sexta-feira, 3 de abril de 2015

5 FILMES - SINOPSE E ATIVIDADES PARA SALA DE AULA - I


 SINOPSE E ATIVIDADES PARA SALA DE AULA COM GABARITO

[...] trabalhar com o cinema em sala de aula é ajudar a escola a reencontrar a
cultura ao mesmo tempo cotidiana e elevada, pois o cinema é o campo no
qual a estética, o lazer, a ideologia e os valores sociais mais amplos são
sintetizados numa mesma obra de arte (NAPOLITANO, 2003, p.11).

01 - FILME: O PRESENTE


          Jason Stevens tinha um relacionamento muito simples com seu milionário avô, Howard Red Stevens. Ele o odiava. Sem conversas francas, sem momentos de carinho, apenas o dinheiro ligava os dois. Então Jason imaginava que quando seu avô faleceu tudo que lhe sobraria seria outra simples transação de dinheiro, que a fortuna de seu avô lhe permitiria continuar a ter o estilo de vida que ele acostumou-se a ter. Mas ele acaba descobrindo que, como parte de sua herança, seu avô lhe deixou doze tarefas, as quais ele chama de presentes, cada uma desafiando Jason de uma maneira improvável. Cumprindo as tarefas ele irá aprender a repensar sua vida e compreender qual é a relação entre riqueza e felicidade.

Conforme o filme assistido e a sinopse, responda as questões abaixo:

1) Jason recebeu 12 presentes e estes trouxeram melhorias para sua vida. Explique quais foram essas melhorias.
Todas as tarefas tiveram o objetivo de promoverem mudança comportamental em Jason, que aprendeu a repensar sua vida e compreender qual é a relação entre riqueza e felicidade.
Ele entende que os relacionamentos verdadeiros são mais importante que alguém possa alcançar e que as pessoas que ele conquistaria ao longo de sua vida e que valeriam mais que os bilhões que ele herdaria.

2) "só começa a viver mesmo quem já perdeu tudo"... "eu perdi tudo três ou quatro vezes; é o lugar perfeito pra começar."      
Essa é uma das falas do avô falecido de Jason. Reflita sobre ela e comente o que isso quer dizer.
(Resposta Pessoal)

3) Os doze presentes foram colocados abaixo aleatoriamente. Reescreva-os conforme forem mais importantes pra você. (do mais importante para o menos importante).

a) O presente do (a) (Resposta Pessoal)

Conhecimento            
Amigo                                          
Trabalho                                      
Dinheiro                                    
Gratidão                                      
Família                                        
Alegria                                      
Problemas                                 
Amor                                            
Dia perfeito                                
Doação                                        
Sonhos                                      

b) Agora, explique o porquê de sua escolha para o primeiro presente de sua lista e o último.(Resposta Pessoal)

4) O que o presente dos problemas pode causar numa vida?
Aprender a "perder tudo" e começar do zero. Este fato nos traz de volta algumas coisas que esquecemos ao longo da caminhada; e se chegamos lá um dia, chegaremos novamente, pois o caminho é o mesmo e nos temos o mapa.

5) Vendo como tudo termina na história do filme, o dinheiro realmente pode suprir todas as áreas da vida de uma pessoa? Justifique sua resposta.
Não, algumas coisas na vida só aprendemos vivendo e que também existem coisas que não tem preço, como por exemplo: a importância dos relacionamentos, as amizades.
            
6) Comente qual foi a maior lição que você pode tirar dessa história.
Ensinamento sobre os verdadeiros valores da vida.


