Poética).

a  1)    Como é que o operário está relacionado àquilo que ele produz nesse poema?
A ideia está sintetizada nos versos: “O operário faz a coisa e a coisa faz o operário”. O operário é agente e produto da “coisa”.

    2)   Observe que a expressão-título do poema pode significar mais de uma coisa: Explique em que sentidos “operário em construção” pode ser interpretado nesse texto.
Ele é agente-paciente de construção: ele constrói como operário e como ser humano. Noutro “construção” é uma qualificação do tipo de trabalho que o operário executa: é o “ramo” que está inserido no mercado de trabalho.

c  3)    Por que o texto é facilmente caracterizado como poesia?
Além da disposição gráfica e do jogo de significados, o texto apresenta rimas e ritmos.

   4)  Se, em vez de lido silenciosamente, o texto fosse falado ou lido em voz alta também seria caracterizado como poema? Por quê?
Porque, a sonoridade do plano da linguagem seria ressaltada e as demais características do poema ficariam enfatizadas.

   5)    Qual é o tema do texto? Justifique, com apoio no texto de Vinícius de Moraes, porque a simples escolha do tema não define o gênero textual.
O tema é injustiça social que sofre o trabalhador, num mundo capitalista. Mas muitos outros gêneros poderiam abordar o mesmo tema.

f   6)     Por que a escolha vocabular apenas, nem o nível de linguagem, nem o tema são suficientes para a caracterizar o texto como poema? Use outros exemplos como base de sua argumentação.
Exemplos livres: Essa escolha vocabular poderia estar presente em outros gêneros que também prezam o nível formal.





Um comentário:

  1. Hoje em dia é difícil esperar do estudante uma reflexão feita por ele. Qualquer tema que se pensa em propor para reflexão, encontra-se prontinho como é o caso desse aqui. O que o estudante faz é copiar/colar.

    ResponderExcluir