sexta-feira, 27 de julho de 2018

POEMA: SONETO 11 - LUÍS VAZ DE CAMÕES - COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO


Poema: SONETO 11
         Luiz Vaz de Camões
Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;
                                                        
É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o amor?
                                                                          Luís Vaz de Camões.

Entendendo o poema:

01 – Nesse poema Camões fornece diversas definições para “amor”. Cite-as.
      Para Camões o amor é fogo, é ferida, é contentamento, é dor. Mas sempre procurando conceituar a natureza contraditória do amor. Por meio da razão, buscou analisar um sentimento vago, imensurável. Não havendo como separar o que sentia do que pensava, por serem movimentos antagônicos, o texto resulta em contradições e paradoxos.

02 – Você concorda com alguma dessas definições? Qual(is) e por quê?
      Resposta pessoal do aluno.

03 – No primeiro verso, o poeta diz que o “Amor é fogo que arde sem se ver”. Explique o porquê?
      Para o poeta o amor é como o fogo, forte, devastador, intenso. Mas por ser um sentimento, não o vemos, é algo interior, apenas sentimos.

04 – Explique o verso: “É um solitário andar por entre a gente”.
      Trata-se de mais um verso contraditório do poeta, que mesmo estando entre várias pessoas sente-se sozinho.

05 – De acordo com sua leitura e interpretação, como o autor entende o amor? Justifique sua resposta com passagens o texto.

      Resposta pessoal do aluno.

06 – Que tipo de amor o poeta está cantando, amor físico ou idealizado?
      Amor idealizado.

07 – O que vem a ser amor idealizado?
      É um amor muito planejado pela pessoa, na maioria das vezes todo perfeitinho, e que geralmente está longe de ser um amor real.

08 – O texto se apresenta em que gênero?
      Apresenta no gênero lírico.   

09 – Analise as afirmativas a seguir:
I – O poema explora o recurso da conotação. 
II – É possível perceber a intertextualidade no texto. 
III – Esse poema retrata uma época específica.
        É correto o que se afirma em:
a) apenas I.
b) apenas II.
c) apenas I e II.
d) apenas I e III.
e) apenas II e III.

10 – De acordo com o poema, qual é a palavra que inicia e termina o poema?
      A palavra é Amor.

11 – No verso: “É ferida que dói e não se sente”, qual é a parte que representa:
·        Exteriormente: “É ferida que dói.”
·        Interiormente: “E não se sente”.

12 – Como é formado este poema?
      É formado por dois quartetos e dois tercetos.

13 – Qual é o tipo de linguagem utilizado no poema?
      Linguagem antítese.

14 – Quanto a sua forma, o poema de Luís Vaz de Camões, é:
a)   Um soneto.
b)   Uma elegia.
c)   Um madrigal.
d)   Uma écloga.
e)   Uma ode.





12 comentários:

  1. Gostei dessa interpretação. Bem clara e objetiva para os alunos.

    ResponderExcluir
  2. Quais figuras de linguagem e usada ?
    E quais são significados delas?

    ResponderExcluir
  3. Quais são as figuras de linguagem utilizadas no texto?

    ResponderExcluir
  4. Quais são as figuras de linguagem utilizadas no texto?

    ResponderExcluir
  5. Quais palavras do texto não expressam sentido literal ( sentido real)

    ResponderExcluir
  6. Como é formado este poema (quantos quartetos e quantos tercetos)? *

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A estrutura do poema chama-se Soneto e ele é composto por dois quartetos e dois tercetos, isto é, duas estrofes de quatro versos e duas estrofes de três versos, totalizando quatorzes versos, formados por versos decassíbos, isto é, dez sílabas poéticas, chamada de medida nova.

      Excluir