quinta-feira, 24 de agosto de 2017

ROMANTISMO - EXERCÍCIOS- TESTES DE VESTIBULARES/ENEM -III- COM GABARITO

ROMANTISMO - EXERCÍCIOS- TESTES DE VESTIBULARES/ENEM 

(PUC-SP) Instruções: As questões de números 01 e 02 referem-se ao texto abaixo:

          Há anos raiou no céu fluminense uma nova estrela.
          Desde o momento de sua ascensão ninguém lhe disputou o cetro; foi proclamada a rainha dos salões.
          Tornou-se a deusa dos bailes; a musa dos poetas e o ídolo dos noivos em disponibilidade.
          Era rica e formosa.
          Duas opulências, que se realçam como a flor em vaso de alabastro; dois esplendores que se refletem, como o raio de sol no prisma do diamante.
          Quem não se recorda de Aurélia Camargo, que atravessou o firmamento da corte como brilhante meteoro, e apagou-se de repente no meio do deslumbramento que produzira o seu fulgor?
                                                                                      José de Alencar – Senhora.

01 – Afirma o texto acima que Aurélia era rica e formosa. Considerando o romance como um todo, sabemos que a personagem referida nem sempre foi rica, apesar de formosa. Preterida num primeiro momento por Fernando Seixas, grande amor de sua vida, mas contumaz caça-dote, Aurélia acaba se casando com ele.
Pergunta-se:
a)     Qual a forma que Aurélia encontrou para consumar esta união?
A forma que Aurélia encontrou foi a de “comprar” o marido.
b)    Como o conflito amoroso se resolve nesta narrativa?
O conflito se resolve graças à quitação da dívida de Seixas para com Aurélia.

02 – As narrativas românticas objetivam a realização do sentimento amoroso pelo casamento. Todas as ações concorrem para o desfecho feliz. Quando isso não ocorre, temos a tragédia passional, marcada pelo inconformismo de viver longe da pessoa amada. Diante disso:
a)     Indique, das obras abaixo, aquela em que a realização amorosa não se dá: A Moreninha / Cinco Minutos / Inocência / A escrava Isaura / Senhora.
Em Inocência.

b)    Justifique sua resposta.
Nesse romance, a protagonista Inocência morre no fim.

03 – (PUCCAMP-SP) Um juízo crítico que define o estilo de uma das linhas mestras da poesia de Castro Alves é:
a)     “Notemos que esse poeta sem requinte foi, do grupo em estudo, o mais preocupado com a experimentação métrica, revelando o senso exato da adequação do ritmo à psicologia.”
b)    “Da presença da história decorre um compromisso com a eloquência: a poesia, como força histórica, se aproxima automaticamente do discurso, incorporando a ênfase oratória à sua magia, que se restringe por isso mesmo ante esta invasão imperiosa.”
c)     “Os seus momentos mais felizes estão nalgumas redondilhas delicadas ou em composições de voo amplo, lançadas no declive da reflexão e da meditação.”
d)    “Quando amplia o âmbito de visão, é ainda matizando de moderada beleza os aspectos ordinariamente exaltantes da paisagem. O fato de essa natureza existir denota o caráter concreto de sua poesia, que, apesar de intensamente subjetiva, se alia à realidade de uma paisagem despojada de qualquer hipertrofia, em benefício da atmosfera tênue dos tons menores.”
e)     “Esta tendência para volatilizar e nebulizar a paisagem completa-se por outra, de aproximá-la da vida pelo mesmo sistema de imagens.

04 – (USF-SP) Observe as seguintes proposições, a respeito do Romantismo no Brasil:
I – José de Alencar procurou documentar a realidade nacional dentro de uma visão crítica que antecipa a postura dos primeiros modernistas.
II – Memórias de um sargento de milícias é um romance que, por focalizar uma época próxima e por ter um anti-herói como personagem central, antecipa características do Realismo.
III – Os romances de Joaquim Manuel de Macedo narram histórias fáceis, típicas do gosto romântico-burguês de sua época.
Pode-se afirmar que:
a)     As proposições I, II e III estão corretas.
b)    Somente as proposições I e II estão corretas.
c)     Somente as proposições II e III estão corretas.
d)    Somente a proposição II está correta.
e)     Somente a proposição III está correta.