02 - FILME:   Percy Jackson e o ladrão de Raios

Sinopse:
O arteiro Percy Jackson está encrencado na escola, mas esse nem de longe é seu maior desafio. Estamos no século 21, mas os deuses do Olimpo saem das páginas dos livros de mitologia grega de Percy e entram em sua vida. Ele descobre que seu pai verdadeiro é Poseidon, deus dos mares, o que significa que Percy é um semideus – metade humano, metade deus. Ao mesmo tempo, Zeus, rei de todos os deuses, acusa Percy de roubar seu raio, a primeira e verdadeira arma de destruição em massa.
Agora, Percy tem de se preparar para a maior aventura de sua vida, e os riscos não poderiam ser maiores.
Com nuvens de tempestade sinistras encobrindo o planeta e com sua vida ameaçada, Percy viaja até um enclave especial, um campo de treinamento para mestiços, onde aperfeiçoa seus recém-descobertos poderes para evitar uma guerra devastadora entre os deuses. É lá que ele conhece dois outros semideuses: a guerreira Annabeth, que procura sua mãe, a deusa Atena; e seu amigo de infância e protetor, Grover, um corajoso sátiro cujas habilidades ainda não foram testadas.
Grover e Annabeth unem-se a Percy numa incrível odisséia transcontinental, que os leva para 600 andares acima da cidade de Nova York (o portal para o Monte Olimpo) e para o famoso letreiro de Hollywood, sob o qual arde o fogo do Mundo dos Mortos.
O destino da humanidade depende do resultado dessa jornada, bem como a vida da mãe de Percy, Sally, que ele terá de resgatar das profundezas do submundo.

Responda as questões:

1)  Como vivia Percy Jackson antes de saber quem realmente era?

2) Quem era seu amigo de todas as horas?

3) Por que todos se preocupavam com ele? Para que tanta proteção?

4) Descreva com detalhes a reação que Percy teve ao se deparar com a Fúria.

5) Quais personagens se encontram logo no início da história e sobre o que falam?

6) Na mitologia grega, Como era chamado um filho nascido de um deus do Olimpo com um ser humano?

7) Quem era o pai de Percy Jackson e que poderes ele herdou de seu pai?

8) Quem era o ladrão de raios e porque aconteceu esse roubo?

9) Como a história se finaliza? Faça um breve resumo da parte final.

10) Comente o que achou da história e da produção do filme.


03 - FILME/ TEXTO: Fragmento de Memórias Póstumas de Brás Cubas

       Algum tempo hesitei se devia abrir estas memórias pelo princípio ou pelo fim, isto é, se poria em primeiro lugar o meu nascimento ou a minha morte. Suposto o uso vulgar seja começar pelo nascimento, duas considerações me levaram a adotar diferente método: a primeira é que eu não sou propriamente um autor defunto, mas um defunto autor, para quem a campa foi outro berço; a segunda é que o escrito ficaria assim mais galante e mais novo. Moisés, que também contou a sua morte, não a pôs no intróito, mas no cabo: diferença radical entre este livro e o Pentateuco. (Machado de Assis, in Memórias Póstumas de Brás Cubas)

1) Pode-se afirmar, com base nas idéias do autor-personagem, que se trata: 
a) de um texto jornalístico 
b) de um texto religioso 
c) de um texto científico 
d) de um texto autobiográfico 
e) de um texto teatral

2) Para o autor-personagem, é menos comum: 
a) começar um livro por seu nascimento. 
b) não começar um livro por seu nascimento, nem por sua morte. 
c) começar um livro por sua morte. 
d) não começar um livro por sua morte. 
e) começar um livro ao mesmo tempo pelo nascimento e pela morte.

3) Deduz-se do texto que o autor-personagem: 
a) está morrendo. 
b) já morreu. 
c) não quer morrer. 
d) não vai morrer. 
e) renasceu.

4) A semelhança entre o autor e Moisés é que ambos: 
a) escreveram livros. 
b) se preocupam com a vida e a morte. 
c) não foram compreendidos. 
d) valorizam a morte. 
e) falam sobre suas mortes.

5) A diferença capital entre o autor e Moisés é que:  
a) o autor fala da morte; Moisés, da vida. 
b) o livro do autor é de memórias; o de Moisés, religioso. 
c) o autor começa pelo nascimento; Moisés, pela morte. 
d) Moisés começa pelo nascimento; o autor, pela morte. 
e) o livro do autor é mais novo e galante do que o de Moisés.

6) Entende-se pelo texto que o Pentateuco: 
a) não fala da morte de Moisés. 
b) foi lido pelo autor do texto. 
c) foi escrito por Moisés. 
d) só fala da vida de Moisés. 
e) serviu de modelo ao autor do texto.

