terça-feira, 29 de agosto de 2017

REALISMO - QUESTÕES DE VESTIBULARES - COM GABARITO


REALISMO - QUESTÕES DE VESTIBULARES

01 – (FUVEST) Ao criticar O Primo Basílio, Machado de Assis afirmou: “(...) a Luísa é um caráter negativo, e no meio da ação ideada pelo autor, é antes um títere que uma pessoa moral”.
        Títere é um boneco mecânico, acionado por cordéis controlados por um manipulador. Nesse sentido, as personagens que, principalmente, manipulam Luísa, determinando-lhe o modo de agir, são:
a)     Basílio e Juliana.
     b)    Jorge e Justina.
     c)    Jorge, Conselheiro Acácio e Juliana.
    d)    Basílio, Conselheiro Acácio e Leopoldina.
    e)     Jorge e Leopoldina.

02 – (UFOP-MG) Observe as afirmações abaixo e assinale as alternativas corretas:
I – O Realismo teve sua origem na França e foi apenas uma renovação no campo literário.
II – O escritor realista deve estudar o interior dos indivíduos, interroga-los, analisar o meio e depois transcrever suas observações procurando ser, rigorosamente, impessoal.
III – Para o escritor realista o que importa é o que está fora de nós, o objeto captado pelos sentidos.
IV – O Realismo é uma obra de ataque à mentalidade burguesa, à ordem social, clerical e monárquica.
A sequência que contém somente afirmativas corretas é:
a)     I e II estão corretas.
b)    Somente IV está correta.
c)     II, III e IV estão corretas.
d)    Todas estão corretas.
e)     N.D.A.

03 – (USF-SP) Pode-se entender o Naturalismo como uma particularização do Realismo que:
a)     Se volta para a Natureza a fim de analisar-lhes os processos cíclicos de renovação.
b)    Pretende expressar com naturalidade a vida simples dos homens rústicos nas comunidades primitivas.
c)     Defende a arte pela arte, isto é, desvinculada de compromissos com a realidade social.
d)    Analisa as perversões sexuais, condenando-as em nome da moral religiosa.
e)     Estabelece um só de causa e efeito entre alguns fatores sociológicos e biológicos e a conduta dos personagens.

04 – (FEI-SP):
         Uma literatura se preocupa com os aspectos sociológicos da obra e faz um romance de tese documental, e outra se preocupa o os aspectos patológicos da obras e faz um romance de tese experimental. Aponte respectivamente, o nome dessas estéticas (escolas literárias).
     Realismo e Naturalismo.

05 – (FUVEST):
         A minha ambição seria pintar a sociedade portuguesa, e mostrar-lhe, como num espelho, que triste país eles formam – eles e elas. É o meu fim nas Cenas portuguesas. (Trecho da carta de Eça de Queiroz a Teófilo Braga, com data de 12/3/1878). Quais os romances que foram as Cenas Portuguesas? Que aspectos e camadas da sociedade eles analisam, respectivamente?
      O Crime do Padre Amaro, O Primo Basílio, Os Maias. Analisam a pequena e média burguesia de Lisboa, bem como as influências do clero.

06 – (ENC-SP):
         O crime do padre Amaro pertence à fase dita realista de seu autor, Eça de Queiros. É reconhecido, também, como um romance de tese – tipo de narrativa em que se demonstra uma ideia em geral com intenção crítica e reformadora. Tendo em vista essas determinações gerais, é correto afirmar que, nesse romance:
a)     O foco expressivo se concentra na inferioridade subjetiva das personagens, que se dão a conhecer por suas ideias e sentidos e não por suas falas ou ações.
b)    As personagens se afastam de caracterizações típicas, tornando-se psicologicamente mais complexas e individualizadas.
c)     O interesse pelas relações entre o homem e o meio amplia o espaço e as funções das descrições, tornadas mais minuciosas e significativas.
d)    A personagem Padre Amaro incorpora a tese da herança psicossomática.
e)     A beatitude do Padre Amaro levou Amélia até as últimas consequências.

07 – (ENC-SP):
                          TORMENTO DO IDEAL
     Conheci a Beleza que não morre
     E fiquei triste. Como quem da serra
     Mais alta que haja, olhando aos pés a terra
     E o mar, vê tudo, a maior nau ou torre,
     Minguar, fundir-se, sob a luz que jorre:
     Assim eu vi o Mundo e o que ele encerra
     Perder a cor, bem como a nuvem que erra
     Ao pôr do sol e sobre o mar discorre.
     Pedindo a forma, em vão, a ideia pura,
     Tropeço em sombras na matéria dura,
     E encontro a imperfeição de quanto existe.
     Recebi o batismo dos poetas,
     E, assentado entre as formas incompletas,
     Para sempre fiquei pálido e triste.