05 – (PUCCAMP-SP) Sobre José de Alencar, é correto afirmar-se que:
   a)     Fixou um dos mais caros modelos da sensibilidade brasileira, o do índio ideal, principalmente pelo fato de ter focalizado o indígena sempre em seu habitat, Longe do contato com outras raças, como em O guarani e Iracema.
   b)    Foi sensível ao drama vivido pelo homem numa sociedade burguesa – a necessidade de obter dinheiro e a de preservar a integridade da vida do espírito – e deu a esse conflito o tratamento que determinou sua ruptura definitiva com o idealismo do escritor romântico, como se vê em Lucíola e em Senhora.
c)     Fez-se presente nos três tipos em que se manifestou a ficção da época – determinados pelo espaço em que se desenvolve a narrativa: cidade, campo, selva –, de que são exemplos Lucíola, O sertanejo e Iracema.
d)    Dotou os protagonistas, nos romances heroicos (O sertanejo, O guarani), de características ideais, mas, subordinando-os aos acontecimentos da vida corrente, obrigou-os a cometerem atos degradantes.
e)     Foge, num aspecto, do que era uma tendência da ficção romântica, o interesse pelo passado, quer do indivíduo, quer da nação, pois voltou-se apenas para a observação da realidade contemporânea, como em Lucíola e Senhora.

06 – (FAFEOD-MG) Quanto ao ritmo utilizado por Gonçalves Dias, no poema I-Juca Pirama, observa-se:
a)     Predominância de versos de redondilha maior.
b)    Uso sistemático do verso decassílabo.
c)     Predominância de um rígido esquema rímico.
d)    Combinação expressiva de vários tipos de metro.
e)     Uso sistemático do verso alexandrino.

07 – (UEL-PR) Assinale a alternativa que completa adequadamente a asserção: O Romantismo, graças à ideologia dominante e a um complexo conteúdo artístico, social e político, caracteriza-se como uma época propícia ao aparecimento de naturezas humanas marcadas por:
a)     Teocentrismo, hipersensibilidade, alegria, otimismo e crença.
b)    Etnocentrismo, insensibilidade, descontração, otimismo e crença na sociedade.
c)     Egocentrismo, hipersensibilidade, melancolia, pessimismo, angústia e desespero.
d)    Teocentrismo, insensibilidade, descontração, angústia e desesperança.
e)     Egocentrismo, hipersensibilidade, alegria, descontração e crença no futuro.

08 – (UNICAMP-SP):
        “A moça trazia nessa ocasião um roupão de cetim verde cerrado à cintura por um cordão de fios de ouro. Era o mesmo da noite do casamento, e que desde então ela nunca mais usara. Por uma espécie de   superstição lembrara-se de vesti-lo de novo, nessa hora na qual, a crer em seus pressentimentos, iam decidir-se afinal o seu destino e a sua vida. (...)
        Ergueu-se então, e tirou da gaveta uma chave atravessou a câmara nupcial (...) e abriu afoitamente aquela porta que havia fechado onze meses antes, num ímpeto de indignação e horror.”
No trecho citado, extraído do capítulo final do romance Senhora, de José de Alencar, o narrador faz referência a uma outra cena, passada no mesmo lugar, muito importante para o desenrolar do enredo. Pergunta-se:

a)     Que personagens protagonizam as duas cenas e qual a relação entre essas personagens no romance?
Aurélia Camargo e Fernando Seixas. São dois jovens que se amam. Noivos, a princípio, Seixas rompe com Aurélia para se casar com Adelaide, moça rica que poderia saldar suas dívidas.

b)    O que aconteceu na primeira vez em que essas personagens se encontraram na câmara nupcial?
Na primeira vez que se encontram na câmara nupcial, Aurélia revela a Seixas a verdade sobre o casamento arranjado por eu tio e tutor, Lemos: “eu, uma mulher traída: o senhor, um homem vendido”.

c)     Como a cena descrita no trecho citado relaciona-se com a outra, referida pelo narrador, no interior do romance?
A cena apresentada relaciona-se com a outra por retomar o que aconteceu no início do casamento: o mesmo ambiente, os mesmos objetos, as mesmas vestimentas, etc. Como se fosse um flashback.

09 – (VUNESP-SP) Costuma-se dizer que as obras inauguradoras do Romantismo em Portugal e no Brasil foram, respectivamente:
a)     O poema Camões e o Guarani.
b)    O primo Basílio e Suspiros poéticos e saudades.
c)     O poema Camões e Suspiros poéticos e saudades.
d)    Folhas caídas e Iracema.
e)     A Moreninha e A escrava Isaura.




10 – (PUC-RS):
        Já de morte o palor me cobre o rosto
        Nos lábios meus o alento desfalece.
        Surda agonia o coração fenece
        E devora meu ser mortal desgosto!
        Do leito embalde no macio encosto
        Tento o sono reter! ... Já esmorece
        O corpo exausto que o repouso esquece...
        Eis o estado em que a mágoa me tem posto!






A relação mórbida com a morte demonstra que parte da poesia de Álvares de Azevedo prende-se ao:
a)     Idealismo amoroso.
b)    Saudosismo inconformado.
c)     Misticismo religioso.
d)    Negativismo filosófico.
e)     Mal-do-século.

11 – (PUC-SP):
        Sou como a pomba e como as vozes dela
        É triste o meu cantar;
        --- Flor dos trópicos – cá na Europa fria
        Eu definho chorando noite e dia
        Saudades do meu lar.
A estrofe acima salienta uma das linhas da reduzida temática da poesia de Casimiro de Abreu que é a:
a)     Vida familiar.
b)    Paisagem nativa.
c)     Saudade da pátria.
d)    Ternura sonhadora.
e)     Timidez amorosa.

12 – (FGV-SP) Em Iracema, Alencar mostra o encontro do branco com o mundo dos indígenas. A primeira vez que o português Martim vê Iracema, ela está saindo do banho, completamente nua.
a)     Qual a reação imediata de Iracema ao ver Martim?
Deu-lhe uma flechada no rosto.
b)    E depois, que faz ela?
Correu para Martim, arrependida do que fizera. Eles conversaram, e ela deu-lhe as boas-vindas aos campos tabajaras.
13 – (UFU-MG) Sobre o movimento romântico brasileiro, é incorreto afirmar que:
a)     Gonçalves Dias foi um dos fundadores da revista Guanabara que, juntamente com Niterói, teve papel importante na divulgação e consolidação das primeiras manifestações românticas no Brasil.
b)    Em termos de história da literatura brasileira, poemas como Os timbiras e romances como Iracema são obras pioneiras quanto ao fato de abordarem o índio como figura temática.
c)     As Sextilhas de frei Antão, de Gonçalves Dias, retomam a temática medieval, inserindo-se numa das vertentes do movimento romântico.
d)    Em relação ao Arcadismo, a produção poética romântica é marcada por maior liberdade rítmica, como se nota em I-Juca Pirama, de Gonçalves Dias.
e)     O gênero épico, anteriormente trabalhado por Basílio da Gama e Santa Rita Durão, sobrevive no Romantismo fortemente associado ao sentimento nacionalista.