7) Autor defunto está para campa, assim como defunto autor para: 
a) intróito 
b) princípio 
c) cabo 
d) berço 
e) fim

8) Dizendo-se um defunto autor, o autor destaca seu (sua): 
a) conformismo diante da morte ; 
b) tristeza por se sentir morto 
c) resistência diante dos obstáculos trazidos pela nova situação 
d) otimismo quanto ao futuro literário 
e) atividade apesar de estar morto


04 -FILME: TEMPOS MODERNOS
Dicas e sugestões de atividades pedagógicas para o uso do filme em sala de aula.

Tempos Modernos
Ficha técnica do filme                                   Título original: Modern Times 
Gênero: Comédia                                            Duração: 1h27min 
Ano de lançamento: 1936        
Estúdio United Artists/Charles Chaplin Productions 
Distribuidora: United Artists         
Direção: Charles Chaplin 
Roteiro: Charles Chaplin            
Produção: Charles Chaplin 
Música: Charles Chaplin            
Fotografia: Ira H. Morgan e Roland Totheroh

Sinopse

Um clássico da sétima arte que aborda de forma cômica a mecanização da mão de obra, o capitalismo dos anos 30 e a desigualdade social.
A revolução industrial é retratada em um ambiente de uma fábrica com engrenagens gigantes que opera com processos de linha de montagem, baseado no modelo fordiano.
Há uma crítica à desigualdade social, em que ficam claramente explícitas as diferentes realidades da burguesia e do proletariado.
Ácido, porém engraçado, o filme é atemporal, profundo e confirma a genialidade de um dos maiores ícones do cinema mundial.

Crítica do filme

“O filme é repleto de informações e situações para serem analisadas. Porém, dadas as características técnicas (preto e branco e mudo), pode ser entediante para os alunos.
O melhor modo de assistir, em minha humilde opinião, é dividindo em duas etapas. A primeira visando a análise do modelo de trabalho proposto da época da revolução industrial, com a mecanização que promoveu o desemprego, a grande depressão vivida nos EUA, os movimentos sociais dos trabalhadores e em um segundo momento a crítica à desigualdade social.”

Sugestões pedagógicas

1) Contextualização.
Para a perfeita compreensão do filme, é necessário contextualizá-lo com os alunos. Época da filmagem X contexto social X condições técnicas de filmagem. 

2) Depressão econômica de 1929.
O filme mostra a vida urbana dos Estados Unidos após a grande depressão econômica de 1929. É possível abordar as consequências sociais que tal crise provocou: desemprego, fome, aumento dos índices de violência.

3) Impacto da revolução industrial.
É possível retratar o impacto da revolução industrial com seus processos mecânicos que otimizaram a produção e os lucros, mas promoveram igualmente o desemprego.
Enfoque a cena em que Chaplin fica parafusando as coisas, mesmo em horário de descanso e quando "parafusa" os botões da saia da secretária, e a cena antológica em que ele é "engolido" pelas engrenagens da fábrica.

4) Substituição homem x máquina.
Questione os seus alunos se esta substituição do homem pela máquina ainda acontece nos dias atuais e como isso acontece.

5) A Televisão.
Em alguns momentos, o diretor da empresa se comunica por uma tela de TV. Converse com seus alunos sobre esse tipo de liderança e também faça um link com a apologia à TV (leia-se consumo) que os jovens e crianças vivem todos os dias.

6) A Tecnologia.
Uma temática bem atual, as tecnologias contemporâneas, pode ser abordada por meio da análise da máquina de refeições. Coisas simples devem ser substituídas por recursos tecnológicos? Onde a tecnologia é necessária?
Exemplo: em uma sala de escritório trabalham 10 funcionários. Eles usam o MSN para convidarem uns aos outros para tomar um cafezinho... Não seria mais fácil falar com o colega ou ir até a mesa dele?

7) Movimentos sociais.
Promova uma análise dos movimentos sociais dos trabalhadores como greves e passeatas. Analise com os alunos a prisão injusta de Chaplin por estar apenas segurando a bandeira do manifesto. Como estes movimentos sociais são vistos pela sociedade contemporânea?
8) Questionamento.
Questione seu grupo: por que Chaplin insiste em voltar para cadeia?

9) Ideia de prosperidade.
Depois que encontra a jovem órfã, a vida do personagem ganha novo sentido. Qual a ideia de prosperidade que ele manifesta?

10) Diferenças sociais.
O emprego de Chaplin na loja de departamentos mostra claramente as diferenças sociais. Converse com seus alunos sobre como isso é mostrado e que outras situações do filme também abordam a mesma temática.


05  - EXERCÍCIO DE LITERATURA SOBRE A OBRA/FILME:  O PRIMO BASÍLIO

1.Sobre a obra O primo Basílio, todas estão incorretas, exceto:
(A). Basílio e Luisa, personagens de O primo Basílio. Aquele se assemelha às personagens dos romances românticos, esta mais realista, forte e dominadora de qualquer situação.
(B). Jorge, marido traído, não conseguiu perdoar Luíza. Via na morte dela o resgate da sua reputação.
(C). Luísa, mulher romântica, deixou-se seduzir por Basílio, pois acreditou que eles viveriam um grande amor e seriam felizes.
(D). Os amigos do casal Jorge e Luísa eram pessoas que agiam por interesses, falsas, mas foram desmascaradas no final da obra.

2.Sobre a obra de Eça de Queiroz, O primo Basílio, destaque a alternativa incorreta.
(A). a obra não “romantiza” a paixão de Luísa por Basílio; ao contrário, o tom irônico do narrador é claramente perceptível o tempo todo. 
(B). No final, o cinismo de Basílio se revela plenamente, quando, ao saber da morte da prima Luísa, lamenta apenas a perda de uma mulher que seria um bom passatempo quando ele estivesse em Lisboa
(C). Critica o romantismo que enche a cabeça de Luísa de futilidades e devaneios, tirando-a da realidade e jogando-a nos braços do primeiro sedutor que aprece à sua frente, assim que se vê sozinha.
(D). Juliana não vivia a espreitar Luísa, mas recolhe uns rascunhos e guarda. Depois, consegue pegar duas cartas de Basílio para Luísa. Pura coincidência. Depois da posse dessas provas do adultério, vem a ideia de chantagear Luísa, exigindo dinheiro para ficar quieta.

3. No início do romance, Jorge assume uma posição bem clara com relação à mulher adúltera. Explique qual era essa posição e em que circunstância ele expressou sua opinião. Depois, considerando o final do romance, explique se o seu comportamento foi coerente com essa opinião inicial.
Do ponto de vista moral é um conservador, o que aparece muito bem na sua atitude de defender a morte para as esposas em caso de adultério, no início do livro. No fundo não passa de um fraco acomodado: quando se trata de ele mesmo colocar em prática suas atitudes enérgicas, ao descobrir o adultério de Luísa, treme e acaba mudando de opinião.

4. Para os escritores realistas, a literatura devia ser um estudo do ser humano e da sociedade, um estudo baseado na observação da realidade, sem a interferência dos sentimentos e das emoções. Por meio de seus romances, os escritores queriam defender uma tese, demonstrar uma hipótese. Com base na obra O primo Basílio, explique a tese do autor a respeito do casamento burguês.

Profundamente realista em suas premissas, a obra não “romantiza” a paixão de Luísa por Basílio; ao contrário, o tom irônico do narrador é claramente perceptível o tempo todo. No final, o cinismo de Basílio se revela plenamente, quando, ao saber da morte da prima Luísa, lamenta apenas a perda de uma mulher que seria um bom passatempo quando ele estivesse em Lisboa...
A obra enfoca um lar burguês aparentemente feliz e perfeito, mas com bases falsas e igualmente podres.


