domingo, 8 de julho de 2018

TEXTO: MAIS UM ANIMAL - JOSÉ ELIAS - COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO


Texto: Mais um animal

    Chico chegou da rua com um gatinho muito preto e muito magro debaixo do braço.
        – Vai me dizer que já arrumou mais dor de cabeça pra mim – disse-lhe a mãe.
       – Olha pra ele, mãe, tão bonitinho, tão magrinho. Ocê não tem dó dele?
        – Dó eu tenho, mas não quero saber de mais bicho em casa. O quintal já tá parecendo zoológico.
        – A senhora mesmo vive rezando pra São Francisco, o santo que acolhia os bichos…
        – Não é por ser devota de São Francisco que vou transformar minha casa em zoológico. Pode dar fim neste gato, não quero mais saber. Chegam muito os três que vivem embaraçando nas pernas da gente.
        – Olha pra ele, mãe. Só ele, tenha piedade do coitado. Não deve ter dono, nem pai, nem mãe, nem irmãozinho.
        – Não quero nem olhar.
        – Já sei por que não quer: para não pegar amor por ele. Alisa só o pelinho dele, vê como o coitado tá maltratado. Se fosse um angorá, aposto que você ia querer.
        – Se fosse um angorá, o dono não deixaria solto na rua.
        Chico saiu alisando o pelo do gatinho, triste por ter que se livrar dele. Sentou no alpendre e conversou com o gatinho:
        – Você tem que compreender que a casa não é minha, se fosse…No fundo, ela tem razão. Tenho três cachorros, três gatos, um papagaio, meia dúzia de galinhas, uma já ninhada de cinco pintinhos; um casal de patos, um porquinho da Índia, um coelhinho orelhudo … Sem contar, lá no sítio, o bezerro, o potrinho e a promessa que meu pai fez de me comprar cabritos, bodes e cabras. Já vi que ocê não compreende, que quer mesmo ficar.
        Vamos lá dentro tentar de novo? Vamos?
        – Mãe, você…
        – Outra vez com esse gato?
        – Eu só queria um pedaço de pão molhado no leite para dar pra ele. Depois de matar a fome, ele vai embora. Vou jogar o gatinho bem longe daqui de casa.
        A mãe deu um pedaço de pão e um pires com leite. Chico começou a matar a fome do novo amigo.
        Pão comido, leite lambido, a mãe falou:
        – Agora que ele comeu, pode dar o fora. E trate de levar esse gato pra bem longe.
        (...)
        -- Mãe, já arrumei um nome pra ele. Quer saber qual é?
        -- Não quero saber nada, quero que suma com ele.
        -- Pus o nome nele de Faquir. Coitado, tão magro, faminto, sem família, infeliz. Mãe? Ocê ouviu o nome dele?
        -- Ouvi. Tá bem escolhido, mas pode levar o seu Faquir daqui logo, logo.
        -- Mãe, vamos fazer um negócio?
        -- Que negócio?
        -- Meu aniversário está perto. Ocê lembra o que foi que pedi de aniversário?
        -- Pediu pro seu pai comprar um cavalo. E daí?
        -- Eu troco o cavalo pelo Faquir. Ocê topa? Ele é tão infeliz, tão magrinho, sem ninguém por ele. O cavalo fica pro ano que vem. Feito, hem, mãe?
        A mãe não aguentou, olhou com muito amor para o menino, passou a mão nos cabelos dele e disse-lhe:
        -- Pode, Chico. Mas que seja o último bicho que você traz pra casa. Tá certo assim?
        Tá, tá certo, mãe. Ocê é joia mesmo!
        E bem baixinho no ouvido de Faquir, disse-lhe:
        -- Eu não falei que ela acabava cedendo? Ela é joia!

                                                    José Elias. Com asas na cabeça.
                                                             São Paulo: Nacional, 1985.
Vocabulário:
Acolhia: abrigava.
Embaraçando: estorvando.
Piedade: dó, pena.
Alpendre: varanda.
Potrinho: filhote de cavalo.
Negócio: trato.

Entendendo o texto:
01 – Substitua as palavras destacadas por sinônimos:
a)   Cedeu à vontade do filho e o deixou ficar com o gato.
Concordou com o filho e o deixou ficar com o gato.

b)   Chico arrumou uma boa desculpa para convencer sua mãe.
Chico arranjou uma boa desculpa para convencer sua mãe.

c)   São Francisco acolhia todos os animais com muito amor.
São Francisco recebia todos os animais com muito amor.

d)   Coitado! Não tem ninguém que o abrigue.
Pobrezinho! Não tem ninguém que o acolha.

e)   O potrinho será meu próximo presente de aniversário.
O cavalinho será meu próximo presente de aniversário.

f)    Você não tem piedade dos bichos?
Você não tem dó dos bichos?

g)   Dê o fora, e não me embarace!
Suma e não me atrapalhe!

02 – Explique o sentido em que as expressões assinaladas foram usadas no texto.
a)   Já arrumou mais dor de cabeça para mim?
Dor de cabeça: problemas, trabalho.

b)   Pode dar fim neste gato, não quero mais saber.
Dar fim: sumir, fazer desaparecer.

03 – Construa uma frase empregando a expressão: mais um animal.
      Resposta pessoal do aluno.

04 – Qual é o título do texto?
      O título do texto é “Mais um animal”

05 – Quem é o autor?
      O autor é José Elias.

06 – Quantos parágrafos há no texto?
      O texto tem 33 parágrafos.

07 – Quais são os personagens da história?
      Os personagens da história são Chico, o Gato e a mãe do Chico.

08 – Como era o gatinho que Chico levou para casa?
      O gato era preto e muito magro.

09 – Por que o menino levou o gatinho para casa?
      Chico levou o gato para casa pois ele ficou com pena do gato porque estava muito magro e sozinho.

10 – Por que o gato não podia ficar na casa do Chico?
      Ele não podia ficar porque na casa já tinham muitos bichos.

11 – O que o gatinho ganhou antes de ir embora?
      Ele ganhou um pedaço de pão e leite, para matar a fome.

12 - Em sua opinião qual é a condição financeira de Chico? Justifique sua resposta.
      Resposta pessoal do aluno.


Nenhum comentário:

Postar um comentário