        Esse soneto é de Antero de Quental. As afirmações abaixo refere-se ao verso “Recebi o batismo dos poetas” que exprime:

I – Evidente postura religiosa assumida por Antero de Quental, que lhe permite ver a Beleza como se fosse uma autêntica alegria de Deus.
II – A convicção de que o poeta é falado a contemplar a Beleza, o que tem como consequência a sensação de imperfeição do mundo e o sentimento de melancolia.
III – A ideia de que a contemplação da Beleza depende exclusivamente de sua vontade e de sua razão, conforme ditavam os princípios do realismo oitocentista.
        É correto o que se afirma em:
a)     III, apenas.
b)    II, apenas.
c)     I, II e III.
d)    I e II, apenas.
e)     II e III, apenas.

08– (ENC-SP):
         NUM BAIRRO MODERNO
         Dez horas da manhã; os transparentes
         Matizam uma casa apalaçada;
         Pelos jardins estancam-se os nascentes,
         E fere a vista, com brancuras quentes,
         A larga rua macadamizada.
         Rez-de-chaussée repousam sossegados,
         Abriram-se, nalguns, as persianas,
         E dum ou doutro, em quartos estucados,
         Ou entre a rama dos papéis pintados,
         Reluzem, num almoço, as porcelanas.
         Como é saudável ter o seu conchego.
         E sua vida fácil! eu descia,
         Sem muita pressa, para o meu emprego,
         Aonde agora quase sempre chego
        Com as tonturas duma apoplexia.
        (...)

        A leitura dessas estrofes de Cesário Verde permite a seguinte análise:
a)     A postura aí assumida é eminentemente expressionista, na medida em que esse poeta deforma o real, seguindo os pressupostos do ideário naturalista.
b)    A subjetividade do “eu lírico” é permeada por profunda emoção – um resquício da estética romântica que entra em condição com o ideário realista que o poeta abraçou.
c)     Na abordagem do real, o “eu lírico” comporta-se como um observador frio e impessoal das pessoas e das coisas, conforme determinavam os postulados do Realismo.
d)    A subjetividade desse poeta emana diretamente da observação do real, que lhe ativa as sensações, levando-o a promover juízos de valor
e)     A objetividade desse poeta é fotográfica, por isso mesmo altamente comprometida com o ideário positivista em voga no tempo.

09 – (UFMT) Sobre a nudez forte da verdade – o manto diáfano da fantasia, epigrafe do romance A Relíquia, de Eça de Queiros, explicita uma crítica:
a)     À hipocrisia religiosa e ao falseamento dos princípios do Cristianismo, percebidos por Teodorico Raposo na peregrinação que empreende até a Terra Santa.
b)    À hipocrisia religiosa, com a menção da venda de relíquias, sobretudo a coroa de espinho de Cristo, que Teodorico Raposo encontra na Terra Santa e com que presenteia sua tia beata.
c)     Aos preconceitos religiosos, através dos pressupostos do Naturalismo, expostos pelo sábio Topsius à personagem principal, Teodorico Raposo.
d)    Aos princípios estéticos do Romantismo que, ao valorizarem a ideia de fuga da realidade, levavam o homem às alienação.
e)     À hipocrisia religiosa, presente na sociedade oitocentista portuguesa, por meio da incursão pelo mundo dos sonhos, que simbolicamente acontece durante a peregrinação do Teodorico Raposo pela Terra Santa.

10 – (UFPA) Com referência ao romance O Crime do Padre Amaro, de Eça de Queiros, a única afirmação incorreta é:
a)     Influenciado pelas teorias do Naturalismo, o autor procura demonstrar que o meio social e a educação religiosa é que determinam o comportamento do indivíduo.
b)    Influenciado pelas teorias no Naturalismo, Eça de Queiros procura demonstrar que os antecedentes de raça e as taras sexuais é que determinam o comportamento de Amaro e Amélia.
c)     Adotando os pressupostos da estética realista, o autor critica os efeitos nocivos da arte romântica sobre o caráter de Amélia.
d)    Tendo por base uma consciência crítica, tipicamente realista, o escritor defende a ideia de que a moral católica, fundada somente em dogmas, opõe-se em tudo à moral natural.
e)     Tendo por base uma orientação tipicamente realista, o escritor critica o domínio que os padres, por meio de sacramentos como a confissão, exercem sobre os fiéis.