5.Comente sobre a atualidade da obra. A história de Luísa poderia ocorrer nos dias de hoje?
Resposta  pessoal.
6. Juliana representa o seguinte tipo social:
(A). representa uma classe desfavorecida que é humilhada e para conseguir algo se apega a qualquer artifício;
(B). representa a mulher batalhadora e desprovida de qualquer interesse alheio;
(C). representa a ignorância da população menos privilegiada economicamente que, entretanto, tem comportamento moral equivalente ao cidadão mais prestigiado.
(D). representa o comodismo das pessoas em querer a ascensão social

7. .(UNIBAN) Assinale a alternativa que não indica um tema abordado em O primo Basílio, de Eça de Queirós:
(A) Crítica aos valores fantasiosos divulgados pela literatura romântica.
(B) Apresentação da condição das classes pobres submetidas às injustiças sociais.
(C) Condenação da hipocrisia, ociosidade e da superficialidade que caracterizam a vida burguesa.
(D) Valorização das crenças religiosas, da simplicidade e honestidade, princípios tradicionais que regem a vida dos homens de bem.

 8. (UFPI) Das alternativas abaixo, indique a que NÃO condiz com o romance O Primo Basílio, de Eça de Queirós: 
(A) É uma obra realista-naturalista e nela o narrador aparece como um observador imparcial que vê os acontecimentos com neutralidade.
(B) Apresenta como tema central o adultério e o autor explora o erotismo ao detalhar a relação entre os amantes. 
(C) Mostra-se como uma lente de aumento sobre a intimidade das famílias e revela criticamente a pequena burguesia do final do século XIX em Lisboa. 
(D) Ataca as instituições sociais como a Família, a Igreja, a Escola e o Estado, sempre com a preocupação de fazer um vasto inquérito da sociedade portuguesa e moralizar os costumes da época.
(E) Caracteriza-se por ironia fina, caricaturismo e humor na composição das personagens, entre as quais se destaca o Conselheiro Acácio.

9. (POLI) Vejamos um trecho de O Primo Basílio, de Eça de Queirós, que descreve a personagem Juliana:
A necessidade de se constranger trouxe-lhe o hábito de odiar: odiou sobretudo as patroas, com um ódio irracional e pueril. Tivera-as ricas, com palacetes, e pobres, mulheres de empregados, velhas e raparigas, coléricas e pacientes; - odiava-as a todas, sem diferença. É patroa e basta! pela mais simples palavra, pelo ato mais trivial! Se as via sentadas: - Anda, refestela-te, que a moura trabalha! Se as via sair: - Vai-te, a negra cá fica no buraco! Cada riso delas era uma ofensa à sua tristeza doentia; cada vestido novo uma afronta ao seu velho vestido de merino tingido. Detestava-as na alegria dos filhos e nas propriedades da casa. Rogava-lhes pragas. Se os amos tinham um dia de contrariedade, ou via as caras tristes, cantarolava todo o dia em voz de falsete a Carta Adorada! (Eça de Queirós, O Primo Basílio. São Paulo: Ateliê, 1998.) 

10.Sobre o trecho e a obra, assinale a INCORRETA:
(A) Juliana trabalha na casa de Luísa e Jorge e esse trecho retrata como se sentia injustiçada por sua condição social.
(B) No trecho "A necessidade de se constranger trouxe-lhe o hábito de odiar" podemos observar o pensamento determinista, uma vez que a condição social de Juliana obrigava-a a servir aos outros e, em consequência, passou a odiar os patrões.
(C) Em "cada vestido novo uma afronta ao seu velho vestido de merino tingido" notamos o olhar do narrador que, através desse jogo de oposições, chama a atenção para a injustiça social.
(D) No trecho "É patroa e basta!" poderíamos imaginar que a voz de Juliana mistura-se ao discurso do narrador.
(E) Quando o narrador apresenta "cantarolava todo o dia em voz de falsete a Carta Adorada!", o nome da música foi escolhido aleatoriamente e não apresenta relação com o destino da personagem.


3 comentários:

  1. tem como passar as respostas das questoes do filme como estrelas na terra para o email fabiolasouza28@hotmail.com . obrigada

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. tem como passar as respostas das questoes do filme "o presente" para o email brunaresendegomes1707@gmail.com . obrigada

    ResponderExcluir