quarta-feira, 23 de agosto de 2017

POEMA: CÂNTICO DO CALVÁRIO - FAGUNDES VARELA - COM INTERPRETAÇÃO E GABARITO

 POEMA:CÂNTICO DO CALVÁRIO

Eras na vida a pomba predileta
Que sobre um mar de angústias conduzia
O ramo da esperança. – Eras a estrela
Que entre as névoas do inverno cintilava
Apontando o caminho ao pegureiro.
Eras a messe de um dourado estio.
Eras o idílio de um amor sublime.
Eras a glória, -- a inspiração, -- a pátria,
O porvir de teu pai! – Ah! no entanto,
Pomba, -- varou-se a flecha do destino!
Astro, -- engoliu-te o temporal do norte!
Teto, caíste! – Crença, já não vives!
(...)



Que belos sonhos! Que ilusões benditas!
Do cantor infeliz lançaste à vida,
Arco-íris de amor! Luz da aliança,
Calma e fulgente em meio da tormenta!
Do exílio escuro a cítara chorosa
Surgiu de novo e às virações errantes
Lançou dilúvios de harmonia! – O gozo
Ao pranto sucedeu. As férreas horas
Em desejos alados se mudaram.
Noites fugiam, madrugadas vinham,
Mas sepultado num prazer profundo
Não te deixava o berço descuidoso,
Nem de teu rosto meu olhar tirava,
Nem de outros sonhos que dos teus vivia!

Como eras lindo! Nas rosadas faces
Tinhas ainda o tépido vestígio
Dos beijos divinais, -- nos olhos langues
Brilhava o brando raio que acendera
A benção do Senhor quando o deixaste!
Sobre o teu corpo a chusma dos anjinhos,
Filhos do éter e da luz, voavam,
Riam-se alegres, das caçoilas níveas
Celeste aroma te vertendo ao corpo!
E eu dizia comigo: -- teu destino
Será mais belo que o cantar das fadas
Que dançam no arrebol, -- mais triunfante
Que o Sol nascente derrubando ao nada
Muralhas de negrume!... irás tão alto
Como o pássaro-rei do Novo Mundo!
(...)
                                              Fagundes Varela. In: Faccioli, V. e Olivieri, A. C.
                                                   Antologia de poesia brasileira. Romantismo.
                                                                                         São Paulo, Ática, 1985.

1 – Você percebeu que os versos do poema são totalmente irregulares, sem rima? Que nome se dá a versos assim?
      Versos brancos.

2 – O “eu-lírico” dirige-se a uma segunda pessoa (o filho). Geralmente se usa, no texto, uma figura de linguagem que o define. Qual é? Exemplifique.
      A metáfora. Exemplos: “Eras na vida a pomba predileta”; “Eras o idílio de um amor sublime”.

3 – O poema é feito, basicamente, de momentos de enlevo de um pai diante do filho recém-nascido. São momentos de expressão de felicidade. Descreva um trecho do poema que não se enquadra nessa análise.
      “Pomba, -- varou-te a flecha do destino! / Astro, -- engoliu-te o temporal do norte! / Teto, caíste! – crença, já não vives!”

4 – Extraia, da última estrofe transcrita, exemplos de uma postura romântica. Explique-a.
      “E eu dizia comigo: -- teu destino / Será mais belo que o cantar das fadas / Que dançam no arrebol, -- mais triunfante / Que o Sol nascente derrubando ao nada / Muralhas de negrume! ... irás tão alto / Como o pássaro-rei do Novo Mundo!”
      O “eu-lírico” sonha com um destino condoreiro para seu filho.


Nenhum comentário:

Postar um comentário