11 – (UNIVERSITÁRIO-SP) Leia atentamente o seguinte trecho, extraído de O Primo Basílio, de Eça de Queirós:
        Nessa semana, uma manhã, Jorge que não se recordava que era dia de gala, encontrou fechada e voltou para casa ao meio-dia (...) chegando despercebido ao quarto, surpreendeu Juliana comodamente deitada na chaise-longue, lendo tranquilamente o jornal, (...) Jorge não encontrou Luísa na sala de jantar, foi dar com ela no quarto dos engomados, despenteada, em roupão de manhã, passando roupa, muito aplicada e muito desconsolada.
        --- Tu estás a engomar? – exclamou.
        (...) A sua voz era tão áspera, que Luísa fez-se pálida, e murmurou:
        --- Que queres tu dizer?
        --- Quero dizer que te venho encontrar a ti a engomar, e que a encontrei a ela embaixo muito repimpada na tua cadeira, a ler o jornal.
        Chaise-longue: cadeira de encosto reclinável e com lugar para estender as pernas.
a)     No trecho citado são mencionadas três personagens: Jorge, Juliana e Luísa. Que relação há entre elas?
Jorge e Luísa formam um típico casal burguês. Juliana é a serviçal.
b)    Considerando o trecho citado acima e a resposta dada ao item a, explique por que Jorge considera inadequado o comportamento das duas mulheres.
Porque há inversão de papéis sociais: é a dama quem passa a servir a doméstica, e esta goza dos privilégios de senhora.
c)     Analise a trajetória de Luísa e Juliana no romance, de modo a explicar a situação em que se encontram no trecho citado.
Luísa, na ausência de Jorge, comete adultério com seu primo, Basílio. Juliana, ressentida pela sua condição social inferior, inicia uma onda de chantagens ao descobrir uma carta que poderia denunciar os amantes. Sem mais meios financeiros para atender às chantagens de Juliana, Luísa se submete aos afazeres domésticos no lugar da serviçal.

12 – (FUVEST) Cite um folheto a favor dos jovens realistas e um a favor dos românticos, e seus autores, durante a famosa Questão Coimbrã.
     Teocracias Literárias, de Teófilo Braga, a favor dos realistas. Camilo Castelo Branco é autor de Vaidades irritadas e irritantes, defendendo os românticos.

13 – (UFPE) Cite uma característica da fase realista de Eça de Queirós.
     Retrata a sociedade portuguesa oitocentista.

14 – (UFPE) Cite um romance e uma característica da fase pós-realista de Eça de Queirós.
     A cidade e as Serras – em defesa da vida no campo, em contato com a natureza.

15 – (UFPE) Qual o primeiro romance realista da literatura universal? E seu autor?
     Madame Bovary, de Gustave Flaubert.

16 – (UFPE) Qual o primeiro romance realista português? E seu autor?
     O Crime do Padre Amaro, de Eça de Queirós.

17 – (UFPE) “É nos Sonetos que encontramos o melhor conjunto da obra poética amadurecida de ___________. O poeta via na série completa dos sonetos, muitos deles desentranhados de outras coleções já publicadas, uma série de marcos da sua própria autobiografia espiritual”.
O texto refere-se a:
a)     Ramalho Ortigão.
b)    Cesário Verde.
c)     Antero de Quental.
d)    Eça de Queirós.
e)     Almeida Garrett.

18 – (FCCHAGAS-BA) Assinale a alternativa onde estão indicados os textos que analisam corretamente alguns aspectos do romance realista.
I – As personagens independem do julgamento do narrador, reagindo cada um de acordo com sua própria vontade e temperamento.
II – A linguagem é poeticamente elaborada nos diálogos, mas procura alcançar um tom coloquial, com traços de oralidade, nas partes narrativas e descritivas.
III – Observa-se o predomínio da razão e da observação sobre o sentimento e a imaginação.
a)     I, II e III.
b)    I e II.
c)     II e III.
d)    I e III.
e)     II.

19 – (UnB-DF) A chamada época do Realismo caracterizou-se, na literatura portuguesa:
a)     Pelo culto da literatura de caráter nacionalista e individualista.
b)    Pelo culto de uma literatura empenhada numa revolução política, social, moral e mental que superasse a decadência em que se precipitara Portugal.
c)     Pelo gosto da literatura inspirada no pitoresco da paisagem e dos portugueses.
d)    Pelo culto de uma literatura empenhada na defesa dos ideais que fizeram a revolução de 1820.

e)     Pelo culto de uma literatura que idealizasse a sociedade portuguesa, entregue a profunda religiosidade e nacionalismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário