domingo, 27 de maio de 2018

POEMA: MINHA TERRA - MANUEL BANDEIRA - COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO



Poema: Minha terra
                
                    Manuel Bandeira

Saí menino de minha terra.
Passei trinta anos longe dela.
De vez em quando me diziam:                                                        
Sua terra está completamente mudada,
Tem avenidas, arranha-céus...                                           
É hoje uma bonita cidade!


Meu coração ficava pequenino.

Revi afinal o meu Recife.
Está de fato completamente mudado.
Tem avenidas, arranha-céus.
É hoje uma bonita cidade.

Diabo leve quem pôs bonita a minha terra!

In: Estrela da Vida Inteira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986.

Entendendo o poema:

01 – O poema se estrutura em quatro estrofes. Identifique a ideia expressa pelo eu poético em cada uma delas, numerando conforme orientação:
1. Primeira estrofe.                    
2. Segunda estrofe.                   
3. Terceira estrofe.             
4. Quarta estrofe.        
(4) Desabafo diante da comprovação.
(1) Distanciamento da terra natal.
(2) Angústia em função do que lhe diziam.
(3) Constatação da transformação do Recife.


02 – O autor utilizou diversificados termos para a referência a sua terra natal, tema do poema, o que assegura a progressão das ideias de forma coerente e coesa.  Identifique-as:
      Estes são os termos que retomam a terra natal do autor: dela, sua terra, uma bonita cidade, o meu Recife, uma bonita cidade, a minha terra.
                                                                                                                                                                  


Nenhum comentário:

Postar um comentário