14 – (UFMG) Leia a afirmativa a seguir, em que José de Alencar critica a visão dos cronistas europeus sobre os indígenas.
        “Os historiadores, cronistas e viajantes da primeira época, se não de todo o período colonial, devem ser lidos à luz de uma crítica severa. (...) Homens cultos, filhos de uma sociedade velha e curtida por longo trato de séculos, queriam esse forasteiros achar nos indígenas de um mundo novo e segregado da civilização universal uma perfeita conformidade de ideias e costumes.”
Apesar de sua visão, Alencar, e, Iracema, adora a mesma atitude, quando:
a)     Apresenta metaforicamente o índio como representante do homem brasileiro.
b)    Atribui às personagens indígenas um comportamento baseado em códigos europeus.
c)     Recupera, para a literatura, a memória da fauna, da flora e da toponímia indígenas.
d)    Tenta ser fiel ao espírito da língua indígena na composição das imagens.

15 – (UFMG) Todas as alternativas apresentam trechos do romance Iracema, de José de Alencar. Assinale aquela em que a relação harmônica entre homem e natureza determina a construção da imagem.
a)     A alvorada abriu o dia e os olhos do guerreiro branco.
b)    Além, muito além daquela serra, que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema
c)     Os guerreiros tabajaras, acorridos à taba, esperavam o inimigo...
d)    Verdes mares bravios de minha terra natal, onde canta a jandaia...

16 – (UFV) Leia o fragmento abaixo e faça o que se pede:
Morrer... quando este mundo é um paraíso,
 E a alma um cisne de douradas plumas:
Não! o seio da amante é um lago virgem...
Quero boiar à tonadas espumas.
Vem! formosa mulher – camélia pálida,
 Que banharam de pranto as alvoradas.
 Minh’alma é a borboleta, que espaneja
 O pó das asas lúcidas, douradas...

                                             Alves, Castro. Poesias completas de Castro Alves.
                                                       17. ed. Rio de Janeiro, Ediouro, 1995. p. 23.

Assinale a alternativa que não corresponde a uma leitura correta do texto:
a)     A descrição da mulher, no texto castroalvino, confirma o modelo idealizado da heroica romântica.
b)    O fragmento reflete uma atitude introspectiva do homem romântico e suas dúvidas existenciais.
c)     A poesia amorosa de Castro Alves manifesta-se através de um sensualismo mais ousado.
d)    A produção lírica do poeta baiano retrata o elemento feminino sob uma perspectiva mais grotesca e vulgar.
e)     O poema expressa uma ideia de morte que se distancia da visão melancólica da poética do “mal-do-século”.

17 – (CEFET-MG) Todos os textos abaixo – trechos de Lucíola, de José de Alencar – apresentam características de Romantismo, exceto:
a)     Ainda quando soubesse que morreria nos seus braços... Que morte mais doce podia eu desejar!
b)    A corte tem mil seduções que arrebatam um provinciano aos seus hábitos, e o atordoam e preocupam tanto, que só ao cabo de algum tempo o restituem à posse de si mesmo e ao livre uso de sua pessoa.
c)     O sorriso – em que ela envolveu estas palavras, caiu, se me posso assim exprimir, como a dobra de uma mortalha, tal foi a súbita lividez que lhe cobriu o rosto, e o desânimo que abateu o seu corpo.
d)    Lúcia morreu tísica; quando veio o médico passar o atestado, troquei os nossos nomes. Meu pai leu no jornal o óbito de sua filha; e muitas vezes o encontrei junto dessa sepultura. Morri pois para o mundo e para minha família. Meus pais choravam sua filha morta, mas já não se envergonhavam de sua filha prostituída.
e)     Sentamo-nos sobre a relva coberta de flores e à borda de um pequeno tanque natural, cujas águas límpidas espelhavam a doce serenidade do céu azul. Lúcia tirou do bolso o seu crochê e o novelo de torçal, e continuou uma gravata que estava fazendo para mim. Enquanto ela trabalha, eu arrancava as flores silvestres para enfeitar-lhe os cabelos; ou arrastava-me pela relva para beijar-lhe a ponta da boina que aparecia sob a orla do vestido.


Nenhum comentário:

Postar um comentário